24.4 C
Vitória
sábado, 25 maio, 2024

Setor de celulose e papel cresce 17,3% no ES

O setor de celulose e papel puxou o desempenho da produção industrial nos primeiros oito meses do ano

Por Amanda Amaral 

Os setores de papel e celulose e o de fabricação de alimentos, impulsionaram a economia com o crescimento de 17,3% e 5,3%, respectivamente, na comparação entre os meses de janeiro e agosto deste ano com o mesmo período de 2021.

- Continua após a publicidade -

Os dados são da Produção Industrial Regional (PIM-PF), divulgada esta semana pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) e copilada pelo Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes).

Indústria de transformação

A performance da indústria capixaba de transformação, que em 2022 cresceu nos oito primeiros meses 3,4% bem acima da média nacional (-1%), também dá destaque a metalurgia, que teve alta no acumulado de 2022 (2%).

A presidente da Findes, Cris Samorini, explica que, nos últimos meses, a produção industrial tem sido beneficiada pela redução dos gargalos logísticos e pela melhora do suprimento de insumos no país.

“Além disso, a demanda interna por produtos industrializados também tem sido influenciada positivamente pela geração de empregos formais e pelas medidas governamentais de estímulo fiscal adotadas pelo governo federal”, afirma.

Indústria extrativa

Setor de celulose e papel cresce 17,3% no ES
A presidente da Findes, Cris Samorini, comenta sobre a produção industrial em 2022. Foto: Divulgação/Findes

No entanto, o baixo desempenho da indústria extrativa (-18,2%) contribuiu para que, de janeiro a agosto deste ano, a indústria geral do Espírito Santo recuasse 3,7%. A retração é superior à registrada pelo setor em nível nacional (-1,3%).

A gerente-executiva do Observatório da Indústria e economista-chefe da Findes, Marília Silva, complementa que o aperto da política monetária, o alto endividamento das famílias e a perda de dinamismo da indústria de base no país têm sido negativo para o desempenho da indústria geral nacional e capixaba.

“O resultado da indústria geral do Espírito Santo, em todas as bases de comparação, foi impactado pela desaceleração na atividade econômica mundial neste ano, que devido ao quadro de elevada inflação e da política monetária contracionista, está desencadeando em uma redução de demanda global por insumos industriais e, consequentemente, das commodities energéticas e metálicas”, lembra.

Variação mensal

Variação mensal, entre agosto e julho, a indústria nacional caiu -0,6%, enquanto a capixaba teve recuo de 3,9%. A indústria extrativa teve resultado positivo, avançando 2%. Já a indústria de transformação retraiu 1,7%, puxada pela menor produção de produtos alimentícios (-7,2%), celulose, papel e produtos de papel (-6,6%) e metalurgia (-0,8%).

“Vale ressaltar que a metalurgia foi impactada pela menor demanda mundial de aço em função da queda da atividade econômica global e da crise imobiliária na China. Diante desse cenário, há uma menor utilização das plantas siderúrgicas pelo mundo”, comenta Marília.

Com informações da Findes. 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA