21.8 C
Vitória
segunda-feira, 18 janeiro, 2021

Maior preocupação da área econômica hoje é a votação da LDO, diz Mourão

“Sem o Congresso se reunir para debater dois temas complicados como é a reforma tributária e a reforma administrativa”, disse Mourão

Por Emilly Behnke (AE)

Com o orçamento de 2021 e as reformas ainda travados no Congresso, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça, 24, que a “maior preocupação” da área econômica do governo é a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) ainda este ano. Segundo ele, a equipe econômica aposta no avanço das reformas e espera a aprovação da LDO para permitir um orçamento mínimo para o ano que vem.

“Hoje eu acho que a maior preocupação da área econômica do governo é a questão da votação da LDO, a Lei de Diretrizes Orçamentárias; (é votar) pelo menos a LDO para que a partir de janeiro o governo não fique parado, senão não pode gastar nada”, disse Mourão na chega à Vice-Presidência nesta terça-feira.

A LDO define as regras para os gastos federais. Caso não seja votada até o fim do ano, o governo entra em um cenário de “shutdown” e pode ficar sem autorização para pagar despesas essenciais, como salários e aposentadorias, no início de 2021. Além disso, se não for apreciada até 22 de dezembro, não haverá recesso legislativo. “Se votar a LDO pelo menos um doze avos (do orçamento) pode ser gasto (pelo governo)”, acrescentou Mourão.

O orçamento segue travado no parlamento diante do impasse quanto à Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso, que ainda não foi instalada. A presidência do colegiado é disputada pelo deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), aliado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e pela deputada Flávia Arruda (PL-DF), do grupo de Arthur Lira (PL-AL).

A disputa tem como pano de fundo a sucessão da presidência da Câmara, já que o controle da CMO pode garantir mais votos na eleição. Como o Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrou, por conta do impasse, o Congresso deve levar a votação da LDO diretamente ao plenário, sem passar antes pela CMO. Uma vez aprovada, o governo teria uma autorização mínima para executar os gastos a partir de janeiro. A Lei Orçamentária Anual (LOA) ficaria para o próximo ano.

Também ficam para o ano que vem as reformas estruturantes prometidas pelo governo, segundo Mourão. Para o vice-presidente, as reformas tributária e administrativa são temas “complicados” que foram afetados pelos trabalhos remotos do Congresso, impedido de se reunir presencialmente por conta da pandemia da covid-19.

“Sem o Congresso se reunir para debater dois temas complicados como é a reforma tributária e a reforma administrativa não é simples (o avanço da pauta econômica)”, disse. “A visão da área econômica do governo e a própria declaração do ministro Paulo Guedes ontem, se não me engano, deixa claro que a gente considera que 2021 é o ano para ter que avançar essas reformas”, afirmou Mourão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Juíza federal dá 24h para União e AM apresentarem plano para oxigênio

Os órgãos pedem uma liminar urgente para obrigar os governos federal e estadual a agirem para resolver a situação de desabastecimento de oxigênio

Cresce pressão por impeachment de Bolsonaro

circula nas redes e em aplicativos de mensagens uma convocação de opositores do governo para um "panelaço" nesta noite às 20h30

PT vai ao STF para pedir atuação do governo federal na crise de Manaus

O estoque de oxigênio se esgotou em diversos hospitais e pacientes morreram por asfixia, segundo relato de médicos

Bolsonaro evita falar sobre permanência de presidente do BB

o comunicado foi considerado inoportuno no momento em que o Executivo negocia apoio com parlamentares em troca de aliados

Pazuello diz que vacinação deve começar em 20 de janeiro

O ministro disse aos prefeitos que as doses da vacina de Oxford/AstraZeneca devem chegar aos Estados na segunda-feira, 18

Prefeitos reúnem-se com Pazuello para discutir vacinação

Apesar de não ter batido o martelo sobre uma data para o início da vacinação no País, na melhor hipótese, começa em 20 de janeiro

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz

2ª onda não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

Vida Capixaba

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro

Vai um queijinho aí?

O município de Ibitirama ganhou sua primeira agroindústria, o negócio é uma queijaria e foi o primeiro estabelecimento de 2021

Aquaviário: Transporte parece mais perto!

Serão quatro estações em três cidades, duas em Vitória, uma em Vila Velha e outra em Cariacica

Edição Especial dos Cafés Campeões

Produtores foram homenageados pela Cooperativa Cooabriel
Continua após publicidade