21.4 C
Vitória
quinta-feira, 26 novembro, 2020

Pet – Um mercado sem crise

Leia Também

Feirão on-line do SPC para negociar dívidas

Banestes participa, durante o mês de dezembro, do Feirão On-line do Serviço de Proteção (SPC), organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da Grande Vitória

Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue

No próximo dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue. O dia tem como objetivo agradecer aos doadores de sangue pela ação de doar

Comportamento do empresário capixaba mudou

Empresário capixaba enfrentou diversos desafios para conseguir a reabertura de 81% dos pequenos negócios

Segmento cresce na mesma proporção que o amor dos tutores por seus “filhos”

A gente ama, cuida e não vive sem. Sendo eles pequenos, peludinhos e fofinhos, fica ainda mais difícil se separar. E se dão aquele sorriso para uma foto ou completam mais um ano de vida, aí é impossível não comemorar. É claro que estamos falando dos pets. E se você conta com o privilégio de ter um deles por perto, pode ter certeza de que é uma amizade muito sincera!

A DogHero, empresa responsável por uma plataforma on-line que conecta donos de cachorros a gente que oferece serviço de hospedagem ou passeios, realizou uma pesquisa com 700 pessoas. Desse total, 66% consideram seus animais como filhos.

Pet, negócios, economia.
“O pet shop está em constante ascensão. Oferecemos diversos serviços em um único espaço” – Amanda Bolsoi, médica veterinária

“Sempre amei animais. Na infância e na adolescência tive gatos e cachorros. Hoje sou mãe da Amora (sim, mãe de bicho também é mãe). Foi amor à primeira vista. Tive um pouco de receio no início, pois moro em apartamento e trabalho fora o dia todo e, quando a adotei, viajava muito a trabalho. Hoje é um grude!”, diz a jornalista Márcia Almeida.

População animal

Em 2018, a estimativa da população pet brasileira era de 139,3 milhões de animais, de acordo com o Instituto Pet Brasil (IPB). Foram contabilizados no país 54,2 milhões de cães, 39,8 milhões de aves, 23,9 milhões de gatos, 19,1 milhões de peixes e 2,3 milhões de répteis e pequenos mamíferos. Mundialmente, as estatísticas apontam que o contingente chega a 1,6 bilhão.

“Sempre amei animais. Na infância e na adolescência, tive gatos e cachorros. Hoje sou mãe da Amora (sim, mãe de bicho também é mãe). Foi amor à primeira vista!” – Márcia Almeida, jornalista

O destaque vai para o crescimento de casas que escolhem o gato. No acumulado, o grupo desses felinos foi o que mais cresceu, com alta de 8,1% desde 2013. A estilista Danieli Coser Zanom, por exemplo, é tão apegada a eles que adotou sete gatinhos. E a vontade de cuidar é sempre maior, acrescenta: “O desejo de sair adotando os que ficam na rua é grande. Por mim teria vários. Simplesmente adoro”.

Pet, negócios, economia.
“No espaço, os animais são acompanhados por mim e por uma equipe capacitada a cuidar deles. É como se estivessem realmente em casa” – Melissa Ferreira, proprietária do DogHotel Dra. Melissa

Mercado

O mercado pet vem apresentando um aumento considerável ao longo dos anos. A expectativa é fechar este ano com um faturamento de R$ 36,2 bilhões, segundo o IPB. A projeção representa elevação de 5,4% sobre o valor consolidado de 2018, de R$ 34,4 milhões. Caso se confirme, estará configurada uma expansão de 49% em sete anos.

Companhias brasileiras de diversos segmentos buscam atrativos a fim de oferecer o que há de melhor nos cuidados com os animais, expondo suas linhas de produtos em feiras dentro e fora do país, como a Global Pet Expo, que acontece anualmente nos Estados Unidos. A iniciativa da participação na exposição é do IPB em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

“O amplo interesse de compradores internacionais mostra que os empresários e a indústria pet brasileira podem ganhar cada vez mais espaço mundo afora”, comenta o conselheiro de Comércio e Serviços do Instituto Pet Brasil, Nelo Marraccini.

Destaques

Segundo ele, o segmento de pet food deverá se manter como o grande destaque neste ano. A expectativa é fechar 2019 com faturamento de R$ 16,14 bilhões (ou 44,6% sobre o valor total). Vendas totais de animais ficam em segundo lugar, com projeção de R$ 4,41 bilhões (12,2%).

Já os serviços veterinários representam 11,7%; serviços gerais, 11,3%; e produtos veterinários, 11,1%. Fechando a conta vêm o pet care (higiene, beleza, equipamentos e utilidades), com 5,1%, e o comércio eletrônico, com 4%.

Pet, negócios, economia.
“O amplo interesse de compradores internacionais mostra que os empresários e a indústria pet brasileira podem ganhar cada vez mais espaço mundo afora” Nelo Marraccini, conselheiro de Comércio e Serviços do Instituto Pet Brasil – Foto: Divulgacao

A Pet Society possui a linha Soft Care, cujo conceito de prevenção de doenças já está sendo sucesso nos mercados europeu e norte-americano. A empresa exporta seus produtos para 15 países. “O pavilhão brasileiro e a iniciativa do Instituto Pet Brasil são importantíssimos para o desenvolvimento do setor e ajuda a indústria brasileira a alcançar um patamar global de qualidade e compromisso com os tutores e seus animais”, opina a vice-presidente da empresa, Marly Fagliari.

Pet shops

Atualmente existem 100 mil pontos de venda de produtos direcionados aos bichinhos no país, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimação no Brasil (Anfalpet). E, aproximadamente, 40 mil são pet shops.

A médica veterinária Amanda Bolsoi aproveitou essa oportunidade e abriu há um ano e dois meses o My Pet, localizado em Itapuã, Vila Velha. Ela pontua que é uma excelente oportunidade para crescimento profissional e pessoal, além de agregar valor aos
serviços prestados.

Pet, negócios, economia.
“O desejo de adotar os gatinhos que vejo na rua é grande. Simplesmente adoro” – Danieli Coser Zanom, estilista

“O pet shop está em constante ascensão. Hoje se tornou uma tríade, pois oferecemos rações, brinquedos e acessórios, alinhados a banho e tosa, além do consultório veterinário”, afirma Amanda. Ela explica ainda que a presença do médico veterinário é importante para avaliar a saúde e bem-estar dos pets, além de auxiliar a equipe do banho e tosa para alguns cuidados e prevenção de possíveis anormalidades, como otite causada pela umidade na hora do banho.

Novas tecnologias

Quem acha que a tecnologia é algo apenas para humanos está muito enganado. Visando a alcançar cada vez mais esse setor, empresas oferecem produtos que garantem melhor qualidade de vida aos pets. E os produtos vão desde alimentação a cuidados com a higiene.

A médica veterinária Manoela Pimentel orienta que é necessário seguir a recomendação de quantidade diária de alimento a ser oferecida. “A ração grain free (livres de grãos) respeita a natureza carnívora dos cães e gatos, com formulações que não apresentam cereais, ou trazem uma quantidade reduzida”.

Ela acrescenta que esses animais não possuem a enzima amilase na saliva. “Isso faz com que demorem mais tempo para digerir o amido. Por isso, ela se acumula no organismo em forma de triglicérides”.

Chipados

Outra tecnologia que tem chamado muito a atenção dos profissionais é o microchip para identificação. A PetSalut, empresa que atua com planos de saúde animal, adotou esse recurso. Nele, há um conjunto de códigos numéricos único com as informações sobre o bicho, como meio de contato com o dono, raça, porte e idade, entre outros
dados relevantes.

Segundo o gerente de expansão da empresa, Thiago Bassetti, esse recurso surgiu para auxiliar nos atendimentos aos pacientes do plano. “Como os pets não têm digitais cadastradas para identificação, utilizamos microchips. A cápsula é introduzida no corpo do animal, à altura do pescoço, e é empurrada na pele com a ajuda de um injetor”, conta.

“Como os pets não têm digitais cadastradas para identificação, utilizamos microchips” – Thiago Bassetti, gerente de expansão da Pet Salut

Xixi fora do lugar? Esse foi o gatilho que levou a Dog’s Care a produzir fraldas para cães. Com a tecnologia cotton like, a mesma usada em produtos para bebês, os produtos são revestidos por uma camada absorvente na parte interna, que impede que o xixi entre em contato com o pelo e a pele do cão, deixando-o mais seco, além de evitar possíveis assaduras.

“Foram mais de 18 meses de intensas conversas com veterinários e com um terapeuta comportamental especialista em pets para entender qual seria o melhor formato anatômico, e encontramos”, salienta a cofundadora e CMO da startup, Ana Carolina Vaz.

Pet friendly

Muitos estabelecimentos têm adotado a cultura pet friendly, que se refere à otimização dos ambientes, capacitando-os a receber animais de estimação sem causar problemas ao dono ou ao proprietário do local.

Inaugurado em 2017, o Pet Park Shopping Vila Velha recebeu uma grande reforma e ganhou mais espaço. Agora são 800 metros quadrados de muito entretenimento em um playground construído e adaptado pensando exclusivamente na diversão e no conforto dos animais e seus donos.

“O parque foi inspirado em um playground infantil, com todos os brinquedos ricos em detalhes e bem coloridos, mas com formatos de patinhas e ossinhos para se adequar ao público”, afirma a gerente de Marketing do Shopping Vila Velha, Manuela Dias.

Já o Pracão é um espaço administrado pela Prefeitura de Vitória e exclusivo para convivência canina. Ao todo, são sete locais espalhados pelo município, em que os cães contam com brinquedos específicos como manilhas, labirintos com estacas de madeira, pneus e obstáculos. E os donos podem fazer alguma atividade ou se divertir com seu pet.

Pet, negócios, economia
A bio urna é um recipiente 100% biodegradável em que se colocam as cinzas do cão ou do gato. Pode ser cultivada em vasos ou jardins, com a semente de sua preferência

Serviços

O amor aos bichinhos é tão grande que, às vezes, muitos donos querem eternizar esse sentimento. Um fotolivro, um relicário ou uma urna para colocar as cinzas do pet são algumas opções. O Crematório Céu de Patas, localizado no Alphaville Jacuhy, na Serra, adotou o conceito da biourna, uma espécie de recipiente 100% biodegradável em que se colocam as cinzas do cão ou do gato.

“Uma das premissas é proporcionar a continuidade da vida. A outra é o valor sentimental e espiritual. A urna pode ser fabricada com material orgânico, vem com sementes de mirabilis e pode ser cultivada em vasos ou jardins. Assim, nascerá outra vida naquele lugar”, comentou a administradora do crematório pet, Bárbara Checon.

Atuando há 15 anos como fotógrafo, Everton Nunes foi um dos primeiros a se especializar no segmento pet. Além das fotografias tradicionais, ele oferece produtos como o “pet book”, uma espécie de fotolivro no qual conta a relação de amizade entre o dono e o animalzinho com frases, fotos e histórias curiosas, entre outras coisas.

“Não tenho nem palavras para expressar como é importante esse trabalho. A cada book entregue eu vejo nos olhos dos donos o amor que eles têm por seus ‘filhos’. São momentos que ficam eternizados”, descreve.

Agora, se vai viajar e não sabe onde deixar o seu “melhor amigo”, uma opção é o DogHotel Dra. Melissa, localizado em Jardim Camburi, Vitória, que foi planejado para garantir o conforto, a higiene e a segurança do seu animalzinho.

“A estrutura do nosso hotel é uma área fechada em que eles podem brincar à vontade. Eles são acompanhados por mim e por uma equipe técnica e são muito bem cuidados. É como se estivessem realmente em casa”, observa a médica veterinária e proprietária do espaço, Melissa Ferreira. O espaço oferece o serviço de day care, que funciona como creche, facilitando a vida do tutor.

Pet, negócios, economia
“Um medicamento manipulado sai quase 30% mais barato do que os que são vendidos nos pet shops ou casas especializadas. Além disso, a embalagem é personalizada com o nome do animal, pois ele é o nosso cliente” – Josiany Chiabai Bassini, farmacêutica da Vida Animal

Pet dodói

O setor farmacêutico também vem seguindo a tendência. Há sete anos atuando no segmento, a farmácia de manipulação Vida Animal se destaca ao oferecer medicamentos para cães e gatos, apesar da crise econômica pela qual passa o país. A farmacêutica responsável pelo local, Josiany Chiabai Bassini, destaca a vantagem na manipulação dos medicamentos.

“Um medicamento manipulado sai quase 30% mais barato do que os que são vendidos nos pet shops ou casas especializadas. Além disso, a embalagem é personalizada com o nome do animal, pois ele é o nosso cliente. E a dosagem vai de acordo com o peso do bichinho justamente para não sobrar ou até mesmo ser mais fácil administrá-la”, explica Josiany.

A Vet Vix é outro bom exemplo dessa pujança do setor. É uma farmácia de manipulação também com sete anos de mercado. “Trabalhamos com remédios prescritos via oral e homeopáticos (florais). Também trabalhamos com ativos e fórmulas de uso transdérmico”, elenca a farmacêutica e proprietária, Danielly Menegheli Cardoso.

Ela confirma o crescimento do mercado de farmácias para animais ao longo dos anos. “Tem muito ainda o que crescer, mas há espaço para que isso aconteça. Para isso, é importante que haja especialização, que se entenda do mercado e das necessidades dos animais”, destaca ela.

Pet, negócios, economia
“São considerados exóticos os animais que mesmo que se reproduzindo no Brasil são originários de outro país” – Eduardo Lázaro, médico veterinário

Exóticos

Apesar de a maioria dos pets serem cachorros ou gatos, 2,21 milhões de répteis e pequenos mamíferos são tratados como animais de estimação no Brasil. E a cada dia cresce o número de pessoas que buscam pelos animais silvestres, que podem ser classificados como exóticos e selvagens.

O médico veterinário Eduardo Lázaro, que atua exclusivamente com animais exóticos, explica a diferença. “São considerados exóticos aqueles que mesmo que se reproduzam no Brasil são originários de outro país, como as calopsitas, que são naturais da Austrália”, diz.

Amiga cobra

E há aqueles que apreciem um réptil e paguem para tê-lo com a licença adequada, fornecida pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos renováveis (Ibama). É o caso do analista de sistemas Gabriel Mafioletti, que possui uma jiboia arco-íris da Caatinga legalizada.

“Sempre gostei de bichos diferentes, por isso busquei informações sobre como adquiri-la. Entrei em contato com um grupo especializado em Minas Gerais para isso. Fiz o registro, paguei todas as taxas e o frete, e ela foi entregue em minha residência. Ela possui um microchip de identificação, um documento com a foto e todas as descrições desde quando a comprei”, conta.

Eduardo Lázaro reforça que esta é a melhor opção de animal de estimação para quem não tem disponibilidade de tempo. “Para quem viaja bastante ou não fica muito em casa, criar uma serpente é o ideal. Ela se alimenta uma vez por mês e pode ficar até dois sem alimento, além de não sofrer por falta de companhia”, acrescenta.

A tecnóloga em Logística Lorena Fraga também é apaixonada por animais, mas sempre teve fascínio pelos exóticos. “Atualmente tenho cinco calopsitas e um jabuti-piranga. Antes deles eu também tive coelhos, codornas e um galo pequeno. Sempre gostei dos bichos diferentes”, finaliza.

Na edição digital de ES Brasil, você confere informações do Ibama do que é necessário para ter um animal silvestre. Vai conhecer ainda os pets famosinhos da internet, além de vídeos e uma galeria de fotos especial.

Leia Também:
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Bruno: espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

"A medida que está reduzindo auxílio e aterrissando no Bolsa Família, a economia vai retomando", disse o secretário do Tesouro

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. "Falha nossa"

Estudos indicam que probabilidade de 2ª onda é baixa, diz secretário

"Do ponto de vista econômico temos que garantir solidez fiscal e aumentar a produtividade", acrescentou o secretário

Projeção para PIB do 3º tri é de alta de 8,3%, diz ministério

A projeção é de alta de 1,7% na atividade agropecuária, queda de 1,1% na indústria e recuo de 4,2% em serviços

Guedes: ‘modelo baseado em gastos públicos já nos levou 2 vezes à hiperinflação’

Ministrou voltou a dizer que vai "derrubar" a relação dívida/PIB em 2021 e lembrou que o país ficará um ano pagando os gastos

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Fique por dentro

Bruno: espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

"A medida que está reduzindo auxílio e aterrissando no Bolsa Família, a economia vai retomando", disse o secretário do Tesouro

MJ leiloa 434 cabeças de gado usado para lavagem de dinheiro

Segundo o ministério, o leilão é resultado da alienação antecipada decretada pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. "Falha nossa"

Vida Capixaba

Papai Noel em formato digital

Imagine o seu filho(a) receber uma mensagem do Papai Noel pelo whatssap ou poder interagir com realidade virtual?. Essa é novidade do shopping Boulevard, aposta para o natal desse ano

Sabores da Terra começa dia 26 na Praça do Papa

Feira sabores da terra reúne 715 empreendedores de diversos setores do Estado no próximo dia 26

Influenciadores digitais criam e-book sobre Espírito Santo

Um E-book com informações turísticas do Estado foi elaborado por um grupo de nove colaboradores. O livro digital intitulado “Conheça o ES” reúne informações dos 78 municípios do Espírito Santo

Cuidados da Mente: novo modelo de negócio na saúde mental

Grupo investe em novo modelo de negócio para atendimento em saúde mental, apostando em diagnósticos mais precisos e diminuição no número de internações
Continua após publicidade