23.6 C
Vitória
quinta-feira, 2 julho, 2020

Não é “mi mi mi”

Leia Também

Hoje é o último dia para pedir o auxílio emergencial

Prazo para novos cadastros termina nesta quinta às 23h59. Saiba mais! Para quem ainda não se cadastrou a fim de receber o auxílio emergencial de R$...

MEC define protocolo de segurança para volta às aulas

Cronograma das atividades deve ser orientado pelo governo local. Saiba mais! O Ministério da Educação (MEC) definiu um protocolo de biossegurança para a retomada gradual...

Brasil chega a 60 mil mortes por covid-19

O país soma 1.488.753 casos acumulados da doença. Saiba mais! Até o momento, 60.632 pessoas morreram em decorrência da pandemia do novo coronavírus no Brasil,...

Depois de dois meses em queda, produção industrial cresce 7% em maio

Alta é a maior desde junho de 2018 (12,9%), diz IBGE. Confira! A produção industrial brasileira avançou 7% na passagem de abril para maio deste...

Conta aí: a cada duas horas, uma mulher é vítima de assassinato no Brasil. Ou seja, se são 16 horas agora, oito já foram mortas. São 12, todos os dias.

Todos os dias, uma dúzia de mulheres são assassinadas brutalmente. Muitas delas são atacadas por um marido, namorado, parceiro ou ex. Um homem que não aceita qualquer gesto que lhe pareça insubmissão. Assassinadas, em boa parte das vezes, por esboçarem alguma reação à opressão masculina.

Tatiane Spitzner, a advogada, foi mais uma que perdemos. Ela gritou, pediu ajuda. Mas era briga de marido e mulher, né… E é assim, com ninguém metendo a colher, que esse tipo de tragédia se desenha. Luiz Felipe, seu marido, o professor de Biologia “fortão”, é mais um desses que se acham no direito de agredir e tirar a vida de uma mulher. Não foi anabolizante, gente. Não foi doença mental, não foi momento de descontrole. Foi violência bárbara contra a mulher. Crime.

Alguns vão dizer, de certa forma culpabilizando a vítima: mas por que não se separou antes? Então, lembra da médica capixaba? Ela se separou, ele não aceitou. Foi assassinada covardemente, ao sair de mais um dia de trabalho, sem chance de defesa. Não pôde sequer tentar uma nova vida, longe de seu algoz.

A separação, em vários casos, apenas aumenta o ódio e a violência. Porque esse tipo de homem se acha dono, sabe? Não aceita perder. Não é uma relação simples de se desfazer. É complexa.

Julgamentos simplistas não cabem aqui. O que se chama de feminicídio é o ápice do machismo brutal que ainda encontra espaço nas entranhas da sociedade. Muitos homens o perpetuam e algumas mulheres também contribuem. E não se pode esquecer das outras violências todas a que a mulher, muitas vezes veladamente, é submetida no dia a dia: não somente as físicas, mas as emocionais e simbólicas.

Às vezes, está lá, sorrindo nas redes sociais. Mas as dores que carrega, vítima desse comportamento masculino destrutivo e opressor, só ela sabe.


Leia mais

Julgar menos

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

esbrasil_177
Continua após publicidade

Fique por dentro

Confiança do empresário sobe em junho pelo segundo mês, diz FGV

Índice atingiu 80,4 pontos em escala de zero a 200 pontos. Saiba mais! O Índice de Confiança Empresarial (ICE) medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV)...

Intenção de consumo das famílias tem maior queda em dez anos, diz CNC

Em comparação a junho do ano passado a queda é de 24,1%. Confira! A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do...

Cinco passos para conquistar prosperidade

As pessoas só querem prosperidade ou estão trabalhando para serem prósperos?

Cliente adota a compra pelos canais digitais

A Mercedes-Benz estreou no dia 8 deste mês sua loja no Instagram. Saiba mais! Por Hairton Ponciano (AE) Aos poucos, as concessionárias vão reabrindo as portas...

Vida Capixaba

O clássico tricot retorna à moda com o inverno

Desde que caiu na graça das fashionistas, o tricot ganhou recortes e estampas mais atuais e se consolidou como a peça chave dos looks de inverno nos últimos anos.

Cinema drive-in será aberto a partir desta quinta (02), em Vitória

Tendência nos anos 1960, o Circuito Cine Drive-In, será realizado em um espaço montado no estacionamento da Faculdade Estácio de Sá, em Jardim Camburi, Vitória.

População poderá opinar sobre projeto arquitetônico em Vila Velha

Estão previstas a construção de um centro de apoio aos visitantes com lojas, sede administrativa, salão, banheiros, depósitos, playground, estacionamento, entre outras melhorias.

Raul Seixas será próxima atração do Diversão em Cena

O espetáculo “Raulzito Beleza: Raul Seixas para Crianças” será apresentado neste domingo (28), às 16 horas, nas mídias sociais do projeto.
Continua após publicidade