24.9 C
Vitória
domingo, 14 abril, 2024

PM mantém policiamento nas refinarias do País, mas sem eventos graves registrados

Na Petrobras o clima também era de normalidade nas refinarias, segundo fontes, e uma nota oficial deve ser divulgada ainda pela manhã

O policiamento na porta das refinarias da Petrobras pelo País continua e, até a manhã desta terça-feira, 10, nenhum conflito grave foi registrado. Apenas pequenos grupos de aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que estavam reunidos próximos a algumas unidades tiveram que ser removidos, mas sem violência.

Na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro, que sofreu ameaças diretas de grupos bolsonaristas na segunda-feira, 9, um dia depois dos atos extremistas que depredaram os prédios dos Três Poderes, em Brasília, o policiamento continua na porta da unidade, segundo a Polícia Militar.

- Continua após a publicidade -

“A Polícia Militar informa que o comando do 15ºBPM (Duque de Caxias) direcionou reforço para o policiamento na região da Reduc, no município de Duque de Caxias, com o apoio do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq). A Polícia Militar está atenta a todo tipo de movimentação no Estado do Rio de Janeiro”, disse a PM em nota nesta manhã, repetindo a enviada na véspera.

Na Petrobras o clima também era de normalidade, segundo fontes, e uma nota oficial deve ser divulgada ainda na manhã desta terça (10). As ameaças de invasão nas refinarias, depois do vandalismo dos extremistas no domingo, tinham por objetivo tentar impedir a saída de caminhões com combustíveis, seguindo a teoria de que sem combustível o Brasil iria parar.

Os extremistas não aceitam o resultado das eleições presidenciais do ano passado, que deram a vitória ao atual presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA