Fies 2020: inscrições serão abertas no próximo mês

As inscrições no Fies serão gratuitas no site do programa. - Foto: Reprodução

Neste ano, o Fies ofertará 100 mil vagas e as inscrições são gratuitas

Os estudantes que tentarão uma vaga no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies)  já podem ficar atentos: as inscrições serão abertas no dia 05 de fevereiro e contará com uma edição em cada semestre.

No primeiro semestre as inscrições são gratuitas e ficarão abertas até as 23h59 de 12 de fevereiro. Os interessados deverão realizar o cadastro vinculado ao número do CPF, por meio do site do programa.

Pode se candidatar ao Fies, o estudante de família com renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos e que tenha realizado qualquer edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desde 2010, desde que tenha obtido ao menos 450 pontos de nota média. Além disso, também não pode ter zerado a redação.

Quem também pode concorrer são os bolsistas parciais do Programa Universidade para Todos (ProUni), ou seja, aqueles que têm bolsa de 50% da mensalidade. Com o programa, a outra metade também pode ser financiada.

A classificação é feita com base na nota do Enem, sendo dada preferência a quem nunca cursou nenhum curso superior. O candidato pode selecionar até três cursos de seu interesse que tenham vagas no Fies.

Após a complementação da inscrição, o pré-selecionado no Fies e P-Fies tem prazo de cinco dias para comparecer à Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) da instituição de ensino para análise de documentação.

P-Fies

Os estudantes que possuem renda familiar bruta mensal um pouco maior, de até cinco salários mínimos, podem concorrer a categoria P-Fies. Nesse caso, as condições do financiamento, a juros mais baixos, são negociadas com algum agente financeiro que fica responsável pelo contrato.

Para se inscrever, o candidato passa pelas mesmas condições que a do Fies, ou seja, nota mínima de 450 pontos nas provas do Enem e não ter zerado a redação.

Vagas

Vale destacar que o programa não contempla cursos de ensino à distância (EaD). Já no formato presencial, a oferta de vagas obedece a critérios estabelecidos pelo Ministério da Educação (MEC), sendo priorizados, com 60% das oportunidades, cursos nas áreas de saúde, engenharia, computação e pedagogia.

Cursos com melhor avaliação segundo o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) terão maior oferta de vagas. Serão 35% para cursos com conceito 5; 30% para os com conceito 4; 25% com conceito 3; e 10% para cursos recém-autorizados.

Pagamento

Nas duas modalidades, o estudante só começa a pagar a dívida depois que se formar, por meio de contrato. A parcela devida é descontada na fonte. Caso ainda não tenha emprego e renda formal, o financiamento será quitado em prestações mensais equivalentes ao pagamento mínimo, de acordo com o regulamento do programa.

Durante o curso, o estudante deve pagar apenas a parcela da mensalidade não incluída no financiamento e encargos operacionais ligados ao contrato, bem como um seguro de vida.

Leia Também:
Conteúdo Publicitário