19.4 C
Vitória
sexta-feira, 12 agosto, 2022

Juan Guaidó assume a presidência interina da Venezuela

Foto: Reuters/Carlos Garcia Rawlins/Direitos Reservados

O deputado federal venezuelano fez o juramento e disse que promoverá eleições gerais. Brasil disse reconhecer o novo presidente

A Venezuela está enfrentando dias complicados desde que o presidente Nicolás Maduro assumiu o poder. Por conta disso, muitas pessoas foram às ruas nessa quarta-feira (23) para manifestar contra o governo.

Desta forma, o deputado federal e presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, o Parlamento do país, Juan Guaidó, convocou a população a protestar e assumiu o poder interinamente.

“Hoje, 23 de janeiro de 2019, em minha condição de presidente da Assembleia Nacional, ante Deus todo-poderoso e a Venezuela, juro assumir formalmente as competências do Executivo nacional como presidente em exercício da Venezuela.”, disse o presidente interino.

Durante seu discurso, Guaidó afirmou que promoveria eleições gerais a fim de garantir a democracia no país. Ele é apontado como o maior líder da oposição na Venezuela. Além disso, ele confirmou que os militares que abandonarem Maduro serão anistiados.

Ele afirmou que é preciso reagir à “usurpação” do poder por parte do presidente da República, instaurar o governo de transição e eleições livres, e pediu que os militares se mantenham “ao lado do povo”.

Protestos

Durante os protestos, a população venezuelana fez denúncias de maus-tratos e violência, além de confrontos entre manifestantes e forças policiais. Segundo o Observatório Venezuelano de Conitividade Social (OVCS), um adolescentes de 16 anos foi baleado em uma das manifestações.

Imagens divulgadas pelas entidades civis organizadas mostram embates entre manifestantes e agentes do Estado, barricadas nas ruas e uso de coquetel Molotov.

Farhan Haq, porta-voz da Organização das Nações Unidas (ONU), disse que a entidade acompanha de perto os desdobramentos da crise na Venezuela e as manifestações. Ele disse que a entidade rechaça qualquer tipo de violência e aguarda pelo avanço de negociações.

Maduro X EUA

Diante do quadro instaurado na Venezuela, o presidente Nicolás Maduro foi à janela do Palácio Miraflores, sede do governo, em Caracas, para discursar. Acompanhado da mulher e assessores, Maduro falou para manifestantes favoráveis a ele que cercavam o edifício.

Nicolás Maduro foi à janela do Palácio Miraflores, sede do governo, em Caracas, acompanhado da mulher e assessores discursar. – Foto: Agência Venezuelana de Notícias

Ele disse que resistirá e se manterá firme contra a “tentativa de golpe”. O venezuelano reforçou que a eleição que o colocou no poder foi legítima e anunciou rompimento de relações comerciais com outros países, como os Estados Unidos.

“Governar cada vez mais das ruas e perto do povo para resolver todos os assuntos. Peço a todos, vamos fortalecer a legitimidade e o poder do Estado em defesa da paz e da democracia venezuelana.”, disse Maduro em um discurso emocional.

O presidente venezuelano avisou que como representante do governo estava rompendo as relações diplomáticas e políticas com o governo dos Estados Unidos. Isso porque o presidente norte-americano, Donald Trump, foi um dos primeiros líderes estrangeiros a reconhecer Guaidó como presidente interino. “Por estar em curso um plano golpista [contra o nosso país]”, justificou.

Brasil

O Brasil também foi um dos países que logo reconheceu o governo de Juan Guaidó. O presidente Jair Bolsonaro publicou, por meio do Twiiter, que o apoia. “O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela”, disse na rede social.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil também divulgou comunicado sobre o reconhecimento de Guaidó.

Entenda o caso

Em 10 de janeiro, Nicolás Maduro tomou posse do cargo de presidente da República, perante a Suprema Corte. Para o Brasil, o Grupo de Lima, que reúne 14 países, e a Organização dos Estados Americanos (OEA), o mandato é ilegítimo e a Assembleia Nacional Constituinte deve assumir o poder com a incumbência de promover novas eleições.

Na linha de sucessão, quem deveria assumir o poder seria o deputado federal Juan. O parlamentar chegou a ser preso e liberado. Desta forma, a Assembleia Nacional, então, declarou “usurpação da Presidência da República” por Maduro.

*Da redação com informações da Agência Brasil

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade