28.8 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

Em último discurso, Aras se diz alvo de “falsas narrativas”

Um dos marcos de sua gestão foi a extinção do modelo de forças-tarefas, enterrando a Operação Lava Jato

O procurador-geral da República Augusto Aras fez um desagravo a si próprio nesta quinta-feira, 21, no Supremo Tribunal Federal (STF). Enquanto dezenas indígenas aguardavam a retomada do julgamento do marco temporal, ele fez o último discurso no plenário antes do fim do mandato. Aras deixa o cargo, após quatro anos, no próximo dia 26.

Acusado de alinhamento sistemático ao governo Jair Bolsonaro, o PGR disse que foi alvo de “incompreensões e falsas narrativas”. “Parte das incompreensões deve-se à equivocada expectativa de que o Ministério Público deve protagonizar ou mesmo apoiar projetos partidários”, afirmou. “Nossa missão não é caminhar pela direita ou pela esquerda.”

- Continua após a publicidade -

Ele também pregou a separação e a independência dos poderes e o respeito ao devido processo legal. “Instituição contramajoritárias não têm compromisso com projetos partidários”, defendeu. Afirmou ainda que não entregou ‘nada menos que sangue, suor e lágrimas’ enquanto esteve no cargo.

Um dos marcos de sua gestão foi a extinção do modelo de forças-tarefas, enterrando a Operação Lava Jato. Aras afirmou que o Ministério Público deve agir “sem espetáculos midiáticos”

“A ideologia política busca os espaços de poder. A ideologia constitucional busca limitar e convergir o uso do poder em prol do bem comum, protegendo o cidadão de abusos e arbitrariedades”, concluiu.

Cabe ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nomear o sucessor de Aras. Os favoritos até o momento são os subprocuradores Paulo Gustavo Gonet Branco e Antonio Carlos Bigonha. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA