23.8 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

ES: Cooperativas de café conhecem projeto inédito do biochar

Projeto inédito quer transformar palha de café em biochar para o sequestro de carbono e uso como fertilizante

Por Amanda Amaral

Um projeto que promete sustentabilidade nas lavouras utilizando biochar – um biocarvão obtido pela transformação da palha de café, foi apresentado à representantes de cooperativas cafeeiras do Espírito Santo. A técnica inédita no Brasil é desenvolvida por uma startup francesa.

- Continua após a publicidade -

Representantes da Cooperativa dos Cafeicultores do Sul do Espírito Santo (Cafesul), da Cooperativa Agraria dos Cafeicultores de São Gabriel (Cooabriel) e da Cooperativa Agropecuária Centro-Serrana (Coopeavi) conheceram o projeto na semana passada por meio do diretor-presidente da NetZero no Brasil, Pedro Figueiredo.

O biochar é obtido por meio da transformação de matérias orgânicas em carvão biológico mediante processamento em reatores. O ineditismo aqui se dá pela utilização da palha de café. De acordo com Figueiredo, o biochar é uma técnica eficaz para sequestrar carbono da atmosfera e pode ser usado como fertilizante nas lavouras.

Palha de café

“Nossa missão é limpar a atmosfera utilizando os resíduos do agronegócio produzindo biochar. Aí entra a palha do café, um dos resíduos que começamos a transformar em biochar” explicou.

Figueiredo informou que, na COP26, em Glasgow na Escócia, o biochar foi acreditado como um sequestrador de CO2. Segundo ele, atualmente, a única maneira sustentável de produzir na agricultura sem emitir carbono é usando essa técnica, que também gera benefícios para os produtores como a melhoria da qualidade do solo e o aumento de rendimento, faturamento e criação de empregos sustentáveis.

Sustentabilidade

Figueiredo disse que para cada quilo de café verde são emitidos 1,4 quilos de carbono na atmosfera e cerca de 85% do volume é proveniente dos fertilizantes químicos, contando desde a produção do insumo.

“Um terço da emissão pode ser reduzida ou sequestrada pela produção de biochar”, detalhou. “Um reator vai usar oito mil toneladas de palha de café. Cerca de duas mil toneladas de biochar vão ser geradas a partir disso por ano”, completou o palestrante.

Sobre a NetZero

ES: Cooperativas de café conhecem projeto inédito do biochar
O biochar pode ser produzido a partir da palha de café. Foto: Site NetZero.

A primeira unidade da NetZero foi construída em Nkongsamba, em Camarões. Sua capacidade de produção pode chegar a 2.000 toneladas de biochar por ano. O segundo local de produção da empresa está atualmente em construção em Lajinha, estado brasileiro de Minas Gerais. A previsão é que comece a operar até o final de 2022.

A matéria-prima é palha de café e será fornecida pela Coocafé. O biochar resultante será vendido aos agricultores da cooperativa para ajudá-los a reduzir o uso de fertilizantes, aumentando a produtividade e melhorando a saúde do solo. Sua capacidade de produção chegará a 4.000 toneladas de biochar por ano – o dobro da de Camarões.

Concursos de café

A apresentação aconteceu durante o terceiro ciclo de Reuniões Setoriais de 2022, organizado pelo Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Espírito Santo (OCB/ES).

Também foram pontos da pauta do encontro: a Semana Internacional do Café (SIC); o concurso de cafés especiais das cooperativas; o concurso de cafés especiais do Espírito Santo; e a Rodada de Negócios da Federação dos Cafés do Estado do Espírito Santo (Fecafés).

Com informações da OCB/ES e da NetZero.  

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA