25.5 C
Vitória
sexta-feira, 15 janeiro, 2021

Suzano aumenta vendas de celulose no terceiro trimestre

Desempenho no período permitiu  gerou R$ 1,5 bilhão de caixa operacional

A indústria de produtora de papel e celulose Suzano encerrou o terceiro trimestre o ano, de julho a setembro, com a receita líquida de R$ 6,6 bilhões. Já o lucro antes de considerado os juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) foi de R$ 2,4 bilhões, gerando um caixa operacional de R$ 1,5 bilhões.

“A estratégia comercial adotada, atrelada à qualidade de nossos ativos e à eficiência de nossas operações, nos permitiu atingir significativa geração de caixa operacional mesmo diante do ambiente de mercado atual e de um período sazonalmente mais fraco em função do verão no Hemisfério Norte”, afirma o Presidente da Suzano, Walter Schalka.

No trimestre, o ritmo de vendas de celulose manteve trajetória de alta com a comercialização de 2,549 milhões de toneladas. O volume é 15% maior do que o total vendido entre abril e junho e também superior à produção registrada no terceiro trimestre, que ficou em 2,095 milhões de toneladas. Com isso, o nível dos estoques da Suzano foi reduzido em aproximadamente 450 mil toneladas, uma variação significativa que marca o início do processo de regularização de estoques da companhia.

A empresa também registrou vendas consolidadas nas linhas de papel de 313 mil toneladas, elevação de 4% em relação ao trimestre anterior e preços praticamente estáveis nessa base comparativa.

Outro destaque do período foi a queda de 6% no custo caixa de celulose, sem considerar o efeito de paradas nas fábricas, quando comparado ao segundo trimestre. O indicador, que mede a competitividade produtiva da empresa, fechou em R$ 654 por tonelada, beneficiado pela captura de sinergias, entre outros aspectos.

O balanço também foi influenciado pelo impacto da variação cambial sobre os números da companhia. Como a Suzano é uma empresa de natureza preponderantemente exportadora e tem 100%  da dívida contratada em dólar ou convertida para o dólar, a desvalorização do real contribui, por um lado, com maior geração de caixa, e, por outro, com efeito imediato exclusivamente contábil, não caixa, de aumento principalmente no saldo da dívida contratada em moeda estrangeira.

Em consequência sobretudo desse efeito, não significativo em períodos de maior estabilidade da moeda, o resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 6,5 bilhões. O resultado líquido contábil, por sua vez, ficou negativo em R$ 3,5 bilhões no terceiro trimestre.

Durante o terceiro trimestre, a dívida líquida da Suzano reduziu quando medida em dólar, chegando a US$ 13,3 bilhões. Porém, em decorrência de um EBITDA ajustado no período de 12 meses até setembro inferior ao de igual período de 2018, a alavancagem financeira da companhia medida em dólar ficou em 4,3 vezes ao final de setembro.

Leia também
- Publicidade -

Matérias relacionadas

2020: um ano perdido?

Um período que será estudado nos livros de história. O ano em que caímos e nos fizemos mais fortes em meio à crise e...

Otimismo para fechamento de 2020 na indústria

Apesar do faturamento ainda negativo, com queda de 1,9% no acumulado do ano, investimentos começam a sair do papel

Guedes diz que ‘cartão vermelho’ de Bolsonaro não foi direcionado a ele

O ministro lembrou que, desde início, o presidente disse que não queria consolidar programas sociais para criar o Renda Brasil, e que foi uma decisão política

Setor de serviços cresce 5% de maio para junho, diz IBGE

O volume de serviços no país cresceu 5% em junho na comparação com o mês anterior. A alta veio depois de quatro quedas consecutivas...

Auxílio emergencial elevou em 24% renda pré-pandemia, mostra pesquisa

Segundo estudo, dado destaca a pobreza e a desigualdade do país. Saiba mais! As pessoas que recebem o auxílio emergencial, pago pelo governo federal durante...

Top 5 da sobrevivência

Disruptura. Definitivamente essa é palavra de ordem no universo da gestão. Após três meses convivendo com as bruscas mudanças nos processos de trabalho provocadas pela pandemia, proprietários dos setores da indústria e do comércio ainda não são capazes de mensurar o tamanho do estrago final que o novo coronavírus vai deixar

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz

2ª onda não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

Vida Capixaba

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro

Vai um queijinho aí?

O município de Ibitirama ganhou sua primeira agroindústria, o negócio é uma queijaria e foi o primeiro estabelecimento de 2021

Aquaviário: Transporte parece mais perto!

Serão quatro estações em três cidades, duas em Vitória, uma em Vila Velha e outra em Cariacica

Edição Especial dos Cafés Campeões

Produtores foram homenageados pela Cooperativa Cooabriel
Continua após publicidade