17.7 C
Vitória
sábado, 20 DE julho DE 2024

“Óculos Falantes” podem ajudar cegos a ler

Óculos criado em Israel auxilia leitura para pessoas com alto grau de deficiência visual

Por Redação

O Projeto de Lei 66/2023, de autoria do deputado estadual Adilson Espindula (PDT), quer instituir um programa de atendimento às pessoas com deficiência visual no Espírito Santo utilizando a ferramenta conhecida como “Óculos Falantes”. A tecnologia israelense assiste pessoas com deficiência visual que impeçam leituras em papel e computador.

- Continua após a publicidade -

Dados de 2021 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), apontaram que mais de 17 milhões de brasileiros com mais de dois anos de idade sofrem de algum nível de deficiência visual. Entre pessoas com mais de 60 anos de idade, a pesquisa mostrou que 25% apresenta alguma deficiência.

Espindula defendeu a implementação do projeto como medida de promover o bem-estar e o cuidado da população. O deputado frisou o sucesso em outros estados brasileiros desde a chegada do recurso. “O amparo do Estado a iniciativas como esta trará benefícios a pessoas com deficiência visual em âmbito estadual, incrementando o acesso ao acervo de livros e publicações variadas, promovendo a cultura, autoestima e qualidade de vida do estudante com justiça e igualdade no Estado do Espírito Santo”, argumenta Espindula.

Como funciona?

Os “Óculos Falantes” são dispositivos que podem ser acoplados na armação dos óculos. Com um sensor óptico, o aparelho realiza a captação da imagem e transmite em áudio as informações em um pequeno alto-falante instalado próximo ao ouvido da pessoa. A proposta de Adilson prevê que o recurso esteja disponível em bibliotecas e escolas públicas do Espírito Santo.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 222

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA