Mais um café capixaba premiado. Veja qual é!

O café conilon de uma propriedade em Cachoeiro de Itapemirim foi escolhido como o melhor. - Foto: Renato Silva

O melhor café conilon de Cachoeiro é o da produtora Maricéia Aparecida Bleidorn Pancini, da comunidade de Boa Vista, distrito de São Vicente

O Espírito Santo possui grandes representantes do café conilon, e, mais uma vez, o município de Cachoeiro de Itapemirim premiou um produtor local, durante o Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café Conilon 2019, promovido pela Prefeitura de Cachoeiro, por meio da Secretaria de Agricultura e Interior (Semai).

A produtora Maricéia Aparecida Bleidorn Pancini, da comunidade de Boa Vista, distrito de São Vicente, recebeu o prêmio na última sexta-feira (19), no evento que ocorreu na Praça de Fátima, Centro.

Ao todo, 45 amostras de cafés concorreram. O prêmio de R$ 18 mil foi entregue os cinco primeiros colocados, além de um bônus, de R$ 1.250 a 7 mil, conforme a pontuação conquistada após a avaliação sensorial.

A produtora Mariceia Aparecida Bleidorn Pancini junto com os outros ganhadores. – Foto: Divulgação / Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim

Os participantes ainda conferiram uma palestra técnica sobre “Como produzir um café campeão de qualidade”, com o professor doutor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), campus de Alegre, João Batista Pavesi, além de um bate-papo com o produtor Luis Claudio de Souza, bicampeão da categoria Conilon, do Coffee of the Year (Coy), promovido na Semana Internacional do café, em Belo Horizonte (MG), no mês de novembro.

“Parabenizo a vencedora e a todos os participantes do concurso, que mostra que os produtores do nosso município têm potencial para produzir cafés de qualidade. O objetivo também foi motivá-los a alcançar os melhores resultados para a sua produção”, ressaltou o secretário de Agricultura e Interior do município, Robertson Valladão.

Concurso

As amostras de café foram avaliadas nos meses de outubro e novembro. Quesitos como fragrância, sabor, finalização, amargor, acidez, salinidade, corpo, doçura, uniformidade e xícara limpa, foram usados como critério na escolha do melhor café.

Além disso, as propriedades onde foram produzidas as dez melhores amostras classificadas receberam visitas de técnicos indicados pela comissão organizadora do concurso, que avaliaram a sustentabilidade nos locais e classificaram os inscritos. Os demais 35, não classificados para a fase final, receberam laudos técnicos sobre sua amostra.

Resultado e premiação

1° lugar – Mariceia Aparecida Bleidorn Pancini – Boa Vista/ São Vicente (R$ 8 mil)
2° lugar – Sérgio Luiz Felipe – Boa Vista/ São Vicente (R$ 4 mil)
3° lugar – Sebastião Giori – Fazenda Barra do Mutun (R$ 3 mil)
4° lugar – Jovandir José Felipe – Boa Vista/ São Vicente (R$ 1.750,00)
5° lugar – João Martins – Campos Elíseos (R$ 1.250,00)

Leia Também: