23.7 C
Vitória
quarta-feira, 3 junho, 2020

A Economia nas Propostas dos Presidenciáveis – 1ª Parte

Leia Também

Mais de 16 mil casos confirmados do novo coronavírus no ES

Chegou a 16.121 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Espírito Santo, segundo o “Painel Covid”.

Campanha incentiva consumo de vestuário no Espírito Santo

A indústria têxtil sempre foi representativa na economia capixaba. Por isso, a campanha “Moda Capixaba: Eu apoio. Eu compro. Eu uso." incentiva as marcas locais e o consumidor a valorizá-la.

Empresas deverão investir em tecnologia no pós-pandemia

A tendência, contudo, veio para ficar, e agora que já se provou mais do que necessária, a tecnologia é o grande foco de investimento das empresas, para o momento atual e o futuro.

Vila Velha instala câmeras de alta definição em ruas

Os equipamentos serão instalados em pontos estratégicos da cidade. A primeira instalação teste com uma das novas câmeras ocorreu na última sexta-feira (29), no Farol de Santa Luzia. 

As falas dos presidenciáveis colocam a expectativa de ajuste econômico do próximo Governo sob judice.

Há os que valorizam a estabilidade monetária, o equilíbrio fiscal, e imparcialidade do aparato regulatório, como requisitos para impulsionar a atividade econômica. E os que querem essa atividade a responsabilidade do Estado, sem mercado. Eficiência e lucro não são questão de Estado.

Este artigo tratará somente do que apontou o primeiro grupo. Na próxima semana, do segundo.

Amoedo, Meirelles, Alkmin, Álvaro Dias e Bolsonaro, estão no primeiro, propondo reduzir o Estado e recuperar o equilíbiro fiscal para retomar o crescimento. Reiteram o papel da responsabilidade fiscal e do teto dos gastos, para restituir o equilíbrio. Marina e Ciro, favoráveis ao equilíbrio fiscal mas contrários ao teto, propuseram, respectivamente, revisão das renúncias ficais e teto para as despesas. Álvaro Dias propôs corte de 10% dos gastos no primeiro ano de governo.

Propuseram controle da inflação e autonomia para BC – sugerindo que nas metas do BC sejam incluídas o crescimento econômico (Ciro), e que o mandato do Presidente do BC seja descasado ao do Presidente da República (Amoedo). Também propuseram reforma da previdência – aumentar tempo e valor das contribuições, eliminar privilégios e renúncias fiscais,  e adoção de regime de capitalização para recuperar solvência da previdência.

E a criação do IVA (Alkmim) e IBS (Marina), substituindo ICMS, Cofins, ISS, IPI,PIS (Alkmin); reescalonamento das alíquotas do IR, isenção para quem recebe até R$5000, taxação de dividendos, e mudança da Lei Kandir para aumentar repasse para municípios (Álvaro Dias).

Olharam para a mesma direção, mas, na maioria das vezes, sem dizer o critério de execução.

Alkmim propôs corrigir o rendimento do FGTS pela TLP – não mostrou o cálculo da viabilidade dessa mudança; e aumentar o grau de abertura da economia para 50% (neste momento não chega a 25%) – como? Álvaro Dias, de criar 10 milhões de empregos em 4 anos; e Ciro Gomes, de criar 2 milhões no primeiro ano de governo – Presidente da República gera emprego?

Marina, propôs contratar seguro-garantia para obras públicas – para quê? E aumentar investimento em P&D em 2% do PIB – como?

Meirelles propôs mudança e como executá-la: eliminar déficit em 2 anos, e reservar R$80 bilhões para retomar 7 mil obras paralisadas. Mas foi evasivo sobre reforma fiscal.

Chamou atenção os anacronismos de Ciro. Propôs o Estado como indutor do crescimento com investimento de 5% PIB em infraestrutura, fortalecendo do papel do BNDES para o Programa Nacional de Desenvolvimento com foco na desindustrialização do Brasil.

Esqueceu as evidências das lições da história de nossa industrialização, e das consequências do desenvolvimentismo de Dilma. Disse também que estabelecerá limite para pagamento da dívida pública – limite ou calote? E propôs usar US$200 bilhões das reservas internacionais para pagar a dívida pública – como fazer isso sem estancar os determinantes dessa dívida?

Bolsonaro contradisse-se ao propor reduzir a carga tributária para atrair capital, e vetar China nos processos de privatizações – vai abrir ou não?

O Cabo Daciolo quer pavimentar 100% das rodovias federais. Como fará esse gasto se propôs reduzir a carga tributária e não apontou onde cortará despesas?

Arilda Teixeira – Economista e profa. da Fucape


Leia mais

“Cadê” o Projeto de País
A Economia nas Propostas dos Presidenciáveis – 2ª Parte

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_177
Continua após publicidade

Fique por dentro

Campanha incentiva consumo de vestuário no Espírito Santo

A indústria têxtil sempre foi representativa na economia capixaba. Por isso, a campanha “Moda Capixaba: Eu apoio. Eu compro. Eu uso." incentiva as marcas locais e o consumidor a valorizá-la.

Empresas deverão investir em tecnologia no pós-pandemia

A tendência, contudo, veio para ficar, e agora que já se provou mais do que necessária, a tecnologia é o grande foco de investimento das empresas, para o momento atual e o futuro.

Vendas no varejo registram queda em abril

Essa foi considerada a maior retração desde o início da série histórica iniciada em 2001. A maior queda havia sido em janeiro de 2002, quando as vendas do varejo reduziram 16,5%.

Comissão Europeia avança para disponibilizar € 11,5 bi para recuperação da crise

Comissário da UE encarregado do Orçamento, Johannes Hahn enfatizou a necessidade de que o dinheiro chegue logo às empresas e às pessoas, ainda neste ano.

Vida Capixaba

Vitória organiza Circuito Cultural com exposição on-line

Os alunos do Núcleo de Fotografia do Circuito Cultural, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória (Semc) fizeram trabalhos que estão sendo disponibilizados por meio de uma exposição on-line. 

Vila Velha instala câmeras de alta definição em ruas

Os equipamentos serão instalados em pontos estratégicos da cidade. A primeira instalação teste com uma das novas câmeras ocorreu na última sexta-feira (29), no Farol de Santa Luzia. 

Viana contará com Guarda Municipal armada

Ao todo, 29 agentes estão sendo treinados para realizar o combate à criminalidade, na segurança do patrimônio público, e a organização do trânsito, conforme explicou o prefeito Gilson Daniel.

Novas regras adotadas para o comércio a partir desta segunda-feira (1º)

As novas regras para galerias, centros comerciais, academia, shoppings e restaurantes de Vila Velha foram publicadas no Diário Oficial do município desse domingo (31).
Continua após publicidade