19.2 C
Vitória
sexta-feira, 5 junho, 2020

A Economia nas Propostas dos Presidenciáveis – 2ª Parte

Leia Também

Prefeitura de Vila Velha e BNDES firmam parceria para modernizar parque de iluminação da cidade

Inicialmente, o sistema substituirá as 35 mil luminárias em toda a cidade, com lâmpadas com tecnologia de LED, além de telegestão, instalação de tecnologia de monitoramento remoto das luminárias.

Tendência nos anos 1960, cinema drive-in chegará a Vitória

O cinema drive-in chegará a Vitória na segunda quinzena de junho, no estacionamento da Faculdade Estacio de Sá, em Jardim Camburi.

Produtos com até 50% no Dia Livre de Impostos

E por conta da pandemia do novo coronavírus, os estabelecimentos inovaram. Neste ano, o Dia Livre de Impostos será on-line.

Sindiex tem novo presidente

Sidemar Acosta, que era o primeiro vice-presidente, passou a assumir a presidência, tendo como vices os executivos Agnaldo de Assis e Erimar Trindade.

As propostas questionáveis dos presidenciáveis mostram restrição institucional para as executar.

Chegando em Aymael, Boulos, Vera Lúcia e João Goulart, a despeito da preocupação com a equidade e justiça social de suas propostas, há restrição institucional para executá-las: são propostas socialistas para uma economia capitalista.

Para que o direito à equidade e à justiça social sejam praticados em uma economia capitalista precisa que sua democracia conte com um Executivo que implemente o projeto de País aprovado pelo Legislativo; que por sua vez, define esse projeto pelo critério da coletividade. O funcionamento desse arranjo depende do nível de civilidade dos agentes econômicos (públicos e privados).

As idiossincrasias da democracia brasileira dificultam o alcance desse nível de civilidade.

As propostas desse grupo são seus reflexos.

Falta a ele aceitar o fato de que é a união dos dois sistemas que permitirá executar seus projetos. Não o confronto. Como não aceitam, entram na vala comum de propor o inexequível; repete o discurso desalinhado do grupo, Meirelles, Alkmim, Bolsonaro, Marina, Ciro, Álvaro Dias, Amoedo e Daciolo; e distoa pelas visões anacrônicas do papel do Estado.
Boulos coloca-o como agente da recuperação econômica, em novo modelo de desenvolvimento, com distribuição de renda. Finlândia, Suécia e Dinamarca já ratificaram esse modelo, através da combinação de capitalismo com democracia. Não precisa um novo. Basta implementar a receita do bem sucedido: (i) política de ensino que alfabetiza os estudantes no ensino básico (fundamental e médio) para lhes dá condições de acesso às oportunidades geradas pelo desenvolvimento econômico; (ii) segurança jurídica e liberdade para atividade econômica.

Propõe o que já existe – vagas para creches, escolas de tempo integral – e sua ideia de revogar a reforma do ensino médio é inócua sem um plano de ação adequado. Além disso, está na contramão da demografia, ao propor aumentar número de instituições ensino superior. E na da segurança jurídica, com a proposta de moratória de um ano para estudantes financiados do FIES; seguido de programa de refinanciamento dessas dívidas.

Na mesma linha de contra senso, Vera Lúcia propõe reforma do Estado, que passaria a ser administrado por conselhos populares (municipal, estadual e federal) que controlariam e decidiriam todas decisões relativas à execução do orçamento público – como coordená-lo? Nacionalizar e estatizar latifúndios, partilhar terras do agronegócio para camponeses sem terra – quantos latifúndios improdutivos há no Brasil em proporção dos produtivos? Estatizar hospitais privados – e o SUS?

E Goulart propõe adotar o modelo de desenvolvimento nacional-desenvolvimentista – reestatizações de Vale e Embraer, por exemplo. E Aymael: (i) reforma tributária para simplificar o sistema e reduzir a carga tributária, com política tributária específica – com novo tributo onde fica a redução da carga? (ii) reduzir custo do crédito com política econômica – instrumento do período em que o Banco Central estava a serviço do Estado “propulsor do desenvolvimento”, e que disseminou as ineficiência e incompetitividade que hoje bloqueiam o desenvolvimento do País.

Ainda não se vê “terra à vista!”

Arilda Teixeira – Economista e profa. da Fucape


Leia mais

A Economia nas Propostas dos Presidenciáveis – 1ª Parte
“Cadê” o Projeto de País?

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_177
Continua após publicidade

Fique por dentro

Projeção de alta do crédito bancário em 2020 passa de 4,8% para 7,6%, diz BC

Já a projeção de crescimento do crédito livre em 2020 passou de 8,2% para 10,6%. No caso dos recursos direcionados, a projeção foi de zero para alta de 3,5%.

Adidas informa que dois terços de suas lojas em todo o mundo já reabriram

As taxas de abertura das lojas da Adidas na América do Norte e América Latina ainda estão significativamente abaixo de 50%.

Pedidos de falência no Brasil sobem 30% em maio ante abril, afirma Boa Vista

As taxas que medem os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas aumentaram bem mais na comparação mensal: 68,6% e 61,5%, respectivamente.

Campanha incentiva consumo de vestuário no Espírito Santo

A indústria têxtil sempre foi representativa na economia capixaba. Por isso, a campanha “Moda Capixaba: Eu apoio. Eu compro. Eu uso." incentiva as marcas locais e o consumidor a valorizá-la.

Vida Capixaba

Tendência nos anos 1960, cinema drive-in chegará a Vitória

O cinema drive-in chegará a Vitória na segunda quinzena de junho, no estacionamento da Faculdade Estacio de Sá, em Jardim Camburi.

Vitória organiza Circuito Cultural com exposição on-line

Os alunos do Núcleo de Fotografia do Circuito Cultural, equipamento da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória (Semc) fizeram trabalhos que estão sendo disponibilizados por meio de uma exposição on-line. 

Vila Velha instala câmeras de alta definição em ruas

Os equipamentos serão instalados em pontos estratégicos da cidade. A primeira instalação teste com uma das novas câmeras ocorreu na última sexta-feira (29), no Farol de Santa Luzia. 

Viana contará com Guarda Municipal armada

Ao todo, 29 agentes estão sendo treinados para realizar o combate à criminalidade, na segurança do patrimônio público, e a organização do trânsito, conforme explicou o prefeito Gilson Daniel.
Continua após publicidade