21 C
Vitória
terça-feira, 7 dezembro, 2021

Coronavírus: Japão orienta população sobre a doença

Força-tarefa japonesa alerta aos pacientes com a doença a ficarem em suas residências

Após um surto nacional do novo coronavírus (Covid-19), o governo do Japão orientou a população que contraiu a doença e estão em estado leve a se recuperarem em suas residências a fim de dar lugar aos pacientes em estado grave a se recuperarem em hospitais locais.

Nesta terça-feira (25), uma força-tarefa se reuniu no gabinete do primeiro-ministro japonês e informou que, no momento, foram registrados casos esporádicos de pacientes em diversas áreas do Japão nos quais a rota de infecção é desconhecida. Também mencionou que existem pequenos focos de infecção em algumas áreas.

Desta forma, a equipe orientou a população que sentir algum sintoma, como febre alta ou outros sintomas de resfriado, a não irem ao trabalho ou escola, além de estimular que as empresas adotem regime de trabalho remoto.

Os eventos nas cidades também devem ser avaliados pelas equipes organizadoras. Caso não haja relevância, eles poderão ser cancelados.

Além disso, centros médicos não especializados no tratamento de doenças infecciosas serão direcionados a aceitarem pacientes após implementarem um sistema de horas e zonas de circulação separadas.

Casos

Na China, país onde começou o surto do novo coronavírus, as autoridades de saúde informaram que outras 71 pessoas morreram na segunda-feira (21) em decorrência de infecção causada pela doença, elevando o número total de mortes para 2.663.

No Irão também foram registradas vítimas do vírus. O governo iraniano anunciou que 16 pessoas morreram no país. Uma delas foi confirmada na cidade de Saveh, cerca de 100km a sudoeste de Teerã. O vice-ministro da Saúde do país, Iraj Harirchi, também foi diagnosticado com a doença.

O Líbano confirmou seu primeiro caso do novo coronavírus na última sexta-feira (21), uma mulher de 45 anos que chegou ao país vinda do Irã.

Nas Ilhas Canárias, um arquipélago espanhol perto da costa da África, um hotel na ilha de Tenerife foi colocado em quarentena após um médico italiano que estava hospedado foi diagnosticado com o novo coronavírus.

E o coronavírus chegou aos Estados Unidos. Quatorze pessoas foram infectadas, o que fez o presidente Donald Trump pedir ao Congresso US$ 2,5 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões) para preparar com o desenvolvimento de vacinas, tratamentos e equipamentos.

Espírito Santo

Com o aumento do número de casos do novo coronavírus em países da Ásia, a Secretaria da Saúde (Sesa), conforme orientações do Ministério da Saúde, realizou mudanças no protocolo de investigação de casos de suspeita de infecção pelo chamado Covid-19. Até então, a definição incluía apenas os casos de pacientes que apresentavam febre e outros sintomas respiratórios, além de histórico de viagens à China ou contato próximo com alguém que tivesse estado naquele país, 14 dias antes do início dos sintomas.

No período do carnaval, onde há mais contatos físicos e infecções por doenças, o Ministério começou a enquadrar pessoas que viajaram a outros sete países: Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Singapura, Camboja, Vietnã e Tailândia, na área de risco.

Segundo o coordenador do Centro de Operações Estratégicas (COE) da Sesa, Luiz Carlos Reblin, o Espírito Santo ainda não registrou nenhum caso suspeito do novo coronavírus. Ele destacou que a partir da comunicação pelo Ministério da Saúde, todo o sistema de saúde do Estado (público, filantrópico e privado) já foi comunicado sobre a alteração no protocolo e já devem aderir à mudança.

*Da redação, com informações da Agência Brasil, G1 e Sesa.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade