21.9 C
Vitória
sexta-feira, 21 junho, 2024

Coser quer gratuidade no transporte público para pessoas com HIV

PLC em tramitação no Legislativo sugere isenção do pagamento de passagens para pessoas com HIV e AIDS

Por Robson Maia

Um Projeto de Lei Complementar (PLC) em tramitação na Assembleia Legislativa (Ales) propõe que pessoas com a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) e as portadoras do vírus do HIV, mesmo que indetectável no organismo, tenham gratuidade na passagem dos ônibus intermunicipais. A iniciativa, de autoria do deputado João Coser (PT), valeria somente para deslocamentos relativos ao tratamento da saúde.

- Continua após a publicidade -

Para isso, o petista altera vários dispositivos da Lei Complementar 971/2021, que versa sobre os casos de isenção no tíquete dos coletivos do Sistema de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Sitrip-ES).

Segundo Coser, o PLC visa ajudar na adesão ao tratamento efetivo da saúde. Para ter acesso ao benefício, será necessário que os passageiros se cadastrem previamente e apresentem laudo médico atestando a condição e Número de Identificação Social (NIS).

No entanto, a proposta do petista exige ainda um recorte socioeconômico que cobra a inscrição no Cadastro Único (CadÚnico), do Governo Federal, bem como renda individual abaixo de um salário mínimo e renda familiar per capita não superior a 1,3 salário.

O PLC define ainda o paciente com HIV como “pessoa portadora do vírus” e o com Aids aquele “que já desenvolveu a doença causada pelo vírus”.

Para Coser, o PLC é entendido como justa demanda dos pacientes sem condições de custear as passagens para a terapia. O petista lembra que antes da unificação do transporte urbano da Grande Vitória, esse público era contemplado pelo benefício na capital.

Amparado no Ministério da Saúde (MS), o petista cita dados de 2018, quando 74,5% das pessoas com HIV positivo no país mantiveram o tratamento, ou seja, quase 25% não aderiram a ele ou o abandonaram. Conforme o MS, em 2021 foram notificados 1.171 novos casos do vírus entre os capixabas.

O parlamentar lembra que nem todos os pacientes buscam o tratamento, gratuito, e um dos fatores é a baixa condição econômica.

“Numerosos municípios não possuem profissionais ou infraestrutura para que a evolução do quadro clínico da pessoa que vive com HIV seja devidamente acompanhada, forçando-a a se deslocar para cidades que dispõem desse serviço”, afirma Coser.

 

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA