22.1 C
Vitória
quinta-feira, 13 agosto, 2020

A pesquisa para a eleição de 2022 e a força do Bolsonarismo

Mais Artigos

Quando a autofalência é a melhor opção

É preciso destacar que no Brasil uma empresa não pode simplesmente deixar de funcionar. Deve haver o “correto encerramento” das atividades.

Iluminação pública: Vila Velha saiu na frente!

Com essa conquista Vila Velha torna-se o primeiro município do Estado a ingressar num seleto grupo de cidades brasileiras que já viram ser este o melhor caminho para uma modernização estrutural

As escolhas de Guedes

A pandemia da covid-19 explicitou a precariedade da estrutura das políticas sociais do País Por Arilda Teixeira O Ministério da Economia enfrenta situação singular: precisa garantir...

Baixa da Selic: duas novas realidades

Em tempos de economia normal, a queda do preço do dinheiro básico permite que todos tenham maior acesso ao crédito, e com isto, compram, vendam e produzam mais.

Presidente Jair Bolsonaro deve reassumir presidência no dia 13 de setembro
(Foto – Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Desde a aprovação da reeleição, no Brasil, todos os presidentes foram reeleitos

Por Rodrigo Augusto Prando

Em recente pesquisa divulgada – em 24/07/20 – pelo Instituto Paraná Pesquisas aponta-se que se as eleições presidenciais fossem hoje, Bolsonaro seria reeleito. Além disso, com projeções para 2022 ele venceria o seis potenciais adversários: Lula, Haddad, Ciro, Moro, Doria e Huck.

Desde a aprovação da reeleição, no Brasil, todos os presidentes foram reeleitos: FHC, Lula e Dilma. Assim, essa dianteira de Bolsonaro frente aos demais postulantes do Planalto não causa espanto. Bolsonaro tem mídia cotidiana – mais negativa do que positiva – mas, praticamente, pauta os meios de comunicação com seus discursos, entrevistas e ações. A pesquisa demonstra, essencialmente, a força da base bolsonarista de cerca de 30% do eleitorado, um grupo coeso e resiliente até aqui. Havia a crença de que a gestão ou ausência dela durante a pandemia seria capaz de corroer o seu apoio e seu capital político.

Contudo, dois fatores podem ser elencados como importantes para manutenção de sua força política: o auxílio emergencial que chegou aos mais pobres atingidos pela crise econômica advinda do coronavírus e, ainda, o seu atual silêncio e distanciamento de polêmicas, especialmente, após a prisão de Queiroz e do cerco aos bolsonaristas promovido pelo STF em relação às fake news. O auxílio emergencial, a injeção de dinheiro nas famílias e, obviamente, na economia, é um trunfo político que já foi assistido, noutro contexto, com a força do Bolsa Família durante o governo do PT. Muitos se questionam o porquê dessa performance de Bolsonaro com as milhares de mortes causadas pela pandemia. Escrevi, há tempos, que, no Brasil, a sociedade foi normalizando os mortos da violência por assassinatos ou acidentes no trânsito. Muitas vezes, num ano, morreram 100 mil brasileiros (uns 60 mil assassinados e 40 mil no trânsito).

E essas mortes são, geralmente, impactantes entre os mais pobres, moradores da periferia, negros e jovens. Embora o coronavírus seja mais “democrático” em sua contaminação, no tratamento e no número de mortes há, também, claramente, um desigual resultado com prejuízos aos pobres mais vulneráveis, impossibilitados de distanciamento social, morando em casas de espaço diminuto e obrigados ao transporte público muitas vezes lotados para o deslocamento de casa para o trabalho. É triste observar que nós, brasileiros, convivemos bem com a morte, com números impressionantes de mortos a ponto de considerarmos normal ou inevitável. Além disso, ainda no tocante à epidemia, o distanciamento social também gerou uma classe política incapaz de fazer oposição mais enfática ao governo. Os panelaços que ocorreram não foram seguidos de enormes protestos nas ruas, como, por exemplo, se deu com Dilma.

Movimentos no bojo da sociedade civil se organizaram para apresentar que se há 30% de apoio ao presidente, há 70% que consideram o governo regular, ruim ou péssimo. Todavia, estes 70% não são unificados numa agenda comum, bem como as ideologias políticas e posições partidárias são incapazes de levar a uma superação de traumas das últimas disputas políticas. Ademais, politicamente, o Governo Bolsonaro atrelou-se ao Centrão, aquele mesmo da chamada “velha política” pelos bolsonaristas …

As eleições de 2022 estão distantes. O cenário pode mudar, para melhoria ou piora das condições econômicas e políticas. Objetivamente, o que pode minar a base de apoio de Bolsonaro é uma crise econômica mais aguda: recessão, desemprego, aumento da pobreza e da miséria. Agora, quem quer isso? Quem torcerá para o quanto pior melhor?

Por Rodrigo Augusto Prando Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduado em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia, pela Unesp

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Setores mais afetados pelo distanciamento social seguem deprimidos, diz BC

Ao avaliar o futuro da atividade econômica, o BC repetiu a ideia de que "a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual

Safra deste ano deve ser 3,8% superior à de 2019, prevê IBGE

A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2020 em 250,5 milhões de toneladas. Com informações da Agência BrasilCaso a...

211 vagas de emprego em Cariacica

Os munícipes têm a ajuda da Agência do Trabalhador, que esta semana está divulgando 211 vagas, sendo 55 são destinadas à Pessoa com Deficiência...

Estimativa para Selic no fim de 2020 permanece em 2,00% ao ano no Focus do BC

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020. O Relatório de Mercado...

Vida Capixaba

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...

31ª Dez Milhas Garoto é adiada para 2021

Com a insegurança em relação a propagação do vírus do Covid-19 pelo Brasil, os principais players do mercado de eventos, feiras e congressos do...

Mostra on-line de arte e cultura em Vitória

A distância dos palcos não impediu que os alunos dos espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) se apresentassem ao público em 2020. Durante...