27.9 C
Vitória
segunda-feira, 17 junho, 2024

Pablo Lira é o novo diretor-presidente do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN)

Anúncio foi feito pelo governador Renato Casagrande na manhã desta quinta-feira

Por Regina Trindade

O professor e pesquisador Pablo Lira é o novo diretor-presidente do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), autarquia estadual que tem como finalidade produzir conhecimento para a melhor produção e gestão de políticas públicas para a população capixaba. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (26) pelo governador Renato Casagrande em uma rede social.

- Continua após a publicidade -

Lira é servidor estadual há 23 anos, tem passagem pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu), Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp) e Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA). Em 2010, passou no concurso do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) para a carreira de Especialista em Políticas Públicas em Gestão Governamental. Agora, assume como diretor-presidente do instituto. O pesquisador conversou com a reportagem sobre a nova fase.

Como você recebeu o convite para assumir a direção do IJSN, possuindo uma história profissional muito relevante no serviço público?

Sou servidor público de carreira. Tenho uma paixão profissional em ser servidor público. No Instituto Jones essa paixão é dobrada. Estamos falando de uma instituição histórica do estado do Espírito Santo, muito importante para subsidiar a elaboração e aprimoramento de políticas públicas que visam melhor qualidade de vida para a população capixaba. Desde sempre trabalhamos para o desenvolvimento do nosso Estado. Para mim é uma grande honra ser nomeado pelo governador Renato Casagrande, que vem alcançando resultados históricos no crescimento econômico, desenvolvimento social e desenvolvimento regional do Estado. É uma satisfação trabalhar junto a essa gestão que preza muito pela democracia e pelos preceitos republicanos, sobretudo a cientificidade e a transparência das políticas públicas. E esses são dois valores muito valiosos para o Instituto Jones: garantir a produção científica e a valorização da ciência na administração pública.

O Instituto Jones dos Santos Neves tem estudos em várias áreas do conhecimento, com foco para subsidiar a elaboração e o aprimoramento de políticas públicas, que têm impacto direto no cotidiano da população. Pode destacar alguns desses estudos?

Posso destacar a área social, econômica e a área territorial e urbana, com estudos de processamento, estatísticas. Também fazemos o cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado e dos municípios capixabas, estudo feito em uma rede de pesquisa nacional junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O instituto também é responsável pelo estudo sobre o desenvolvimento regional sustentável, que leva em conta as vocações, potencialidades e os desafios das regiões capixabas para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população. Também desenvolvemos nos últimos anos análises sobre as estatísticas criminais, o que culminou, em 2019, no Observatório de Segurança Pública, que garante maior transparência e estudos na área; esses estudos contribuem para o desenvolvimento de ações do programa Estado Presente, possibilitando ao estado do Espírito Santo alcançar as menores taxas de homicídios dos últimos 30 anos.

Durante a pandemia de Covid-19 a população capixaba passou a ter um contato mais próximo ao instituto, devido às ferramentas de monitoramento da pandemia, que foram bastante divulgadas pela mídia…

É isso mesmo. A população passou a conhecer mais o trabalho do instituto no projeto do Núcleo de Estudos Epidemiológicos, no período da pandemia, com a elaboração do Painel Covid e também do Mapa de Risco. O instituto esteve do lado do Governo do Estado e da sociedade capixaba valorizando a ciência no momento mais crítico dos últimos 100 anos. Com essas ferramentas, conseguimos mostrar o valor da ciência para as políticas públicas. O núcleo foi criado em 2020 a pedido do governador Renato Casagrande. E agora, com essa expertise do núcleo, podemos realizar outros estudos no campo epidemiológico.

Quais são os planos e as expectativas para essa nova fase no IJSN?

Queremos ampliar ainda mais a produção científica, de forma a colocar o Espírito Santo no mapa da produção de dados e informações científicas a nível nacional e até mesmo internacional. Já fizemos parcerias frutíferas no passado, com o Instituto Sou da Paz, com estudos sobre o impacto das armas de fogo, também participamos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Observatório das Metrópoles, que é uma rede internacional de pesquisa. Estamos desenhando o planejamento estratégico do instituto, que vai acompanhar o planejamento estratégico do Governo do Estado. Queremos trabalhar cada vez mais em prol da valorização da ciência e da produção de conhecimento que seja aplicado nas políticas públicas em favor da população capixaba.

Formação acadêmica

O novo diretor-presidente do IJSN possui doutorado no Programa de Pós-graduação (Doutorado) em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo (2019); mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (2009); especialização em Conservação e Manejo da Diversidade Vegetal pela Universidade Federal do Espírito Santo (2008); aperfeiçoamento em Planejamento Urbano pela Université de Cergy-Pontoise (2003); graduação em Geografia Bacharelado pela Universidade Federal do Espírito Santo (2006); graduação em Geografia Licenciatura Plena pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005).

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA