25.5 C
Vitória
sábado, 18 maio, 2024

Musical ‘A Vedete do Brasil’ resgata legado de Virgínia Lane

Montagem retrata pioneirismo, empoderamento e luta contra os preconceitos da atriz, com sessões no sábado (18) e domingo (19), no Teatro da Ufes

Por Mariah Friedrich

Em comemoração ao centenário de Virgínia Lane, atriz pioneira que se tornou um dos maiores ícones do teatro de revista do país nas décadas de 1940 e 1950, a peça “A Vedete do Brasil – Um Musical Brasileiro” percorre diversas cidades e chega pela primeira vez a Vitória neste fim de semana, com sessões no sábado (18), às 20h, e domingo (19), às 17h, no Teatro da Ufes. Os ingressos custam a partir de R$ 19,80 (meia), na Sympla

- Continua após a publicidade -

Estrelado por Suely Franco, Flávia Monteiro e Bela Quadros, a montagem dirigida por  Claudia Netto (que estreia na função) e o premiado Alfredo Del-Penho (na direção musical) apresenta o legado da artista em uma trama que se desenrola a partir dos momentos finais da vida de Virgínia, onde ela e sua filha aguardam um amigo para a ceia de Natal, desencadeando uma jornada através de suas memórias. 

Em cena, Suely Franco interpreta Virgínia madura e Flávia Monteiro vive a filha Marta, enquanto Bela Quadros é responsável por dar vida à Virgínia no auge de sua juventude. A comédia musical pretende mostrar a mulher que estava por trás de tantas plumas, paetês, polêmicas e lantejoulas, reconhecida com o título de “A Vedete do Brasil” por Getúlio Vargas, com quem afirmou ter mantido um relacionamento por mais de dez anos.

Musical 'A Vedete do Brasil' resgata legado de Virgínia Lane
Virgínia Lane (1920-2014) foi uma artista que marcou época e enfrentou preconceitos – Foto: Divulgação

Os números musicais intercalam e formam um elo entre as lembranças e o presente, na casa em que Virgínia viveu até o final da vida em Piraí (RJ). 

Acompanhadas por três músicos, que também fazem algumas intervenções em cena, as atrizes cantam canções como ‘Sassaricando’, gravada pela primeira vez por ela, em 1951, ‘Barracão’ (da chanchada ‘É Fogo na Roupa’), ‘Ninguém me Controla’ e muitas marchinhas de letras maliciosas e com o duplo sentido bem-humorado que a consagrou, como ‘Marcha da Pipoca’.

A dramaturgia é assinada pelo jornalista Cacau Hygino, ao lado de Renata Mizhari, que se inspiraram em um encontro dele com Alex Palmeira, o amigo pelo qual Virgínia espera na noite de Natal, para reviver o mito da vedete mais famosa do país. Alex foi maquiador, figurinista e companheiro nos últimos anos de vida da atriz.

Segundo Alex, a  própria artista cansava de pedir para que Alex e a filha Marta não deixassem de contar a sua história.

O espetáculo retrata a saga de pioneirismo, empoderamento e luta contra os preconceitos de Virgínia, trazendo momentos como quando a vedete precisou enfrentar a Igreja para conseguir se casar no Outeiro da Glória após o veto de um padre, ou mesmo memórias divertidas de seus trabalhos na televisão, como apresentadora infantil, ou de suas turnês pelo Brasil e países vizinhos.

Confira vídeo teaser do musical a seguir:

Serviço

A Vedete do Brasil – Um Musical Brasileiro
18 a 19 de maio (sábado e domingo)
Teatro Universitário – Av Fernando Ferrari, 514, Vitória – Espirito Santo
A partir de R$ 19,80 (meia), na Sympla, ou na bilheteria do Teatro Universitário, de terça a sexta, das 14h às 19h

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

FIQUE POR DENTRO

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -