Programa para reduzir o número de acidentes no trânsito

Foto: Reprodução

O Detran desenvolveu um programa que atua de forma educativa e fiscalizadora a fim de evitar acidentes e infrações

O número de mortes no trânsito aumentou consideravelmente. De acordo com estatísticas divulgadas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o número de mortes de motociclistas no Espírito Santo cresceu 25% entre 2016 e 2018. Foram registrados 350 casos, enquanto nos anos anteriores eram 280. No interior, no mesmo período foram 272 vítimas, representando uma variação de 48%.

Para mudar esta realidade, o Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES), desenvolveu, junto com outras secretarias, o Programa Força Pela Vida, que visa a atuar de forma educativa e fiscalizadora na Grande Vitória.

Desde que o formato foi lançado, em 25 de junho deste ano, foram realizadas duas operações integradas com Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros (Ceturb-ES), Instituto de Pesos e Medidas do Espírito Santo (Ipem-ES).

O programa Força Pela Vida foi lançado em junho deste ano. – Foto: Divulgação / Detran|ES

Para o gerente de Veículos do Detran|ES, Cleber Bongestab, a ação é positiva. “Reunimos as forças dos órgãos envolvidos e mostramos aos capixabas que estamos nas ruas com um trabalho de fiscalização e educação para corrigir os comportamentos no trânsito que ameaçam a vida das pessoas. Também vamos tentar coibir ilícitos que possam comprometer a capacidade de condução dos motoristas e vistoriar a segurança dos veículos que utilizam as vias na Grande Vitória”, afirmou.

As operações contaram com o apoio da Polícia Militar, por meio do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), da Polícia Civil, da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e das Guardas Municipais de Vitória, Vila Velha e Serra.

Ações

A primeira ação foi realizada no dia 05 de junho em seis pontos da Grande Vitória, com foco na Operação Lei Seca, na qual abordaram 330 veículos. Durante a operação, as equipes foram distribuídas em seis pontos de fiscalização em Vitória, Vila Velha e Serra, e realizaram 279 testes de alcoolemia (bafômetro).

Foram lavrados 71 autos de infração de condutores dirigindo sem possuir habilitação ou com o direito de dirigir suspenso. Além disso, 17 veículos foram apreendidos e condutores também foram abordados pela equipe de Educação do Detran|ES com orientações importantes para um trânsito mais seguro para todos.

Já a segunda operação ocorreu na última quinta-feira (18), cujo foco foi em motocicletas e transporte clandestino. O Ipem-ES realizou 125 fiscalizações, resultando em três notificações. Segundo o instituto, baixo número de notificações deve-se ao fato dos condutores estarem atentos ao disposto na legislação, além do aumento do número de fiscalizações.

“Intensificamos as fiscalizações e já promovemos mais de 1.600 notificações em 2019, o dobro do realizado no mesmo período de 2018, o que foi facilitado pela fiscalização remota. Assim, vamos conseguindo conscientizar os motoristas sobre os procedimentos exigidos”, explicou o diretor-técnico do Ipem-ES, Lindomar Gomes.

Acidentes

Os acidentes no trânsito são constantes. E segundo o terapeuta Holístico Master em Programação Neurolinguística, Edson Ramos, o motociclista não é respeitado nesse ambiente. “Em determinados momentos, o motociclista pode ficar no ponto cego do motorista e sabendo disso a atenção precisa ser redobrada”, disse ele.

Ramos disse que um acidente em 11 de setembro de 2009 mudou sua vida completamente. “Estava indo trabalhar pela manhã. Uma caminhonete fez uma mudança brusca de faixa na altura da Avenida Adalberto Simão Nader, e colidiu comigo, me jogando bem longe. Fui parar na outra pista. Esse acidente mudou minha vida em todos os sentidos. Hoje não moro mais em Vitória, minha vida parou. Tive que fazer longo tratamento e quase precisei ter a perna direita amputada. O tratamento foi demorado e delicado. Com isso não pude mais trabalhar. Não recebi assistência do motorista que me atropelou. Estava muito debilitado e a situação foi muito complicada”, relatou.

O técnico em telecomunicações Gustavo Guerini também apontou a falta de atenção dos condutores como um problema. “Eu pilotava no domingo de manhã quando um carro freou de vez na minha frente. Eu logo também freiei, derrapei no asfalto e caí. Machuquei o cotovelo e a perna. Fui socorrido por outro motociclista e um amigo que vinha logo atrás de mim. Já o condutor do veículo não viu nada e seguiu sem prestar assistência”, disse.

Os maiores casos registrados são de acidentes com motos. – Foto: Reprodução

O número de acidentes com ciclistas também cresceu. Em 2018, o Samu registrou 1.467 atendimentos, alta de 5% em relação a 2017. Neste ano, já foram atendidos 869 ciclistas, um média de quatro acidentes por dia.

O diagramador Michel Sabarense, também se acidentou. Ele contou que foi pego de surpresa ao descer uma ladeira de bicicleta. “Um carro trafegava normalmente na minha frente, mas estava distante. Quando olhei para atravessar e ia desviar de um motociclista, esse mesmo carro parou bruscamente na minha frente e eu voei por cima dele”, destacou.

Capacitações

O Detran promete uma ação mais repressiva de fiscalização e anunciou que vai capacitar 150 novos agentes. A formação será oferecida, a partir de agosto, pela Escola de Serviço Público do Estado (Esesp) e pelo Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SEST/Senat), e será exclusivo para servidores efetivos do departamento e terá a duração de dois meses.

Após formados, os agentes estarão aptos a autuar infrações de trânsito e a fiscalizar os credenciados do órgão, como clínicas e Centros de Formação de Condutores (CFCs).

A autorização para início do curso de formação de agentes de trânsito do Detran foi assinada no dia do lançamento do programa. Na ocasião, foram anunciadas e autorizadas uma série de medidas.


Leia mais:

Conteúdo Publicitário