21.8 C
Vitória
domingo, 27 setembro, 2020

Agenda econômica e o futuro do ministro Guedes

Mais Artigos

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus

Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas

Economia brasileira: vítima dos personalismos de governo

É lamentável ter que testemunhar episódios como o da criação do TRF-6 Por Arilda Teixeira Aqueles que acreditam que a combinação de república democrática com economia...

Congresso Nacional

O que se observa hoje é que o tempo político, a necessidade de continuidade de posições políticas eleitoreiras de vários membros do Congresso e até da presidência da república

Cuidado com a imagem da sua empresa!

Uma organização, pequena ou grande, está baseada primordialmente naquilo que é o seu objetivo

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A chegada da pandemia tornou necessária uma maior presença do Estado na vida nacional

Por André Pereira César

“Se me perguntarem se houve uma debandada hoje, houve”. A frase do ministro da Economia, Paulo Guedes, sintetiza o difícil momento vivido por sua pasta. Ele perdeu, de uma só vez, dois importantes colaboradores, responsáveis pela formulação e implementação de políticas fundamentais para o país. Afinal, para onde vai a (esvaziada) agenda liberal?

Apenas para relembrar, a “debandada” teve início já há algum tempo. A saída do então secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, um dos homens fortes da equipe econômica, foi o primeiro movimento. A seguir, anunciaram desligamento do governo o presidente do Banco do Brasil, Rubens Novaes – que saiu “batendo” – , e o diretor de programas da secretaria de Fazenda do ministério da Economia, Caio Megale. Três perdas expressivas.

Agora, as saídas simultâneas do secretário de Desestatização, Salim Mattar, e do secretário de Gestão, Paulo Uebel, deixam o governo ainda mais manco. Liberais de carteirinha, eles eram respectivamente os responsáveis pelo programa de privatização de estatais e pela reforma administrativa – duas questões centrais na cartilha do ministro Guedes. Saem, também, com declarações muito fortes acerca da falta de empenho do establishment no avanço da desburocratização e privatização.

Cabe ressaltar que o apoio do mercado e de parcela expressiva da opinião pública a Jair Bolsonaro, ainda durante a campanha eleitoral de 2018, se deu em larga medida em função de dois pontos – a perspectiva real de se derrotar o petismo e a pauta liberal de Guedes.

Esse último quesito era baseado em quatro pilares – reforma da Previdência, reforma tributária, reforma administrativa e privatizações. Dessas, apenas a reforma da Previdência foi aprovada basicamente, apesar do governo, devido à ação do Congresso Nacional, e a tributária – por iniciativa do Parlamento – segue em discussão, mas ainda longe de uma definição. O restante não registrou avanços.

No caso da reforma administrativa, Bolsonaro praticamente desistiu de enviar a proposta ao Congresso temendo um confronto direto com setores do funcionalismo, articulados e poderosos. Já a agenda de privatizações igualmente enfrenta resistência de grupos contrários à venda de estatais, também poderosos. Aqui, é importante frisar que o próprio presidente da República, com seu perfil nacional-desenvolvimentista (atestado por sua atuação parlamentar), nunca se empenhou pelo sucesso dessa agenda.

Por fim, a chegada da pandemia tornou necessária uma maior presença do Estado na vida nacional, esvaziando consequentemente o discurso privatista; a entrada, no governo, do Centrão – bloco que não tem grandes afinidades ideológicas com o liberalismo – torna ainda mais distante a execução plena da agenda de Guedes; e um grupo de ministros busca brechas para “furar” a regra do teto de gastos, medida fundamental para o controle das contas públicas. Em um ano e meio de gestão Bolsonaro, o jogo mudou de maneira radical.

Assim, não espanta que, para evitar o pedido de demissão de Guedes em meio ao turbilhão, o presidente Jair Bolsonaro decidiu, ao menos por ora, sair em defesa do teto de gastos.

Bolsonaro não está sozinho na defesa da manutenção do teto. Ele conta com o apoio dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM/AP).

A questão que se coloca aqui é outra – até quando o titular do Planalto manterá esse posicionamento? O motivo para tal questionamento é claro. Bolsonaro já vestiu (com bastante antecedência, diga-se) o uniforme de candidato à reeleição, e isso inevitavelmente tem custos. É difícil uma conciliação mínima entre rigor fiscal e uma campanha eleitoral antecipada, ainda mais em um país de dimensões continentais como o Brasil.

Entre as decisões de curto prazo está o adiamento do lançamento do Pró-Brasil, de setembro para algum momento de 2021. O programa, queridinho dos ministros militares, expande significativamente os gastos públicos, indo na contramão da cartilha de Guedes.

O Planalto também reconfigurou sua articulação política, visando um melhor diálogo com o Congresso Nacional. O experiente deputado Ricardo Barros (PP/PR) é o novo líder do governo na Câmara, em substituição ao apagado Major Vitor Hugo (PSL/GO). Em tese, o ministro da Economia terá um canal de negociação mais eficiente com os parlamentares.

Enfim, ao menos no curtíssimo prazo, o conflito dentro do governo está contido. No entanto, a questão é complexa e, no limite, sem solução. O presidente Bolsonaro está longe de ser um fiscalista convicto, como bem mostra seu histórico na Câmara. Em algum momento, ele voltará a defender o afrouxamento das regras do teto de gastos – e o ministro Guedes se verá definitivamente impossibilitado de seguir à frente da pasta.

André Pereira César é Cientista Político e sócio da Hold Assessoria Legislativa

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Agências da Caixa não abrem neste sábado

Diferentemente das últimas três semanas, as agências da Caixa Econômica Federal não abrirão neste sábado (26) para saques do auxílio emergencial e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Economia: pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Broadcast

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

O 3º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado hoje (22), em Brasília, pela Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), foi estimado em 61,6 milhões...

Vida Capixaba

Cirurgia inédita no Estado para tratar tumores de pulmão

O procedimento é inovador! Chamado de lobectomia uniportal por vídeo, o procedimento será realizado no dia 26 de setembro. 

Farol Santa Luzia e Igreja do Rosário são reabertos com novas regras de visitação

A reabertura dos pontos turísticos capixabas acontece aos poucos e na última quarta feira (23) mais dois, localizados em Vila Velha, reabriram para visitação depois de ficarem fechados por meses, em consequência da pandemia do novo Coronavírus.

Difícil controlar o estresse na pandemia?

Na semana em que se comemora o dia Dia Mundial de Combate ao Estresse (23) resultados de estudos comprovam que nos últimos seis meses, devido à pandemia do COVID, a demanda por medicamentos para estresse, depressão e insônia, aumentou.

Terminam hoje inscrições para II Encontro Capixaba de Pesquisa em Educação Ambiental

Voltado para estudantes, pesquisadores, professores e demais educadores ambientais, o encontro será realizado de quarta-feira (23) a sexta-feira (25) de forma virtual devido às medidas de prevenção ao novo Coronavírus (Covid-19).