Papa adota normas mais rígidas no clero para crimes de abuso sexual

Foto: Remo Casilli / Reuters

O papa emitiu uma carta que regulamenta regras mais firmes para evitar o encobrimento de tais atos pela hierarquia católica

O Papa Francisco emitiu uma carta, nesta quinta-feira (09), com normas mais rígidas que obrigam padres e religiosos a denunciar qualquer suspeita de agressão sexual ou assédio, bem como todo o encobrimento de tais atos pela hierarquia católica. As informações são da Veja.

A partir de agora, todas as dioceses terão o prazo de até 1 ano para colocar em prática os novos mandamentos da igreja. Ou seja, deverá ser instalado um sistema para o público que desejar apresentar denúncias de potenciais casos de abusos sexuais, que serão examinados em um prazo de 90 dias.

De acordo com a Veja, a carta foi emitida em um “motu proprio”. O documento pede, também, que o segredo da confissão continue absoluto, o que exclui denúncias de fatos reportados por fiéis no confessionário.

Na carta apostólica, intitulada “Vos estis lux mundi” (“Vós sois a luz do mundo”), o pontífice destaca que os “crimes de abuso sexual ofendem Nosso Senhor, causam danos físicos, psicológicos e espirituais às vítimas e lesam a comunidade dos fiéis”.

E ele reforça que essas atitudes precisam ser adotadas para que não aconteçam mais. “É necessária uma conversão contínua e profunda dos corações, atestada por ações concretas e eficazes que envolvam a todos na Igreja. Por isso, é bom que se adotem, a nível universal, procedimentos para prevenir estes crimes, que traem a confiança dos fiéis”, destacou.

Sobre qualquer má conduta sexual que envolva o uso do poder por autoridades da Igreja, o papa esclareceu que será considerada, a partir de agora, abuso sexual.


Leia mais:

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!