23.3 C
Vitória
terça-feira, 11 agosto, 2020

Crônica: a poesia do cotidiano

Leia Também

A luta dos municípios contra a queda de arrecadação

Contra a queda de arrecadação: montante dessa queda pode chegar a 15%, o que representa uma perda de R$ 1 bilhão. Situação no interior é pior

Planejamento para matrículas escolares de 2021 na Serra

A Secretaria Municipal de Educação da Serra (Sedu) vai iniciar neste mês de agosto a discussão interna do cronograma para o processo de matrícula...

TRE-ES inicia convocação de mesários para as Eleições 2020

Os interessados em contribuir com o processo eleitoral podem fazer o cadastro imediatamente Entre voluntários e convocados, mesários, prepostos e colaboradores que atuarão nas Eleições...

A jornalista e escritora Cláudia Sabadini fala sobre sua mais nova obra “Invernos”

Um texto semanal com até três mil caracteres, uma experiência do cotidiano, uma reflexão, uma crítica. Pronto, temos uma crônica. Histórias de amor, nostálgicas, inusitadas ou engraçadas – também são temas para os leitores que não têm tempo para textos longos e didáticos ou que, simplesmente, buscam uma conversinha com o escritor, ali no meio do jornal, por pura falta de assunto. Aliás, até falta de assunto pode virar uma crônica.

Na crônica, o escritor narra e interpreta a história afetivamente. O leitor, então, passa a ver pelo olhar do cronista e da sua maneira de escrever a vida. Uma grande responsabilidade para quem escreve, concorda?

Como escritora-jornalista-crônica desde sempre, trago para o gênero os mais variados temas, selecionados de anotações antigas e/ou mais recentes, como forma de ir atrás desse leitor, nem sempre um consumidor de literatura, mas que pode ser assinante de um impresso ou, ainda, alguém que distraidamente folheia uma revista num consultório, por exemplo. É um texto sem endereçamento e público certos, portanto. Gente que pode ser seduzida na distração.

O vício de ler e escrever crônicas levou-me à produção do meu quinto livro: Invernos*, uma seleção de quarenta textos do gênero, com temas e sentimentos livres, quase um atrevimento para quem vive um cotidiano comedido.

Felizmente, a arte literária me permite dialogar com o leitor e fazê-lo meditar sobre suas dores, alegrias e superações, sem perder o jornalismo da literatura. Porque, no final das contas, “o leitor quer (no jornal) encontrar um pouso, uma conversa”, escreveu certa vez Clarice Lispector, que fez da crônica também uma forma de sobrevivência.

Invernos tem a dose de lirismo impressa em crônicas breves, de vivências pessoais e de outros personagens, descompromissados com a realidade e veracidade dos fatos e de quaisquer precisões narrativas.

Em outras palavras, a memória, o tempo e a emoção são os grandes espaços da crônica no livro, cuja percepção do leitor também se altera à medida que Invernos Meus e Invernos dos Outros se confundem, ressignificando vivências e rememorações afetivas.

Aparentemente fácil de escrever, a crônica exige curiosidade e imaginação para construção da narrativa. Nesse sentido, a leitura sempre foi ferramenta fundamental na percepção e re(encontro) com personagens. Sobretudo a leitura das obras de Rubem Braga e sua poética cotidiana, cujos recursos literários transpassam o simples fato de narrar.

Com sua escrita minuciosa e peculiar sobre o cotidiano e a vida, consagrou-se como um dos mais notórios representantes do Jornalismo Literário no Brasil, gênero que foi objeto de estudo do meu primeiro livro – em parceria com o jornalista Rondinelli Tomazelli – “O Jornalismo Literário de Rubem Braga na Guerra”.

O despojamento verbal, o diálogo muito próximo com o leitor e o poder de projetá-lo para além do que foi escrito, garantem a perenidade da crônica, fazendo-a transcender o momento efêmero e o espaço descartável nas páginas impressas.

Ao longo de quase trinta anos, a crônica se tornou para mim uma necessidade de expressão, um exercício diário da escrita, minha forma de existir. Invernos é uma obra a muitas mãos, uma leitura quase coletiva da vida, onde pude caminhar, enfim, por um universo poético de mil interpretações e sentimentos, onde a objetividade factual – cara aos métodos de redação jornalística – cede lugar à curiosidade do leitor pela travessia dos invernos da autora e de seus personagens. No final, não é para isso que a gente escreve?


Cláudia Sabadini é jornalista e escritora

* Invernos está vendido em Cachoeiro de Itapemirim na Cafeteria Mourads e no Artes no Sobrado, na Galeria Belas Artes, no centro. Em Vitória, está à venda no Trapiche Gamão, no centro, e também na Cafeteria Jalan Jalan, na Praia do Canto. O livro reúne 40 crônicas escritas ao longo dos dez últimos anos e escolhidas pela escritora e custa R$ 30.

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Setores mais afetados pelo distanciamento social seguem deprimidos, diz BC

Ao avaliar o futuro da atividade econômica, o BC repetiu a ideia de que "a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual

Safra deste ano deve ser 3,8% superior à de 2019, prevê IBGE

A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2020 em 250,5 milhões de toneladas. Com informações da Agência BrasilCaso a...

211 vagas de emprego em Cariacica

Os munícipes têm a ajuda da Agência do Trabalhador, que esta semana está divulgando 211 vagas, sendo 55 são destinadas à Pessoa com Deficiência...

Estimativa para Selic no fim de 2020 permanece em 2,00% ao ano no Focus do BC

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020. O Relatório de Mercado...

Vida Capixaba

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...

31ª Dez Milhas Garoto é adiada para 2021

Com a insegurança em relação a propagação do vírus do Covid-19 pelo Brasil, os principais players do mercado de eventos, feiras e congressos do...

Mostra on-line de arte e cultura em Vitória

A distância dos palcos não impediu que os alunos dos espaços culturais da Secretaria Municipal de Cultura (Semc) se apresentassem ao público em 2020. Durante...

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...
Continua após publicidade