20.6 C
Vitória
sexta-feira, 14 agosto, 2020

Quais são os motivos para negativação de um empréstimo?

Leia Também

TSE aprova resoluções com novas datas para o processo eleitoral

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou hoje (13) os ajustes em suas resoluções com as novas datas dos eventos eleitorais e votações das eleições...

Distribuição de máscaras a estudantes da rede estadual do Amazonas gera polêmica

A compra foi firmada no dia 4 entre Secretaria de Estado de Educação e Desporto do Amazonas (Seduc-AM) com a empresa Nilcatex Têxtil Ltda, sediada no Mato Grosso do Sul

Investimento em inovação pode chegar a R$ 10 milhões

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) anunciou oportunidades de negócios para investimentos de olho na introdução de práticas inovadoras, no incentivo e...

Cadastro positivo pode mudar essa estatística

No último mês de abril, 17% dos consumidores brasileiros tiveram crédito negado ao tentarem fazer uma compra a prazo. Dados do Indicador de Uso do Crédito, apurado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), mostram que a principal razão para a negativa é o fato de estarem com o nome inserido em cadastros de inadimplentes (27%) ou por falta de comprovação de renda (20%). Há também 22% de entrevistados que não souberam o motivo da negativa, 17% que não tinham renda suficiente e 14% que estavam com o limite de crédito excedido.

O Indicador de Uso de Crédito, que busca medir o uso das principais modalidades pelo consumidor, marcou de 31,4 pontos ante 30,2 pontos registrados em março. Pela metodologia, o indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, maior o uso das modalidades; quanto mais distante, menor o uso.

A dificuldade em obter crédito é reafirmada por outros números constatados pelo levantamento. Na avaliação dos entrevistados, o financiamento é a modalidade mais difícil de obter aprovação, com 60% de citações. Nesse caso, apenas 11% consideram o processo fácil. Contratar um empréstimo é considerado difícil para 54% dos consumidores, ao passo que 42% avaliam como complicado obter um cartão de crédito. Já no caso das compras no crediário, 39% classificam como difícil a sua contratação.

Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, há uma limitação nos modelos atuais de análise e de concessão de crédito, que atribui um peso maior na existência ou não de apontamentos de inadimplência, o que torna o acesso ao crédito mais difícil para uma grande massa de consumidores.

“Hoje, as políticas de análise de crédito são baseadas apenas nas informações de negativação. Com a entrada do Cadastro Positivo neste ano, os credores poderão visualizar não apenas as contas que os consumidores têm em atraso, mas também aquelas que estão sendo pagas em dia. Isso significa que aquela parcela da população de renda mais baixa, que normalmente possui poucas garantias para fornecer em operações de crédito ou possuem registros pontuais de inadimplência, também poderá mostrar que é boa pagadora e ter mais acesso ao mercado de crédito”, explica Pellizzaro Junior.

Presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Jr (Fotografia – Divulgação)

De forma geral, a maioria (52%) dos brasileiros não utilizou nenhuma modalidade de crédito no mês de abril, como empréstimos, linhas de financiamento, crediários ou cartões de crédito. Outros 48%, porém, mencionaram ter recorrido, ao menos, a uma modalidade no período. O cartão de crédito (42%) e o crediário (13%) foram as modalidades mais usadas no último mês. Já o cheque especial foi citado por 9% da amostra. Há ainda 7% de consumidores que buscaram empréstimos e 3% entraram em financiamentos.

No caso do cartão de crédito, 21% dos seus usuários não conseguiram pagar integralmente a fatura em abril e entraram no chamado ‘rotativo’, que cobra um dos juros mais caros do mercado. Os que honraram os compromissos em dia somam 77% dos entrevistados. O valor médio da fatura em abril de 2019 foi de R$ 763,84, tendo a maioria dos consumidores mantido um valor aproximado que nos meses anteriores (39%).

O levantamento mostra ainda que as despesas correntes do dia a dia foram as mais realizadas via cartão de crédito: 72% dos entrevistados citaram as compras de supermercado e 47% a aquisição de remédios. Em terceiro lugar aparecem a compra de combustíveis (43%), seguida de roupas e calçados (36%) e de ida a bares e restaurantes (33%). Há ainda 25% de pessoas que usaram o cartão de crédito para contratar serviços de streaming de música, vídeos e assinatura de jornais e revistas.

Para o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, a popularização dos cartões faz com que compras simples e de baixo valor já sejam feitas com essa modalidade, mas ao mesmo isso exige cuidados para que o crédito não funcione  como complemento da renda. “A falta de disciplina no controle do orçamento acaba provocando uma desorganização tamanha que, em muitos casos, o consumidor precisa recorrer a renegociações que levam muitos meses para quitar, comprometendo parte do orçamento por um bom tempo”, alerta Vignoli.

Quando se fala em acesso ao crédito, a questão dos juros é algo que também faz parte da discussão. O levantamento mostra que, mesmo com a Selic (taxa básica de juros da economia) em um patamar historiamente baixo, a maior parte (41%) dos brasileiros tem a impressão de que os juros finais ao consumidor na ponta estão mais altos nos últimos três meses. Para 27%, eles estão estáveis, ao passo que apenas 2% notaram alguma diminuição. Outros 30% não souberam responder.

Educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli (Fotografia – Divulgação)

Reflexo da situação econômica ainda difícil no país, apenas 18% estão em condições confortáveis, com sobra de dinheiro. A grande maioria (72%) dos consumidores brasileiros tem vivenciado uma situação de aperto com as finanças, ao ficar no limite de seu orçamento. Desses, 32% estão no ‘vermelho’ — não conseguem pagar todas as contas com os rendimentos — e 40% ficam no ‘zero a zero’, ou seja, até honram seus compromissos financeiros, mas terminam o mês sem sobras de dinheiro. Embora elevado, o número de consumidores sem sobras no orçamento já chegou a ser maior. Em maio do ano passado, esse percentual era de 80%.

Não por acaso, mais da metade (51%) dos entrevistados admitiram a intenção de cortar gastos no mês seguinte, principalmente em razão dos preços elevados (41%). Apenas 5% planejavam desembolsar mais, enquanto 37% falavam em manter os gastos no mesmo nível.


LEIA TAMBÉM
Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Setor de serviços cresce 5% de maio para junho, diz IBGE

O volume de serviços no país cresceu 5% em junho na comparação com o mês anterior. A alta veio depois de quatro quedas consecutivas...

Setores mais afetados pelo distanciamento social seguem deprimidos, diz BC

Ao avaliar o futuro da atividade econômica, o BC repetiu a ideia de que "a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual

Safra deste ano deve ser 3,8% superior à de 2019, prevê IBGE

A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2020 em 250,5 milhões de toneladas. Com informações da Agência BrasilCaso a...

Vida Capixaba

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...

31ª Dez Milhas Garoto é adiada para 2021

Com a insegurança em relação a propagação do vírus do Covid-19 pelo Brasil, os principais players do mercado de eventos, feiras e congressos do...
Continua após publicidade