Posicionamento do líder reflete a produtividade do grupo

Juliana Prado Costa é diretora do Grupo Serrana, engenheira e há 8 anos dedica-se a estudar o legado de Napoleon Hill. - Foto: Divulgação

Independente da metodologia adotada, o objetivo é melhorar os resultados da produtividade para todos

Produtividade é um dos temas mais discutidos nos comitês de melhoria contínua das empresas e motivo de comparação entre países na esfera global. Há um ranking da produtividade elaborado da Fundação Dom Cabral em parceria com o Fórum Econômico Mundial. E nesse ranking, o Brasil hoje está na 71ª posição, mas já ocupou o 48º lugar em 2012.

Entre os vilões, o estudo destaca dois. O ambiente econômico, a falta de desenvolvimento do mercado financeiro – entendemos como custo alto de captação de recursos – e, principalmente, capacidade de inovação.

Sabemos que produtividade e rentabilidade estão diretamente relacionados e são fatores de sucesso para que as corporações se mantenham no mercado e cresçam.

É comum os executivos de uma empresa investirem ¾ de seu dia em reuniões, algumas delas ocupando um período todo do dia. Eu mesma, como prestadora de serviço para o Governo e para empresas privadas, presenciei e vivi rotinas de reuniões alongadas em demasia sem nenhuma necessidade.

O que mais me intrigava era que a insatisfação com as reuniões era ponto de concordância entre os participantes. Mesmo assim continuavam sendo letárgicas, sem objetivo, sem pauta e sem clareza dos próximos passos. Já viu esse filme?

O que os estudos não dizem é que o sucesso ou fracasso na produtividade está intimamente ligado a atitude, em se posicionar a respeito do tema e agir em congruência com ele. Assim, pessoas com comportamento focado na produtividade irão criar soluções que se traduzirão em menor tempo, menor custo, melhor serviço, maior benefício e muitos outros resultados positivos.

A frase “comportamento muda faturamento” do presidente da MasterMind Brasil, Jamil Albuquerque, é pertinente e revela que com alguns passos é possível implementar ações para resultados na sua rotina pessoal e empresarial. O primeiro ponto é a liderança na condução.

O posicionamento do líder obrigatoriamente deve refletir a produtividade, ou seja, ele deve ser o primeiro a mudar seu comportamento e adotar a nova cultura.

Uma ferramenta de cada vez, simples, fácil e apropriada. Independente se é uma ata de reunião, uma lista de tarefas pactuadas com a equipe ou modelos de gestão do tempo, usando a técnica pomodoro ou ainda uma metodologia lean.

E não se esqueça de mensurar resultados. Pode ser uma atividade diária ou semanal. É isso que vai indicar a melhoria nos processos e, claro, na produtividade.


Juliana Prado Costa é diretora do Grupo Serrana, engenheira e há 8 anos dedica-se a estudar o legado de Napoleon Hill

Conteúdo Publicitário