22.9 C
Vitória
sábado, 15 junho, 2024

Samarco: Muito além do minério de ferro

Samarco desenvolve mudanças para construir uma nova história de ações inovadoras de sustentabilidade e conexão com as comunidades do entorno

De janeiro a novembro deste ano, a Samarco produziu mais de 7,5 milhões de toneladas de pelotas e finos de minério de ferro. E até outubro foram gerados mais de R$ 915 milhões em tributos da própria empresa e aqueles originários da aquisição de bens, materiais e serviços de fornecedores. Em todo o ano, os impostos devem somar R$ 1,1 bilhão, incluindo a projeção dos dois últimos meses.

Mas a Samarco não se resume à produção mineral. Além da atividade mineradora que impacta de forma significativa a economia nacional, do Espírito Santo e Minas Gerais, a empresa desenvolve uma série de programas e projetos, que têm como foco as pessoas e o meio ambiente.

- Continua após a publicidade -

A empresa promoveu as mudanças necessárias para escrever uma nova história e reconstruir as relações de confiança com a sociedade. Há dois anos, voltou a operar de uma maneira diferente, com novas tecnologias e mais segurança.

Desde a obtenção da Licença de Operação Corretiva (LOC), em outubro de 2019, a Samarco já possui as autorizações ambientais necessárias para o retorno das atividades. Ainda assim, decidiu aguardar a implantação do sistema de filtragem, concluída em dezembro de 2020, que possibilita o empilhamento a seco de 80% do rejeito gerado. O restante (20%) é disposto em uma cava confinada, que permite a contenção natural e com mais segurança.

“Neste segundo ano de nossa retomada, concretizamos a estabilidade operacional da empresa, superando as expectativas de performance, alcançando mais eficiência e custo operacional competitivo. Ao mesmo tempo, consolidamos nosso retorno ao mercado e nossas relações com clientes estratégicos. Queremos, em 2023, evoluir ainda mais para seguirmos com o nosso propósito de fazer uma mineração diferente, mais segura e sustentável”, destacou o presidente da Samarco, Rodrigo Vilela.

Principais inciativas

A agenda e a evolução da pauta ESG (sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança), cada vez mais, é tema de atenção para a sociedade e para o setor mineral. Entre os destaques deste ano, a Samarco inaugurou o Centro de Operações Integradas (COI), agrupando áreas de planejamento, operações, gestão de ativos, entre outras, para reforçar a segurança operacional e de processos.

Além disso, a empresa vem investindo no projeto Dry Stacking para construção de uma planta de filtragem e de aterros experimentais para análise das melhores formas de disposição de rejeitos e do comportamento geotécnico das pilhas, no Complexo de Germano, em Mariana (MG).

Em 2022, foi lançado o Programa de Diversidade, Equidade e Inclusão, com vagas afirmativas para mulheres, jovens negros (as) e pessoas com deficiência.
A expectativa é que as ações sejam ampliadas para o próximo ano.

Por meio do Força Local, que contribui com o desenvolvimento socioeconômico dos territórios onde a empresa atua, a Samarco desembolsou cerca de R$ 480 milhões em compras com fornecedores locais. Em 2022, 112 empresas foram certificadas no Pilar Desenvolvimento e Qualificação de Fornecedores Locais.

“Esse desempenho é fruto do planejamento e do fortalecimento dos nossos valores, sobretudo o respeito às pessoas e tendo como foco a segurança”, avaliou Vilela.

Samarco: Muito além do minério de ferro
A evolução da pauta ESG (Ambiental, Social e Governança) é destaque na Samarco

Reparação

A empresa reitera o compromisso com a reparação integral dos danos e se mantém aberta ao diálogo com os órgãos públicos em busca de uma solução para repactuação dos acordos firmados anteriormente, a fim de dar mais celeridade e efetividade às ações. Até outubro, foram destinados mais de R$ 25,79 bilhões para a reparação, incluindo a indenização de mais de 407,7 mil pessoas, por meio da Fundação Renova.

Inovação e sustentabilidade

A Samarco pretende adotar o uso de resíduos de lavra de mármore na produção de pelotas de minério de ferro, em complementação ao calcário. A prática irá tornar a empresa pioneira em uma ação inovadora de sustentabilidade.

O estudo para verificar a viabilidade do uso dos resíduos como insumo na pelotização foi iniciado em 2020. Desde então, várias análises vêm comprovando a eficácia da utilização do subproduto de mármore como alternativa de insumo para produção de pelotas. No teste industrial, o resíduo de mármore apresentou resultados que atendem aos índices de qualidade monitorados. Os benefícios são vários, como impactos positivos na qualidade da pelota e redução da emissão de dióxido de carbono e do consumo de combustível, garantindo a tranquilidade para trabalhar com o insumo.

A engenheira de processo Ana Maria Bailon destaca a redução do impacto ambiental da produção de rochas ornamentais nas comunidades do entorno e, ao mesmo tempo, a transformação dos resíduos desse processo em um insumo 100% sustentável para a pelotização. “Alternativas como essa resultam em melhorias para a sociedade, para o meio ambiente e para nossos clientes”, afirma.

Samarco: Muito além do minério de ferro
A Samarco investiu em mudanças para restabelecer as relações de confiança com a sociedade

O Espírito Santo é o maior produtor de rochas ornamentais no país, responsável por cerca de 80% da produção; e o Brasil é quarto maior do mundo. “Estudamos alternativas para utilizar o resíduo desse setor, já que apenas 20%, em média, da produção é empregada como produto final. Esse coproduto gerado é química e fisicamente semelhante ao calcário consumido em uma de nossas usinas do Complexo de Ubu (ES), atualmente em torno de 400 toneladas/dia”, pontuou o coordenador de Engenharia de Processo da Samarco, Felipe Morato.

Idealizador do estudo sobre a possibilidade do uso de resíduos de rochas ornamentais na produção de pelotas, o diretor de Operações, Sérgio Mileipe, propôs o desafio para a equipe em 2018. “Estamos inovando em uma prática que consiste na utilização de um insumo na produção de pelotas, que irá contribuir significativamente para redução do volume de resíduos. Isso faz parte do nosso novo jeito de fazer mineração, com atenção voltada para sustentabilidade. Esse projeto é uma oportunidade para praticarmos o nosso propósito de fazer uma mineração diferente”, ressaltou.

Em março deste ano, a Samarco lançou o Movimento pela Inovação, um importante marco para a evolução cultural, tendo em vista que a inovação é um dos traços culturais a serem desenvolvidos, sendo necessária para garantir a perenidade da empresa.

Samarco: Muito além do minério de ferro
O uso de insumo na produção de pelotas contribui para redução do volume de resíduos

Anchieta e Guarapari

A Samarco promoveu melhorias nas cidades de Anchieta e Guarapari. Este ano, entregou a obra da Escola Municipal Emília Ana de Lyrio para a comunidade de Porto Grande, em Guarapari, e uma nova praça para comunidade de Chapada do Á, em Anchieta.

A entrega dos espaços trará benefícios e mais qualidade de vida para a população. A estrutura da escola conta com recepção, secretaria, refeitório, cozinha, depósito, playground e sala de informática, entre outros. Já a Praça Araputanga, em Anchieta, atenderá cerca de 80 crianças e possui playground coberto e descoberto, área multiuso, equipamentos de academia, arquibancada, sala de leitura e banheiros.

“Estamos honrando mais um compromisso assumido pela empresa, com a entrega desses espaços que trarão benefícios para população”, ressaltou o gerente-geral de Operações do Complexo de Ubu, Alysson Werneck.

As estruturas foram construídas a pedido das comunidades, em atendimento a condicionamento da Licença de Operação da Usina III, no complexo de Ubu, em Anchieta (ES).

Além disso, a Samarco irá doar equipamentos para o Hospital Cidade Saúde, em Guarapari, totalizando cerca de R$ 4 milhões. Os recursos serão destinados a 18 salas, sendo previstos quase R$ 2 milhões para sala de emergências, R$ 700 mil para enfermaria de adulto, R$ 416 mil para sala de procedimentos especiais, R$ 243 mil para salas coletivas de observação, mais de R$100 mil para sala de observação de pediatria, R$ 80 mil para posto de enfermagem e serviços, entre vários outros setores.

Outro compromisso da empresa com o município foi a doação de R$ 1 milhão para o projeto de restauro e reabilitação do Radium Hotel, com o intuito de fomentar o turismo, gerar emprego, renda e desenvolvimento econômico da região.

As iniciativas fazem parte da Política de Investimento Institucional e Social da Samarco, que identifica projetos que gerem valor para a população dos municípios que recebem a empresa.

Inclusão

Samarco: Muito além do minério de ferro
A empresa investe em melhor disposição de rejeitos e comportamento das pilhas, em Mariana (MG)

Em janeiro de 2022, a Samarco lançou o Programa de Diversidade, Equidade e Inclusão (DE&I), para fortalecer as ações de promoção da equidade racial, de gênero, da pessoa com deficiência e das pessoas LGBTI+.

Entre uma série de ações que vêm sendo desenvolvidas, o Programa de Estágio Mulheres na Mineração promove a inclusão do público feminino no setor. E com esse programa, a empresa assegura e dissemina a diversidade, equidade e inclusão e , baseada na importância das relações humanas em busca de uma mineração sustentável, trabalha com respeito e transparência em favor do bem-estar coletivo.

Aprendiz

Outra ação afirmativa do Programa DE&I foi o lançamento do Programa Aprendiz para jovens negros (as). São 69 vagas para residentes de Mariana, Ouro Preto e região, em Minas Gerais; e Anchieta, Guarapari, Piúma e região, no Espírito Santo.

As atividades terão início em fevereiro de 2023. Haverá aulas teóricas durante um ano, nas unidades do Senai em Mariana (MG) e Anchieta (ES). Após esse período, os aprendizes terão formação prática nas instalações da Samarco, no Complexo de Germano (Mariana/MG) e de Ubu (Anchieta/ES).

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA