Destaque para fontes limpas e renováveis no Fórum Capixaba de Energia

Fórum Capixaba de Energia 2018
Foto: Jeferson Rocio

O evento foi realizado durante esta segunda-feira (25), em Vitória, no Hotel Golden Tulip

Oportunidades de investimentos são o assunto principal do 10° Fórum Capixaba de Energia (Fenergia), que acontece nesta segunda-feira (25). O evento conta com a participação de especialistas da área, que discutem a produção, o consumo e os negócios em energia. O fórum teve início às 8h30, no Hotel Golden Tulip, em Vitória.

Logo na primeira palestra, já ficou claro o objetivo do encontro. O chefe da Assessoria Especial em Assuntos Regulatórios da Secretaria-Executiva do Ministério de Minas e Energia, Igor Alexandre Walter, falou sobre as perspectivas de investimento no setor de energia para o Espírito Santo. Entre os destaques, estão as apostas em fontes limpas e renováveis.

“A energia fotovoltaica é disruptura. A energia que queremos é sustentável e acessível. O setor energético vivencia uma mudança de paradigma, que abre espaço para novos negócios”, declarou.

Segundo o palestrante, essa mudança envolve a transição da economia do carbono para energias renováveis, com investimentos na fonte de transição, que é o gás natural. Apesar de ser um combustível fóssil, ele é considerado uma fonte de energia quase limpa.

Além disso, é importante que haja a descentralização com micro, mini e média geração distribuída. Dessa forma, a rede elétrica pode funcionar como “bateria”. Por fim, a medição digital e as redes inteligentes, como as que envolvem a Internet das Coisas, assinalam a mudança para a digitalização.

Vocação capixaba

O Espírito Santo pode se destacar em um novo modelo de produção energética, já que apresenta, segundo Igor Walter, uma vocação dinâmica para a economia. Além de parque industrial, conta com tecnologia e mão de obra qualificada. O Estado, ainda, apresenta infraestrutura logística, com portos, aeroporto e outras formas de transporte.

O desenvolvimento de tecnologia precisa estar presente não apenas nas empresas, mas também nas faculdades e centros de educação. Por isso, entre os expositores estavam os alunos que participam do Solares, iniciativa que utiliza a energia solar para gerar eletricidade, por meio de placas fotovoltaicas. Estão envolvidos estudantes de engenharia da Universidade Federal do Espírito Santo.

“Vamos inaugurar uma Estação Solar, um dos nossos projetos, em agosto, na Ufes. As pessoas vão poder recarregar celulares e outros aparelhos nas tomadas alimentadas pela energia solar”, explicou Jhemes Parma Miranda, 22 anos, aluno do curso de Engenharia Elétrica.

Além da Estação Solar, os estudantes desenvolvem o barco e o carrinho, movidos pela mesma tecnologia de captação de energia, e também realizam palestras em escolas.

Fórum Capixaba de Energia

Na trajetória dos 10 anos do evento, foram tratadas e discutidas questões e colocados os mais diversos desafios. O Fórum Capixaba de Energia abordou temáticas avaliadas e consideradas como importantes e que pudessem contribuir para o desenvolvimento do Estado.

Na décima versão, propõe-se como tema central “Oportunidades de Investimentos em Energia”. A ênfase na transição energética se justifica na mudança na matriz energética que o mundo deve vivenciar.

Participaram da abertura do evento o governador Paulo Hartung e o secretário de Estado de Desenvolvimento, José Eduardo Azevedo. Hartung destacou a importância de políticas sólidas para o setor energético do país.

“Tenho sido um crítico, mas reconheço e valorizo todos os passos importantes em nosso país. Evoluímos nos últimos tempos em relação ao marco regulatório do petróleo. Com medidas bem refletivas, observamos que a indústria do petróleo começa uma retomada, principalmente pelo resultado dos últimos leilões. Também valorizo o debate em torno de energia limpa e do gás”, analisou Paulo Hartung.

O secretário de Estado de Desenvolvimento, José Eduardo Azevedo, ressaltou a importância da retomada da agenda de investimentos do setor. “A oferta de energia é fundamental para a economia e competitividade de nossas empresas. Foram realizadas ações importantes nos últimos anos para melhorar o ambiente de negócios e atrair investimentos nessa área e este fórum contribui para discutir os desafios e os próximos passos dessa agenda”, destacou.