24.2 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro, 2020

JOSÉ
EUGÊNIO
VIEIRA

Marechal Deodoro da Fonseca

Leia Também

Crise para quem não pesquisa

Pesquisar seus mercados, traçar cenários realistas e tomar decisões embasadas em dados é a melhor solução

Mensagem de WhatsApp tem valor como documento?

Tais técnicas representam a maior arma do Estado com o fito de combater o crime, em especial, o organizado

Palmares nega Zumbi!

No mês da Consciência Negra, atribuído às comemorações do dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 20 de novembro 1695

O primeiro presidente da República, após a proclamação, liderou o Exército que defendia a abolição da escravatura

Manuel Deodoro da Fonseca foi o primeiro presidente brasileiro após a Proclamação da República. Tornou-se um militar alçado à política por força de seu inegável prestígio e liderança nos meios do Exército Brasileiro.

Quando se buscava um nome capaz de estar à frente do movimento que iria abolir a monarquia, era ele o presidente do Clube Militar, no Rio de Janeiro, entidade que liderava nos meios militares desde 1887 e o cenário contra o regime imperial, além de defender os ideais republicanos. Deodoro da Fonseca nasceu na cidade de Alagoas, hoje rebatizada com seu nome, uma homenagem dos alagoanos ao seu mais ilustre coestaduano.

O filho de Manuel Mendes da Fonseca e Rosa Maria Paulina da Fonseca casou-se com Mariana Meireles em 16 de abril de 1860. Matriculou-se em 1843, aos 16 anos, no Colégio Militar do Rio de Janeiro, terminando em 1847 o curso de Artilharia. Serviu ao Exército Brasileiro de 1843 a 1892 durante 49 anos, tendo participado da Guerra do Paraguai. Com patente de coronel em 1868, foi promovido a brigadeiro em 1874 e tornou-se marechal em 1884.

 

Em 1885, liderou a facção do Exército que defendia a abolição da escravidão e confirmou a unanimidade militar em torno do seu nome.
Antes de destituir o governo imperial de D. Pedro II, tornando-se o primeiro presidente do Brasil, no então denominado Governo Provisório e Constitucional, foi como militar presidente da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul (8 de maio de 1886 a 9 de novembro do mesmo ano).

Deodoro da Fonseca
Marechal Deodoro da Fonseca – * 5 de agosto de 1827 † 23 de agosto de 1892

Durante seu governo, promoveu avanços na Constituição vigente, criou o Código Penal, reformou o Código Comercial e promulgou a primeira Constituição Republicana do Brasil. Pôs fim ao “Poder Moderador”, ao Senado vitalício e à união entre a Igreja e o Estado. Instituiu o casamento civil e a laicização dos cemitérios.

Erro fatal para o seu governo foi cometido quando pretendeu extinguir o Congresso no dia 3 de novembro de 1891. Sem apoio que tinha até então, sem sustentação do próprio Exército, renunciou à Presidência no dia 23 de novembro de 1891.

O grande ícone da Proclamação da República faleceu no dia 23 de agosto de 1892, aos 65 anos de idade, em sua casa, na Rua Senador Vergueiro, Rio de Janeiro, em consequência de uma dispneia. Foi sepultado com honras militares.

Deodoro da Fonseca
Tabuazeiro – Esta é uma das principais ruas do bairro

Marechal Deodoro da Fonseca teve sua efígie estampada em cédulas e moedas brasileiras e tem monumentos com sua figura em logradouros públicos de numerosas cidades do país.


Como Chegar:

 

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Mais Endereços

Rua Alziro Zarur

Um apóstolo do século 20 é nome de rua em Jardim da Penha Fiel a seu próprio lema, Alziro Zarur, personagem enfocado nesta publicação, empreendeu uma...

Memória e atualidade de Goiabeiras

Até meados do século XX, toda a região de Goiabeiras, com seus 7,7 milhões de metros quadrados, pertencia a alguns poucos fazendeiros, produtores de...

Carlos Lindemberg uma trajetória de estadista

“O jornal não determina ou limita consequências, mas integra o processo político do princípio ao fim, e a este se mantém ligado em seus...

Blogs e colunas

Pandemia e seu impactos econômicos

Presidente do Corecon-ES, destacou que as medidas econômicas, condicionadas por um ambiente político controverso

Jaguar F-Type renova estilo e segue bravo

No interior, a princípio, o mesmo luxo de outrora. Nada de design extremamente arrojado, forte apelo futurista ou exageros

Hyundai Venue e novo Elantra estão no Brasil

O novo Elantra tem possibilidade de desembarcar por aqui, importado da Coreia do Sul. O sedã deixou de ser vendido no País em 2018