24.6 C
Vitória
quarta-feira, 3 junho, 2020

O “trilema” da política monetária

Leia Também

Convênio entre Estado e filantrópicos reforça leitos no Sul do ES

A entrega dos leitos começou na segunda-feira (1º), em Cachoeiro de Itapemirim. O prefeito do município, Victor Coelho, acompanhado de equipe da Secretaria Municipal de Saúde, recebeu dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Prazo de pagamento da taxa do Enem é prorrogado

Segundo o Inep, mais de 5,7 milhões de pessoas já tiveram suas inscrições confirmadas. E a expectativa é que 300 mil inscritos paguem a taxa de inscrição do exame.

Venda de veículos novos sobe 11,6% em maio ante abril, diz Fenabrave

Em maio, segundo mês de concessionárias fechadas em vários Estados, as vendas somaram 62,2 mil unidades, alta de 11,6% em relação a abril.

Estado tem mais de 15 mil infectados pela Covid-19

Chegou a 15.151 o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Espírito Santo, segundo o “Painel Covid”.

Os movimentos da economia que envolvem a moeda sempre suscitam muito alvoroço

O vivenciado na semana passada foi mais um.

O Copom manteve a taxa de juros básica em 6,5%. Paralelamente, houve um movimento de alta da taxa de câmbio.

Sob o prisma das condições necessárias e suficientes para o cumprimento da meta, a decisão do Copom foi apenas necessária.  Mas não há motivos para alvoroços.

É função da Autoridade Monetária (AM) prover, confiança, liquidez, e mecanismos para ajustes.  Neste momento, a economia brasileira precisa, sobretudo, de confiança.

A resposta do Copom foi para garanti-la pois, enquanto a solução para o endêmico desequilíbrio fiscal não estiver encaminhada as expectativas de inflação serão voláteis.

Enquanto houver volatilidade, maior a necessidade de se ter um comprometimento inequívoco para com a estabilidade.

E neste momento há uma ameaça do setor externo sobre a política monetária. Está em curso a retomada, para níveis mais altos, das taxas de juros básicas das economias desenvolvidas, puxada pelos EUA. Esse movimento reduz a atratividade do mercado brasileiro para o capital financeiro, aumenta a saída desse capital, que pressiona a taxa de câmbio para cima.

Aumento de taxa de câmbio pode se transformar em um choque inflacionário, que a AM não tem como impedi-lo – no máximo, atenuá-lo – porque o regime de câmbio é flutuante.

Na realidade, a AM está enfrentando o “trilema” de política monetária dos países que têm livre mobilidade de capital, regime de câmbio flutuante, e regime de metas para inflação.

Nesses casos, para a AM cumprir sua meta de inflação tem que enfrentar a volatilidade do movimento de capitais e/ou  do mercado cambial. E vice-versa.

É como estar embaixo de um cobertor curto. Se cobrir a cabeça, descobre o pé.

O cenário externo não recomenda uma redução da taxa de juros, neste momento.

A perspectiva de aumento das taxas básicas de juros dos países desenvolvidos está atraindo capital para esses mercados. Neste momento, outra queda da taxa do Selic reduziria a diferença entre os juros internos e os externos, e a atratividade do mercado brasileiro para aplicações do capital estrangeiro.  Adicionalmente, estimularia a saída de capital, que por sua vez, aumentaria a demanda por moeda estrangeira, repercutindo em aumento da taxa de câmbio.

Estando as expectativas de inflação sob controle, segurar a taxa de juros atenua a diferença entre as taxas interna e externa e com isso, a saída de capital e  a pressão de alta sobre a taxa de câmbio.

Ou seja, quando o contexto é esse, a AM precisa saber quando deve cobrir a cabeça e quando deve cobrir o pé.

A atitude do Copom passou essa mensagem.  Cioso de sua responsabilidade e dos impactos de suas decisões, fez as escolhas que lhe permitiram priorizar a estabilidade e mitigar os riscos. Resguardou a confiança, garantiu a liquidez, e os mecanismos de ajuste para o mercado.

Sua decisão foi a forma de enfrentar os riscos iminentes garantindo o cumprimento da meta de inflação para 2018 e 2019. Resposta acertada, coerente e transparente.


Arilda Teixeira é economista e professora da Fucape


Leia mais
China e EUA: quando o macaco esconde o rabo para falar do rabo do outro

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_176
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção industrial cai 18,8%

A produção industrial caiu 18,8% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Venda de veículos novos sobe 11,6% em maio ante abril, diz Fenabrave

Em maio, segundo mês de concessionárias fechadas em vários Estados, as vendas somaram 62,2 mil unidades, alta de 11,6% em relação a abril.

Cooabriel inaugura unidade em Montanha

O objetivo da nova unidade é atender às grandes solicitações de sócios e produtores, além de expandir a cultura do café conilon na região.

Governo publica MP que pode destravar crédito às pequenas e médias empresas

Os bancos já emprestaram mais de R$ 900 bilhões em recursos novos, renovações e suspensão de parcelas de empréstimos.

Vida Capixaba

Viana contará com Guarda Municipal armada

Ao todo, 29 agentes estão sendo treinados para realizar o combate à criminalidade, na segurança do patrimônio público, e a organização do trânsito, conforme explicou o prefeito Gilson Daniel.

Novas regras adotadas para o comércio a partir desta segunda-feira (1º)

As novas regras para galerias, centros comerciais, academia, shoppings e restaurantes de Vila Velha foram publicadas no Diário Oficial do município desse domingo (31).

Lugar de homem é na cozinha

A arte de combinar ingredientes e temperos tem atraído mais e mais homens Em restaurantes ou em ambientes domésticos, é cada vez mais comum ver...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda (1º)

De acordo com a secretária de Estado de Gestão e Recursos Humanos, Lenise Loureiro, a decisão foi tomada durante uma reunião da Sala de Situação de Emergência em Saúde Pública do Estado, realizada hoje. 
Continua após publicidade