Denúncia de racismo contra Bolsonaro volta à pauta do STF nesta terça (11)

Foto: Reprodução

Bolsonaro foi acusado de atitude discriminatória contra índios, quilombolas, homossexuais, entre outros

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, é acusado de promover manifestações discriminatórias contra quilombolas, índios, refugiados, mulheres e lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBTs).

Por conta disso, a primeira turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retoma, nesta terça-feira (11), o julgamento da denúncia de racismo feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao deputado.

Bolsonaro foi denunciado graças a uma infeliz declaração dada durante uma visita a um quilombo. Na ocasião, ele avaliou que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador eles servem mais”.

Denúncia

A denúncia foi protocolada em 13 de abril em decorrência de uma palestra proferida pelo candidato, no ano passado, no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro. Dando prosseguimento ao processo, o julgamento foi iniciado em 28 de agosto, quando foi interrompido por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

O placar ficou em 2 a 2. Os ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber afirmaram que Bolsonaro deveria responder por um crime de discriminação. Já os ministros Marco Aurélio Mello, e o ministro Luiz Fux consideraram a fala do candidato apenas como liberdade de expressão.

Essa será a terceira denúncia feita contra Jair Bolsonaro. Ele já responde a outras duas ações penais, nas quais é acusado de injúria e de incitação ao estupro, devido a declarações feitas em relação à deputada Maria do Rosário (PT-RS).

*Com informações da Agência Brasil


Leia mais:

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!