24.4 C
Vitória
terça-feira, 29 setembro, 2020

JOSÉ
EUGÊNIO
VIEIRA

Artur da Costa e Silva

Leia Também

Desmatamentos & queimadas ilegais: não faltam leis, mas consciência e atitudes!

Isto tudo ocorria sob o olhar omisso do poder estatal, óbvio, diante dos interesses que circundavam as florestas naturais e, ainda, se mantém até os dias atuais

Cuidado com a imagem da sua empresa!

Uma organização, pequena ou grande, está baseada primordialmente naquilo que é o seu objetivo

Economia brasileira: vítima dos personalismos de governo

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6 Por Arilda Teixeira Aqueles que acreditam que a combinação de república democrática com economia...

O segundo presidente do Brasil durante a ditadura militar

Artur da Costa e Silva nasceu em Taquari, no interior do Rio Grande do Sul, no dia 3 de outubro de 1899, filho de Aleixo Rocha da Silva e Almerinda Mesquita da Costa e Silva.
Aluno a partir de 1918 na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, aspirante a oficial em janeiro de 1921, segundo-tenente em 1922, ele chegou ao generalato em agosto de 1952 e, em 25 de novembro de 1961, ao posto mais alto da carreira militar, o de general de Exército.

Fez estágio nos Estados Unidos entre janeiro e junho de 1944 e serviu como adido militar na Argentina de 1950 a 1952. Comandou a Terceira Região Militar, no Rio Grande do Sul, de 1957 a 1959, a 2ª Divisão de Exército, em São Paulo, e o IV Exército em Pernambuco, de 1961 a setembro de 1962.

Marechal Artur da Costa e Silva * 3 de outubro de 1899 † 17 de dezembro de 1969

No governo do presidente João Goulart, reprimiu manifestações estudantis no Nordeste, mas participou em 1963 do movimento que alijou o mesmo mandatário do poder.
Com a posse de Castelo Branco, foi nomeado ministro de Guerra. Nessa função, defendeu a política de linha-dura e preparou o caminho para sua própria e futura escolha para a sucessão presidencial.

Como ministro da Guerra, escapou de um atentado a bomba no aeroporto de Recife, onde era esperado por um grupo de manifestantes. No ato terrorista, morreu o vice-almirante Nelson Gomes Fernandes, e ficaram feridas dezenas de pessoas.

O avião que levaria Costa e Silva de João Pessoa para Recife sofrera uma pane e não pôde decolar. O ministro da Guerra por isso viajou de automóvel e o atentado ocorreu antes da sua chegada.

O marechal Artur da Costa e Silva não se recuperou do acidente cerebral sofrido no dia 17 de dezembro de 1969, no Rio de Janeiro, aos 70 anos de idade. Deixou viúva Yolanda Barbosa Costa e Silva, com quem tivera um único filho, Alcio.


ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Mais Endereços

Florentino Avidos

Uma das avenidas mais conhecidas do Centro de Vitória, a Florentino Avidos recebeu esse nome por causa de uma importante figura história do Espírito...

Muniz Freire: vocação a serviço do Estado

Aqui em Siqueira Campos só tem dois homens: eu e o padre Miguel. E ambos usamos saia. ” Dona Emiliana Viana Emery, mulher capixaba...

Personagem marcado pela historia, Serafim Derenzi foi um homem de duas pátrias

O Século XIX foi um marco na grande transformação política, econômica  e  social que deu  à Itália foro de Nação.  Região dominada por  diversas...

Blogs e colunas

Yamaha lança scooter Star Wars

Disponível apenas na cor branca, o modelo Aliança Rebelde traz marcas que simulam desgaste por uso na carenagem

E-Tron Sportback chama atenção em silêncio

O painel se destaca pelo desenho e funcionalidade. O acabamento interno tem revestimento de couro, alcântara e alumínio

L200 Triton mantém base e muda visual

Entre os recursos de segurança, um dos destaques é o corte da aceleração caso os pedais de freio e acelerador sejam acionados simultaneamente