27.7 C
Vitória
terça-feira, 16 abril, 2024

Condomínio leiteiro lança nova modalidade de agro no ES

O primeiro condomínio leiteiro do Estado conta com 330 vacas em lactação e a participação de 47 produtores de leite

Por Amanda Amaral

Sooretama, no Norte do Estado, agora conta com um condomínio leiteiro. É o primeiro do Espírito Santo e já está em funcionamento. O modelo de negócio proporciona ganhos de produtividade e eficiência através do aumento de escala.

- Continua após a publicidade -

Com isso, é possível dividir o espaço e diminuir os custos de produção. O condomínio leiteiro foi inaugurado no início de setembro, mês em que a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), que tem mais de 18 mil cooperados e é responsável pelo empreendimento, comemorou 58 anos de criação.

Condomínio leiteiro

O rebanho Girolando é monitorado digitalmente por meio de um chip e composto por 330 vacas em lactação. No módulo de estreia, participam 47 cotistas de 14 diferentes municípios do Estado. Os produtores terão retornos equivalentes à participação e os custos de operação (mão de obra, nutrição, sanidade animal, uso da infraestrutura, outros) serão rateados de forma proporcional a cota adquirida.

Condomínio leiteiro lança nova modalidade de agro no ES
O condomínio leiteiro foi inaugurado há cerca de um mês. Foto: Divulgação/Coopeavi

Situado na localidade de Córrego do Chumbado, o empreendimento ocupa uma área de 54 hectares, com pastejo irrigado no sistema de pivô central na maior parte do terreno. A unidade conta ainda com moderna sala de ordenha e toda infraestrutura necessária para realizar as melhores práticas junto ao rebanho.

O gerente executivo de Produção da Coopeavi, Luis Carlos Brandt, explica que o condomínio leiteiro foca nas melhores práticas de manejo para alcançar os máximos resultados técnicos e econômicos, fornecendo informações precisas e confiáveis aos cooperados cotistas, como já ocorre com o condomínio avícola.

Cadeia estruturada

Muitos dos cotistas participantes do primeiro módulo não têm a cadeia de pecuária leiteira estruturada faltando, principalmente, a viabilidade para captação e processamento do leite produzido.

Além do leite produzido e da remuneração mensal proporcional às cotas, os animais que nascerem ou forem desligados do sistema, eventualmente vendidos para outros produtores, vão gerar receita para os participantes, segundo a Coopeavi.

“Esses fatores inviabilizavam, até então, o investimento desses produtores no segmento. No modelo da cooperativa, o leite é produzido onde a cadeia de suporte já existe, com a participação dos produtores de outras regiões do Espírito Santo, ampliando, assim, a produção geral do Estado de forma viável”, avalia o presidente da Coopeavi, Denilson Potratz.

Investimento sustentável

Condomínio leiteiro lança nova modalidade de agro no ES
O presidente da Coopeavi, Denilson Potratz, ressalta a importância de uma cadeia de suporte para o produtor. Foto: Divulgação/Coopeavi

O modelo de negócio do condomínio leiteiro permite aumentar a escala de produção sem imobilização em terras ou outras estruturas diretamente pelo produtor, proporcionando um investimento sustentável ao cooperado, de acordo com a Coopeavi.

Além de diversificar a atividade econômica, por meio de uma estrutura profissionalizada para produção de leite, o condomínio permite aumento da renda e conveniência, e dessa forma contribui com a melhoria da qualidade de vida da família cooperada. Esse conforto do investimento é o motivo que levou o cooperado Walter Francisco Delai, produtor de café em Santa Maria de Jetibá e Itarana, a participar do condomínio leiteiro.

Segundo curral

“Já faço parte do condomínio avícola, e o novo empreendimento da Coopeavi é muito importante porque dá oportunidade aos associados de diversificarem sua produção. É uma maneira de investir em área específica do agronegócio com recurso menor e sem preocupar com demanda de pessoal para trabalhar”, diz.

O cooperado Daniel Pagung, produtor de leite de Vila Pavão, compartilha da mesma ideia.“Agora, passo a ter um segundo curral, mas sem a dor de cabeça e a preocupação com a rotina que a atividade exige”, avalia.

Pagung afirma que pretende adquirir novas cotas do Condomínio Leiteiro à medida em que a Coopeavi abrir editais de participação. “O projeto atendeu minhas expectativas com tecnologia e produção de alimento para as vacas por sistema de pivô central”.

Com informações da Coopeavi. 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA