23.9 C
Vitória
quarta-feira, 19 junho, 2024

Dia da Micro e Pequena Empresa: Confira o perfil das MPEs no ES

No dia da Micro e Pequena Empresa, a ES Brasil traçou um perfil do desempenho destes negócios no Estado

Por Amanda Amaral

No Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, quarta-feira (05), o Espírito Santo registra a marca de mais de 134 mil pequenos negócios em funcionamento. Eles são responsáveis pela geração de mais da metade dos empregos formais, colaborando para o saldo positivo no primeiro semestre no número de vagas de trabalho no Estado.

- Continua após a publicidade -

Das 134.285 mil MPEs em funcionamento no Estado – com exceção dos Microempreendedores Individuais (MEIs), 9.526 delas foram abertas este ano até o mês de julho, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Espírito Santo (Sebrae-ES).

Geração de empregos

Empregando sete vezes mais do que as Médias e Grandes Empresas em 2021, entre janeiro e julho deste ano, as MPEs já são responsáveis por 67% dos postos de trabalho com carteira assinada, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

Redes sociais

Os donos de micro e pequenas empresas também se mostram antenados e têm presença marcante na internet, já que 69% destes empreendedores capixabas usam redes sociais. Entre os que fazem uso, 90% escolheram o Whatsapp como ferramenta preferida.

Para o diretor de atendimento do Sebrae/ES, José Eugênio Vieira, “as MPEs têm sustentado a economia capixaba com a geração de emprego e renda para o estado. Prova disso, é que, no último ano, elas empregaram sete vezes mais que as médias e grandes empresas capixabas, e seguiram mantendo o saldo positivo de empregos durante o primeiro semestre deste ano. Todo o esforço do Sebrae/ES, em parceria com o governo do Estado e prefeituras, também contribuiu para esses resultados, uma vez que estamos melhorando o ambiente de negócios e desburocratizando os processos para quem empreende no Espírito Santo”, ressalta.

Fechamento de empresas

A maior pesquisa mundial de empreendedorismo, realizada pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM) identificou que “ter o próprio negócio” é o 2º maior sonho dos brasileiros.
Existem 44 milhões de pessoas no país que empreendem ou desejam empreender, conforme a GEM. Contudo, outro dado importante com relação às MPEs é que 23% delas fecham antes de completarem dois anos.

Setores em destaque

Os dois setores que mais se destacam no Espírito Santo entre as micro e pequenas empresas são alimentação e vestuário. Da fabricação ao comércio de produtos alimentícios, são pelo menos 11 mil negócios ativos. Já no setor de vestuário, aproximadamente 5,6 mil MPEs estão ativas no Estado.

Polpas de açaí

A Vila Natura é uma delas, atuando no setor de comercialização de polpas de açaí e outras frutas e produtos naturais. No mercado desde 2017, a empresa tem como objetivo promover uma alimentação saudável aos seus clientes.

“Eu amo açaí e tinha dificuldade em achar açaí puro em Vitória. Um dia, por total acaso, eu conheci na rua um produtor de açaí, ele mesmo plantava, extraía e vendia as polpas. Comprei três vezes e pensei que, com mais capacidade de comunicação, eu poderia consumir e fazer aquele alimento chegar até às pessoas como eu. Pedi autorização a ele e comecei a revender para meus amigos e isso foi se espalhando”, relembra Fábio Machado Cardoso.

Para ele, o diferencial do seu produto está na segurança. “Creio que o diferencial hoje seja oferecer um produto muito saudável, prático e confiável. O pacote do meu açaí tem a opção de porções pequenas e registro do Ministério da Agricultura, isso me ajudou a conquistar a confiança de clientes, atletas e nutricionistas conceituados”, conta Fábio.

Desde o início do negócio, Fábio optou por utilizar as redes sociais para divulgação e venda dos produtos. Ele faz parte dos 42% dos empreendedores que já utilizavam esse canal de venda antes da pandemia.

Dia da Micro e Pequena Empresa: Confira o perfil das MPEs no ES
A Vila Natura comercializa polpas de açaí para outros estabelecimentos no Estado. Foto: Divulgação

“As redes sociais sempre foram fundamentais desde o primeiro dia quando postei no meu Facebook pessoal sobre a possibilidade de vender açaí a meus amigos e tive cerca de 60 respostas positivas. Aquela postagem foi quando decidi começar. Hoje uso mais o Instagram e Whatsapp Business, o dia inteiro”, explica o empreendedor.

Apesar de toda a importância do ambiente digital para o negócio, Fábio entendeu que também era preciso diversificar as formas de venda para ampliar a clientela.

“Hoje meu produto é vendido por mim, como no início de tudo, mas também está dentro de 10 lojas espalhadas pelo Estado. Há quatro meses aluguei meu primeiro ponto físico pois o volume de estoque não podia mais ficar na minha casa. Isso não seria possível sem profissionalizar o negócio me tornando MEI e depois Microempresa”, destaca.

O próximo passo do Fábio, que já fez cursos do Sebrae/ES há alguns anos, é retomar a rotina de capacitações. “Eu pretendo fazer o Empretec, conheço pessoas que fizeram e me indicaram muito. Busco ler e me manter informado sempre, mas sinto falta de participar de um conteúdo mais imersivo”, finaliza o empreendedor.

Roupas sustentáveis

E foi seguindo esse desejo comum a tantos brasileiros, que a Laís Breder, decidiu abrir a própria loja de vestuário. A ideia de criar uma marca de roupas surgiu em 2015, quando ela finalizava o curso de Direito, e foi ganhando forma até se tornar a Cajuera, há cinco anos. O sonho era desenvolver uma marca sustentável, e que tocasse as pessoas de alguma forma, conta Laís.

“Nessa busca de querer impactar outras pessoas, de aguçar mais o meu lado criativo, acho que a minha consciência tomou a decisão de que a moda seria algo que eu poderia trabalhar nesse sentido. A moda foi a primeira maneira que eu vislumbrei para fazer diferença na vida de outra pessoa”, conta Laís.

Dia da Micro e Pequena Empresa: Confira o perfil das MPEs no ES
Diretor no Sebrae/ES, José Eugênio Vieira, destaca que a MPEs têm sustentado a economia capixaba. Foto: Divulgação

Hoje, com a irmã como sócia, a empreendedora já consegue ter um conceito bem formado da loja. A sustentabilidade é o que move a marca.

“A ideia é valorizar o que é nosso, trazer bem a parte brasileira para os nossos produtos. E com uma equipe incrível, a Cajuera começou a crescer, várias pessoas começaram a se juntar ao ideal da empresa. Meu grande sonho é tocar nos momentos individuais, com produtos, serviços e ideias que encantem a vida das pessoas, desconstruindo a ideia de que ser ecológico é limitante. As práticas sustentáveis são possíveis dentro da nossa realidade e é isso que gostaria de trabalhar melhor”, deseja Laís.

Atualmente, a Cajuera possui uma matriz e duas filiais, além de parcerias que levam a marca para Fernando de Noronha (PE) e Chile. A produção capixaba é feita por pequenos núcleos familiares, gerando emprego e renda para o Espírito Santo.

Superando a pandemia

O educador físico Gustavo Brás abriu sua empresa em 2012, o B3, um estúdio de atividade funcional, localizado em Vitória. Recém-formado e junto a outros dois sócios na época, eles aproveitaram uma oportunidade para empreender.

“Uma academia que fazia atendimento personalizado estava fechando na região e os clientes estavam buscando um novo espaço para se exercitarem, com o mesmo perfil. Entendemos aquela situação como uma oportunidade, compramos os equipamentos do local, abrimos o nosso estúdio próximo ao outro estabelecimento e captamos os alunos”, relembra Gustavo.

A empresa já se consolidou e quebrou a marca dos 23% dos negócios que fecham antes de completarem dois anos de existência. De lá para cá, já se passaram dez anos de muito empreendedorismo e aprendizado. E o Sebrae/ES teve contribuição importante nessa trajetória.

“Quando a empresa tinha três anos, eu fiz o Empretec. Queria desenvolver a minha capacidade de empreender, de solucionar problemas diante de mudanças de situações e medir a minha capacidade de gestão. Aprendi que, às vezes, a gente precisa tomar uma decisão rápida e assertiva, seguindo pelo melhor caminho”, conta o empreendedor.
Em 2020, com as medidas de isolamento social provocadas pela crise da Covid-19, Gustavo precisou colocar todo esse aprendizado e conhecimento em prática. Afinal, o setor de academias foi um dos que mais demorou para retomar as atividades presenciais com segurança.

Dia da Micro e Pequena Empresa: Confira o perfil das MPEs no ES
O estúdio de atividade funcional, B3, foi fundado em 2012. Foto: Divulgação

“Durante a pandemia a gente precisou mudar para a aula online e foi tudo em cima da hora. Tivemos que reorganizar os processos internos e nos organizar para que o cliente do outro lado conseguisse treinar, se movimentar, e ao mesmo tempo, fazer com que esse formato fosse prazeroso para ele. O nosso método de treinamento, que é a prática de exercício livre, facilitou a adaptação dos alunos. Foi uma boa experiência, mas não foi fácil”, destaca Gustavo.

Desde o retorno das atividades presenciais, o B3 migrou para um espaço maior e Gustavo toca o estúdio de funcional sem sócios, mas com uma equipe que para ele faz toda a diferença.

“A gente está no mercado há dez anos e sempre tem um desafio novo. Empreender é bacana, mas é desafiador. A gestão do negócio também, porque a gente tem que dar conta da satisfação do cliente, da responsabilidade técnica de entregar o que ele precisa e o que ele quer. Mas a gestão de pessoas é o meu maior desafio. Hoje, eu penso e compartilho junto com os funcionários. Se eu não estiver perto da minha equipe, eu não consigo crescer, e sozinho ninguém vai para lugar nenhum”, conclui o empreendedor.

Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa

O Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa é celebrado anualmente em 05 de outubro. A comemoração está associada à data da criação do Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999), que atualmente é regulamentado pela Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.

Perfil das Micros e Pequenas Empresas (MPEs) no ES:

– 134.285 micro e pequenas empresas ativas no ES.
– 9.526 MPEs abertas em 2022, de janeiro a julho.
– 23% das MPEs fecham antes de completarem 2 anos.
– 67% dos empregos de janeiro a julho de 2022 foram gerados por MPEs.
– 69% dos empreendedores capixabas usam redes sociais.
– MPEs capixaba empregaram sete vezes mais que Médias e Grandes empresas em 2021.
– 11 mil MPEs ativas no setor de alimentação.
– 5,6 mil MPEs ativas no setor de vestuário.

Fonte: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Espírito Santo (Sebrae-ES).

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA