29 C
Vitória
domingo, 24 janeiro, 2021

NATACHE
BARROS

Não é “mi mi mi”

Leia Também

O mercado do disco de vinil aquece na pandemia

O tamanho dos discos de vinil nos possibilita ver melhor os detalhes das suas capas e dos lindos encartes

Quando um pouco de solidariedade faz muita diferença

Num país com tantas desigualdades sociais, contribuir para a manutenção e a sobrevivência de projetos e ações que, no dia a dia, auxiliam pessoas com maior vulnerabilidade tornou-se indispensável

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

Conta aí: a cada duas horas, uma mulher é vítima de assassinato no Brasil. Ou seja, se são 16 horas agora, oito já foram mortas. São 12, todos os dias.

Todos os dias, uma dúzia de mulheres são assassinadas brutalmente. Muitas delas são atacadas por um marido, namorado, parceiro ou ex. Um homem que não aceita qualquer gesto que lhe pareça insubmissão. Assassinadas, em boa parte das vezes, por esboçarem alguma reação à opressão masculina.

Tatiane Spitzner, a advogada, foi mais uma que perdemos. Ela gritou, pediu ajuda. Mas era briga de marido e mulher, né… E é assim, com ninguém metendo a colher, que esse tipo de tragédia se desenha. Luiz Felipe, seu marido, o professor de Biologia “fortão”, é mais um desses que se acham no direito de agredir e tirar a vida de uma mulher. Não foi anabolizante, gente. Não foi doença mental, não foi momento de descontrole. Foi violência bárbara contra a mulher. Crime.

Alguns vão dizer, de certa forma culpabilizando a vítima: mas por que não se separou antes? Então, lembra da médica capixaba? Ela se separou, ele não aceitou. Foi assassinada covardemente, ao sair de mais um dia de trabalho, sem chance de defesa. Não pôde sequer tentar uma nova vida, longe de seu algoz.

A separação, em vários casos, apenas aumenta o ódio e a violência. Porque esse tipo de homem se acha dono, sabe? Não aceita perder. Não é uma relação simples de se desfazer. É complexa.

Julgamentos simplistas não cabem aqui. O que se chama de feminicídio é o ápice do machismo brutal que ainda encontra espaço nas entranhas da sociedade. Muitos homens o perpetuam e algumas mulheres também contribuem. E não se pode esquecer das outras violências todas a que a mulher, muitas vezes veladamente, é submetida no dia a dia: não somente as físicas, mas as emocionais e simbólicas.

Às vezes, está lá, sorrindo nas redes sociais. Mas as dores que carrega, vítima desse comportamento masculino destrutivo e opressor, só ela sabe.


Leia mais

Julgar menos

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Mais Essas Mulheres

Crônica de um amor sem fim…

Estávamos nós duas, mãe e filha, naquele quarto de hospital, sozinhas. Era fim de tarde de um domingo. Começo do mês de agosto, alguns...

“Vivemos tempos líquidos. Nada é pra durar” (Bauman, Z.)

Se todo início de ano é o momento propício para refletir sobre a vida, sobre os últimos 12 meses, sobre as promessas, sobre o...

Mulheres

Mulheres costumam ser alvo fácil de críticas porque somos muito exigidas Assim é na vida, de maneira geral. Por mais que a gente tente acertar, parece...

Blogs e colunas

Carros ideais para viajar

Chegamos na época ideal para viajar com a família e aproveitar as tecnologias que os veículos oferecem para pegar a estrada Para garantir o conforto...

A Ford fez história

O movimento anunciado pela Ford do Brasil faz parte de uma reestruturação global que vem sendo implementada desde 2018

GM muda logo e promete lançar 30 elétricos até 2025

A GM está investindo US$ 27 bilhões (mais de R$ 148 bilhões, na conversão direta) nesta espécie de recomeço para a empresa