23.3 C
Vitória
quarta-feira, 24 abril, 2024

Infantino chega ao velório de Pelé e pede estádios com nome do Rei no mundo todo

Além das personalidades conhecidas, fãs e torcedores passaram a madrugada nas imediações do Estádio Urbano Caldeira

A despedida a Pelé, o Rei do Futebol, começou na Vila Belmiro nesta segunda-feira, mesmo antes de o velório ser iniciado oficialmente. Previsto para começar às 10h (horário de Brasília), a cerimônia recebeu personalidades influentes do mundo do esporte e da política que chegaram mais cedo. Gilmar Mendes, ministro do STF, foi o primeiro a chegar ao local. Na sequência, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, chegou ao lado do presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, e do presidente da Conmebol, Alejandro Domingues. O mandatário da entidade máxima do futebol pediu “estádios com o nome do Pelé” em “países de todo mundo”.

Pouco antes das 10h, o caixão do Rei do Futebol foi carregado para dentro da Vila Belmiro. À frente do caixão estavam Edinho, filho de Pelé, e o ex-jogador do Santos, Zé Roberto. Além das personalidades conhecidas, fãs e torcedores passaram a madrugada nas imediações do Estádio Urbano Caldeira, esperando o início da cerimônia para prestar as últimas homenagens ao Rei do Futebol, morto no dia 29, em decorrência de complicações ligadas ao câncer de cólon.

- Continua após a publicidade -

Gilmar Mendes e Infantino

Primeira personalidade a chegar no local, o ministro do STF, Gilmar Mendes, conversou com a imprensa e falou um pouco sobre sua relação com Pelé e com o Santos, seu time do coração. Gilmar Mendes chegou a dizer que “não é santista e sim Pelezista”, em demonstração de respeito e admiração pelo Rei do Futebol.

Na sequência, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, chegou acompanhado do presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, e do presidente da Conmebol, Alejandro Domingues. Infantino atendeu a imprensa no local e comentou a respeito da importância de Pelé para o futebol. “O legado de Pelé é único para o futebol. Ele tinha o dom de Deus, algo que pouquíssimas pessoas na Terra têm. Era um dom que tocava os corações e nossas emoções”, disse. “Vamos pedir para que Federações do mundo inteiro que nomeiam um estádio em cada país do mundo com o nome de Pelé, porque creio que as futuras gerações têm de saber e lembrar quem foi Pelé”.

Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, reafirmou que irá prestar todas as homenagens possíveis para “o maior atleta de todos os tempos”. E definiu como uma “missão” manter o legado do Rei do Futebol em seu mandato.

“Hoje é um momento de dor para todos os fãs do futebol. Estou aqui para reverenciar a memória desse ídolo de todos nós. Quero reafirmar aqui que a CBF fará todas as homenagens possíveis ao maior atleta de todos os tempos. Pelé é eterno. Uma das minhas missões na CBF a partir de agora será a de preservar a sua história e perpetuar o seu legado. O dia que vi o Pelé em ação na minha frente durante um jogo em Ilhéus foi inesquecível. Eu era um adolescente de 13 anos e foi o maior presente que ganhei dos meus pais”, disse o presidente da CBF.

“Lembro ainda hoje da emoção de ter visto o Pelé. Ele fez um dos gols na vitória do Santos contra a seleção local. Dois anos depois, viajei até Salvador para assistir o milésimo gol dele, que acabou não saindo. O Nildo tirou o gol quase na linha. Eu e a Fonte Nova praticamente inteira vaiamos o zagueiro do Bahia. Três dias depois, o Rei marcou o milésimo no Rio diante do Vasco”, completou.

Ex – companheiros prestam homenagem

Entre os presentes para o adeus ao Rei do Futebol, figuram nomes que escreveram suas histórias no Santos e no futebol ao lado de Pelé. O goleiro Agnaldo, que defendeu a meta santista no icônico jogo do milésimo gol de Pelé, conversou com o Estadão sobre a morte do amigo.

“Com o Pelé, a gente sempre entrava em campo ganhando. O futebol mudou depois que surgiu Pelé. O pessoal faz comparações, mas nao precisa. Pelé é Pelé. Não tem nem vai ter outro. Dei a volta com ele no ombro no Maracanã. Isso ficou marcado. Nunca vou esquecer”, disse Agnaldo.

Manoel Maria, amigo do Rei do Futebol e ex-companheiro de Santos, revelou o sentimento de tristeza de “ter perdido um irmão”, com a morte de Pelé. “Sentimento de tristeza, né? De ter perdido um irmão. Uma convivência de 54 anos. Eu sinto bastante. Esses dias todinhos, quando o vejo dar entrevista, me emociono. Tenho de assimilar isso. Sei que vai passar. Ele sempre será eterno dentro do meu peito, o Edson. Pelé será eterno para o Mundo”, disse.

Mais Homenagens

Quem ainda não compareceu ou sinalizou presença no velório tratou de homenagear o Rei do Futebol com o envio de coroas de flores à Vila Belmiro. Segundo apurado pelo Estadão, além do próprio Santos Futebol Clube e seu presidente Andres Rueda, CBF, Federação Paulista de Futebol (e seus respectivos presidentes, Comitê Olímpico do Brasil, São Paulo e Real Madrid foram algumas entidades que prestaram homenagens. Neymar também prestou sua homenagem enviando uma coroa. Algo também feito por nomes como o apresentador Silvio Santos, o narrador Galvão Bueno, o senador Romário e o presidente da república da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol.

Além destas personalidades, rádios de São Paulo e do Brasil enviaram homenagens, como a Kiss FM e a Top FM. Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, também prestou sua homenagem. O cartunista e desenhista Maurício de Sousa também prestou homenagens ao amigo e antigo parceiro. A ALESP, Assembleia legislativa do estado de São Paulo, enviou coroas de flores.

Com informações Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA