24.9 C
Vitória
terça-feira, 25 junho, 2024

Inflação dos mais pobres

“Estamos assistindo a um desequilíbrio que gera, inevitavelmente, mais desigualdade”,avaliou o presidente do Corecon-ES, Celso Bissoli Sessa

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a variação de preços de produtos e serviços para famílias com renda entre um e 2,5 salários mínimos, ficou em 0,89% em setembro contra 0,55% em agosto. Entre os itens com maior alta no mês estão o arroz e o feijão.

“Despesas com alimentação têm um peso maior para as pessoas de renda mais baixa. A pressão do comércio internacional sobre a oferta interna gerou problemas para se conseguir itens básicos e permitiu que algumas empresas vissem uma oportunidade de aumentar a margem de lucros sobre esses produtos. É o que estamos vendo agora com os alimentos”, avaliou o presidente do Corecon-ES, Celso Bissoli Sessa.

- Continua após a publicidade -

Além disso, esse cenário é agravado pelo fato de que muitos desses produtos são de difícil substituição. “Está aumentando a diferença entre a inflação dos mais pobres e a dos mais ricos. Estamos assistindo a um desequilíbrio que gera, inevitavelmente, mais desigualdade”.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA