20.7 C
Vitória
terça-feira, 25 junho, 2024

Congresso deve votar Orçamento 2024 no final de novembro

O atraso na votação da LDO, que estabelece as bases para LOA, aconteceu devido à espera pela aprovação do novo Arcabouço Fiscal

O Congresso Nacional deve votar o parecer final do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 na semana do dia 20 de novembro. A votação do relatório preliminar, requisito para abrir o prazo de emendas da proposta, deve ocorrer já na semana que vem na Comissão Mista de Orçamento, segundo o líder do União Brasil, deputado Elmar Nascimento (BA). O PLDO é relatado pelo deputado Danilo Forte (União-CE).

Como mostrou o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o atraso na votação do PLDO vinha adicionando mais pressão ao calendário da proposta de Orçamento.

- Continua após a publicidade -

Nos bastidores, técnicos do Congresso não descartavam o risco de o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) ser votado apenas no próximo ano. A letargia nos trabalhos da CMO também acendeu o sinal amarelo sobre o cronograma. A ideia, no entanto, desagrada parlamentares, já que a aprovação da LOA apenas em 2024 atrasaria o calendário de pagamento de emendas em ano eleitoral.

A LDO, que estabelece as bases para LOA, deveria ter sido votada em julho, antes do recesso parlamentar, mas os deputados resolveram esperar a aprovação do novo arcabouço fiscal, que virou lei no final de agosto.

De acordo com Forte, o atraso na votação do projeto foi um pedido feito pelo governo, inclusive como uma forma para ganhar tempo caso fosse necessário reavaliar a meta de déficit zero estabelecida para o ano que vem. O texto do arcabouço aprovado no Congresso determina que o centro da meta fiscal seja definido na LDO.

O relator chegou a dizer a jornalistas em meados de setembro que não estaria descartado da sua parte nem da parte do governo alterar a meta fiscal ainda este ano. No entanto, na quarta-feira, ao Broadcast Político, Forte disse que não vê disposição do Executivo em mudar o déficit zero. Esse movimento tampouco seria encabeçado pelo Congresso, segundo ele.

Forte vem trabalhando no relatório meios para aumentar ainda mais o poder do Congresso sobre as contas públicas. O parlamentar já afirmou que é uma tendência que o Orçamento se torne cada vez mais impositivo (obrigatório) tanto do ponto de vista de emendas quanto do ponto de vista programático.

Ele tem estudado ainda a criação de um calendário para execução de emendas e critérios para contingenciamento destes recursos, caso haja frustração no cumprimento da meta fiscal no ano que vem. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA