29.8 C
Vitória
sábado, 16 janeiro, 2021

“Cadê” o Projeto de País?

Pelo que se viu e ouviu no debate entre os candidatos na semana passada, esse projeto está longe de ser, sequer, delineado. Quanto mais implementado

“Cadê” o Projeto de País? Ano eleitoral é sempre de muito debate, principalmente sobre os erros que precisam ser corrigidos. É uma oportunidade para oxigenar as instituições e, quiçá, delinear um Projeto de País.

Como economista enxergo um projeto dessa natureza como o conjunto de atitudes que corrijam os erros que travam a harmonia do ambiente de negócios e propiciam o desenvolvimento econômico.

Esta visão se explica pelo fato de que entendo que a sobrevivência, de um modo geral, ainda é o maior desafio da humanidade, inclusive para os brasileiros.

Enquanto não for resolvida, a solução dos problemas passará pela economia. Que por sua vez, contribui para isso produzindo. Ao fazê-lo, gera consumo, que gera emprego, que gera renda, que gera produção.

O ambiente adequado para a sustentação de atividade faz essa roda rodar. Rodando, beneficia a todos. Só que ele só roda se não houver entraves. E, no Brasil, o que mais se tem são entraves.

“Enquanto não for resolvida, a solução dos problemas passará pela economia. Que por sua vez, contribui para isso produzindo. Ao fazê-lo, gera consumo, que gera emprego, que gera renda, que gera produção”

É um País armado institucionalmente para dificultar a vida daqueles que querem trabalhar para progredir; impregnado de inversões de valores que vêm propagando, desigualdade, miséria, injustiça, violência, insegurança (física e jurídica), ineficiência e atraso social e econômico.

Está refém de uma estrutura institucional mal direcionada, confirmadas pelas estatísticas civis, sociais, educacionais, econômicas, científicas e tecnológicas.

Projeto de País?

E, a despeito de tudo isso, os candidatos à Presidência da República, até este momento, parecem não terem se dado conta do desafio que os acerca.

Nenhum apresentou um plano de ação para executar o Projeto de País que vai encaminhar a retirada dos entraves ao seu desenvolvimento social, político e econômico.

Pelo que se viu e ouviu no debate entre os candidatos na semana passada, esse projeto está longe de ser, sequer, delineado. Quanto mais implementado. Não se ouviu nada de novo nem de concreto. Nenhum deles disse como executar a proposta que apresentava. Nenhum apontou explicitamente os entraves que o Brasil tem e que precisam ser retirados.

Não foram apresentadas propostas para: (I) eliminar a baixa qualidade do ensino no País; (II) melhorar e integrar a matriz energética; (III) integrar as malhas, rodoviárias, ferroviárias, aquáticas e marítimas, e seus respectivos modais de transportes; (IV)reformular e melhorar a gestão do SUS; (V) despolitizar as agências reguladoras; (VI) reduzir/eliminar cargos comissionados e/ou admissões especiais na administração federal; (VII) segurança pública.

Ficaram na retórica, com pinceladas de exaltações sobre convicções individuais, pretensamente, salvadoras da pátria. Um perigo!

Enfim, não convenceram. Se têm algum projeto, é individual. Mas esse não serve.
Do que se ouviu, conclui-se que a bandeira de cada um é insuficiente para impulsionar as mudanças que se fazem necessárias para que o Brasil se ponha de pé.

Enquanto isso, a atividade econômica continua andando a passos lentos, amargando sua ineficiência, presa nas amarras de uma legislação que só a enxerga como fonte de receita tributária, com uma legião de alijados dos benefícios que o desenvolvimento econômico propicia. Lamentável!

Arilda Teixeira – Doutora em Economia e Professora da Fucape


Leia mais
Presidencialismo de coalizão no Brasil
A arte da política no Brasil

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Ainda colocando os pingos nos is

A gestão da saúde pública fazendo o dever de casa - bom senso, probidade administrativa e pensar no coletivo – deixará de ser entrave e passará a ser solução para o crescimento

Colocando o pingo nos Is

A situação que a economia brasileira enfrenta é absolutamente atípica: dois choques exógenos simultâneos, de oferta e de demanda, causados por fatores não econômicos, com fôlego para paralisar a economia.

O Servo de Cesar

Infelizmente, o comportamento de alguns dos imperadores do Brasil está longe daquele que a mensagem do servo sugere Diz o folclore que Cesar, o Imperador...

O Espírito Santo no ranking de competitividade dos estados brasileiros

Quanto mais estatísticas se produzirem, mais transparentes ficarão as escolhas A sétima edição do Ranking de Competitividade dos Estados Brasileiros trouxe úteis estatísticas para se...

As rodas da retomada do crescimento

Estatísticas apresentam sinais de melhora, mas são insuficientes para o desenvolvimento econômico As estatísticas do PIB trouxeram alento ao esboçarem reação na atividade econômica. Comparando-se...

Economia paralisada

Sabemos do baixo desempenho da economia brasileira no 1º trimestre/2019. Seja pela comparação entre ele e o primeiro trimestre de 2018 – em que...

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz

2ª onda não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

Vida Capixaba

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro

Vai um queijinho aí?

O município de Ibitirama ganhou sua primeira agroindústria, o negócio é uma queijaria e foi o primeiro estabelecimento de 2021

Aquaviário: Transporte parece mais perto!

Serão quatro estações em três cidades, duas em Vitória, uma em Vila Velha e outra em Cariacica

Edição Especial dos Cafés Campeões

Produtores foram homenageados pela Cooperativa Cooabriel
Continua após publicidade