24.9 C
Vitória
domingo, 14 abril, 2024

Itens de saúde têm aumento expressivo no e-commerce

Por influência do novo coronavírus, estudo do Compre e Confie mostra que volume de compras geral teve queda de 7,7%. Enquanto isso, venda de nebulizadores e de gel antisséptico no e-commerce cresceu mais de 100% no período

O novo coronavírus (Covid-19) tem deixado muitas pessoas preocupadas e, muitas delas, têm evitado sair de casa. Por isso, esse medo tem provocado impacto financeiro significativo: a queda expressiva nos níveis da Bolsa brasileira e a redução da projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano são apenas alguns dos fatores divulgados recentemente.

A pandemia é apontada como uma das razões para a queda significativa do e-commerce durante o mês de fevereiro, é o que mostra um levantamento da empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, Compre&Confie.

- Continua após a publicidade -

Entretanto, a preocupação dos brasileiros com a saúde puxou para cima as vendas de itens desse setor. De acordo com o levantamento da plataforma, Nebulizadores e Inaladores registraram aumento de 177,5% nas vendas em relação a janeiro e as vendas de Gel Antisséptico tiveram incremento de 165% no período.

“A venda dos itens relacionados à saúde mostra a preocupação dos brasileiros nesse período. A importância da prevenção e de manter a saúde em dia especialmente com as variações de temperatura pelas quais o Sudeste vem passando reforçam essa tendência”, destaca o diretor executivo do Compre&Confie, André Dias.

nebulizador
os nebulizadores são os itens que mais tiveram saída no e-commerce. – Foto: Reprodução
Produto menos vendidos

Os segmentos que apresentaram queda mais significativa em número de pedidos durante o mês de fevereiro foram: câmeras, filmadoras e drones (redução de 42,3% em relação a janeiro), papelaria (-30,5%) e games (-30%). Outras categorias que apresentaram considerável queda foram: eletrônicos (-19,4%), suplementos e vitaminas (-14,7%) e brinquedos (-13,1%).

A categoria de moda e acessórios, carro-chefe de volume de vendas pela internet, apresentou queda de 10,9% no período. “Registramos uma queda menos representativa para itens que possuem maior influência da produção nacional. Já categorias que dependem de componentes da China e outros países como, por exemplo Eletrônicos, podem estar relacionadas com o receio em consumir em adquirir produtos de países com maior incidência de casos do vírus.”, afirma Dias.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA