22.9 C
Vitória
domingo, 12 julho, 2020

Um triste diagnóstico sobre assédio no transporte público

Leia Também

Dicas de suplementos para quem busca imunidade, saúde mental e beleza corporal

Nem sempre conseguimos tudo isso sem uma orientação médica e só com a alimentação do dia a dia. Fique atento às dicas de especialistas!

Como usar e higienizar as máscaras caseiras? Atente-se às dicas!

A Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim desenvolveu um protocolo de uso e higienização das máscaras para quem os usa diariamente.

Musical “Tropicalinha” agita Diversão em Cena ArcelorMittal

A live contará a história que se passa no fictício Reino de Pindorama, governado por uma rainha autoritária e que proibia a música.

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Pesquisa aponto um número assustador e preocupante sobre mulheres vítimas de assédio em meios de transportes

Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (18) pelos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva, em parceria com uma empresa de transporte por aplicativo, confirmou que o assédio sexual está presente na maior parte das mulheres brasileiras, ao apontar que 97% dizem já ter sido vítimas de assédio em meios de transporte. Outras 71% conhecem alguma mulher que já sofreu assédio em público.

Para fazer a pesquisa sobre violência contra a mulher no transporte e entender os obstáculos e desafios que as mulheres enfrentam em sua locomoção pelas cidades todos os dias, foram ouvidas 1.081 brasileiras em diversas regiões do país e que utilizaram transporte público e por aplicativo nos três meses anteriores à data do início do estudo, em fevereiro desse ano.

Segundo o levantamento, 72% das entrevistadas dizem que o tempo de locomoção entre a casa e o trabalho influenciam na decisão de aceitar um emprego ou permanecer nele. Ainda assim, 46% das entrevistadas não se sentem confiantes para usar meios de transporte sem sofrer assédio sexual.

A segurança no meio de locomoção é o fator que mais preocupa as mulheres, que relatam situações das mais variadas, passando por olhares insistentes, cantadas indesejadas, comentários de cunho sexual, perseguição e até mesmo passadas de mão ou homens que se esfregam no corpo da mulher se aproveitando da lotação. As citações de assédio no transporte público são mais numerosas do que nas outras alternativas.

De acordo com a pesquisa, uma em cada quatro mulheres (75%) se sentem seguras quando usam transporte por aplicativo, número que passa para 68% entre as que mencionam o uso dos táxis, enquanto 26% se sentem seguras no transporte público. Entre as entrevistadas, 55% consideram que a denúncia dos abusadores é mais fácil no caso dos transportes por aplicativo, sendo esse meio, para 45%, o que dá mais chances de que os assediadores sejam punidos. Para 91% das consultadas, o transporte por aplicativo melhorou sua capacidade de locomoção pela cidade e 94% afirmam que se sentem mais seguras sabendo que, se precisarem, podem chamar um transporte desse tipo para voltar para casa.

Para a diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo, é importante não apenas aplicar leis que criminalizem o assédio sexual no transporte. “É preciso também desenvolver políticas e mecanismos para prevenção, para garantir que as brasileiras possam se sentir seguras ao exercerem seu direito de ir e vir, garantindo também seu direito a uma vida sem violência. Para as mulheres que em sua maioria estudam e trabalham fora de casa, a segurança no deslocamento é uma questão essencial”.

Segundo a diretora de pesquisa do Instituto Locomotiva, Maíra Saruê Machado, o estudo aponta que as mulheres não têm segurança para se locomover pelas cidades. “Elas são assediadas, seja nas ruas ou nos meios de transporte, quando saem para trabalhar, levar as crianças para a escola, se divertir. Para que as mulheres tenham mais autonomia, precisamos de políticas de combate à violência que incluam o olhar para esses deslocamentos”.

*Da redação com informação da Agência Brasil


LEIA TAMBÉM
Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

ArcelorMittal Tubarão religará o segundo alto-forno neste mês

O equipamento, com capacidade para produção de 1,2 milhão de toneladas de ferro gusa/ano, estava paralisado desde o ano passado, quando passou por uma ampla reforma de manutenção.

Vida Capixaba

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia Por Letícia Vieira Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia:...

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Tempo instável neste fim de semana no ES. Confira a previsão!

Uma frente fria se afasta lentamente em direção ao norte do Espírito Santo, mas o tempo permanece com muitas nuvens e poucas aberturas de sol na maior parte do Estado.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...
Continua após publicidade