23 C
Vitória
sábado, 27 fevereiro, 2021

Economia brasileira: vítima dos personalismos de governo

Mais Artigos

Crime e não mera crítica: legalidade da prisão em flagrante de Daniel Silveira

O deputado já é alvo de investigação em dois inquéritos policiais que apuram respectivamente a prática de atos antidemocráticos Por Eneida Taquary A prisão em flagrante...

O que esperar do mercado imobiliário em 2021

Com a taxa de juros em seu patamar mais baixo da história, as pessoas continuam buscando ativos reais, a exemplo dos imóveis, porque é...

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6

Por Arilda Teixeira

Aqueles que acreditam que a combinação de república democrática com economia de mercado é o suficiente para impulsionar desenvolvimento com justiça social devem estar revendo suas posições diante do peculiar cenário político-econômico do Brasil.

Ainda que não se possa dizer que suas instituições são “Oh, que beleza de Instituições!”, os três poderes respeitam-se, e desempenham suas atribuições como prevê a Constituição.

Assim, no âmbito institucional, a República Democrática do Brasil funciona em sua plenitude.

Mas não se pode dizer o mesmo sobre a sua economia, uma vítima do Personalismo deste Governo.

Se é difícil aceitar personalismos nas esferas de poder de uma república democrática, imagina  suportar personalismos anacrônicos daqueles que estão responsáveis por executar os projetos do País – atender às necessidades dos cidadãos-contribuintes, melhorar o desempenho econômico – subestimando a responsabilidade fiscal e as dimensões que têm um Estado.

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6 – um elefante branco para abrigar magistrados com salários nababescos, que aumentará gastos em um momento em que o equilíbrio fiscal está por um triz (o aumento de gastos acima do teto em 2020 é exceção para garantir o auxílio emergencial para os cidadãos de baixa ou nenhuma renda, não poderá permanecer em 2021).

É decepcionante a desfaçatez com que o Judiciário justifica mais esta fonte de gastos. Assim como o é a desfaçatez com que Executivo e Legislativo veem desdenhando sobre a necessidade de se aprovar um regime tributário progressivo; de se eliminar os subsídios e isenções concedidos, usualmente, para os apoiadores do poder; de se rever (e reduzir) as verbas de gabinetes do Congresso Nacional, auxílios para Judiciário, e comissões para servidores.

Essa turma ainda não entendeu que para aumentar gastos é preciso cortar gastos.

Por que o Ministro Guedes insiste em defender a tributação de transações eletrônicas enquanto posterga defender, aberta e explicitamente, a aprovação de um regime tributário predominantemente progressivo, haja vista que parte das perdas de receitas explica-se pelos galhos de jabuticabas que estão colocadas dentro do atual regime tributário do País?

Por que o Ministro sanciona crítica do Presidente à sua política economia quando sabe que a atitude do presidente é oportunista, portanto, errada?

É assustador ouvir o vocabulário do Chefe do Poder Executivo – que é um agente público eleito para prestar serviços ao cidadão contribuinte – ao responder à pergunta sobre um deposito de R$89 milhões na conta bancária de sua esposa. Esqueceu que a pergunta foi feita para o Chefe de Estado do País: ele.

Como agente público, a serviço do cidadão-contribuinte, o Chefe de Estado tem obrigação de responder. Faz parte da liturgia de seu cargo.

É ameaçador testemunhar o personalismo com que conduz o Poder Executivo, e o seu desprezo pela diversidade de opiniões.

É desprezível sua decisão de substituir o nome do Programa Bolsa Família para Renda Brasil para personalizar uma política de Estado – oportunismo.

É inadmissível um Presidente agir como se fosse portador da verdade absoluta.

Arilda Teixeira é economista e professora da Fucape Business School

ES Brasil Digital

ESBrasil-185
Continua após publicidade

Fique por dentro

Desemprego em 2020 é o maior registrado desde 2012 no Brasil

Informações do IBGE mostram que taxa de desocupação média no ano passado representa 13,4 milhões de pessoas sem trabalho.

Banco Central aprova indicação de novo presidente do Bandes

Munir Abud assume o Bandes com o objetivo de ampliar e atualizar os produtos e serviços oferecidos para as empresas de todos os portes do Espírito Santo

Caixa lança cartão Elo Diners Club com benefícios e pontuação

  A empresa oferece isenção na primeira anuidade para os clientes que contratarem o serviço nos três primeiros meses do lançamento Por Luísa Laval (AE) A Caixa...

Lira diz que PEC não é salvo-conduto para parlamentares cometerem crimes

O Congresso erra quando não se posiciona e não esclarece os fatos Por Thiago Faria, Elizabeth Lopes e Sofia Aguiar (AE) O presidente da Câmara dos...

Vida Capixaba

Setor Multimídia da Biblioteca Pública do Espírito Santo oferece cursos gratuitos

As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 25 de março

Expo Condomínio Completo apresenta protocolos sanitários e de biossegurança

Desde novembro de 2020, grandes eventos já vêm acontecendo no Espírito Santo

COVID-19: Quais as consequências para quem optar por não tomar a vacina?

Desde que foi anunciado o início da vacinação contra a COVID-19, capixabas passaram a se dividir em dois grupos. Os que querem e os que não querem

Cooabriel participa de reunião com OCB, Mapa e Banco Central

A Cooabriel participou, com mais duas cooperativas capixabas do Ramo Agropecuário, de uma reunião no dia 18 de fevereiro com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos