22.1 C
Vitória
quinta-feira, 18 agosto, 2022

Fevereiro Laranja acende o alerta para a leucemia

Foto: Reprodução

Uma forma de combate eficaz é o diagnóstico precoce, por meio da realização de exames anuais, em especial o hemograma

O segundo mês do ano marca o período de conscientização sobre a leucemia, com ações que visam o combate à doença. Fevereiro Laranja, como é conhecido, marca o mês de combate a um tipo de câncer sanguíneo.

Dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca) indicam que as estimativas de novos casos são de 10.800, sendo 5.940 homens e 4.860 mulheres (2018 – INCA).

A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos. Uma das principais características é o acúmulo de células doentes na medula óssea, onde as células de sangue são formadas.

Entre os 12 tipos de manifestação dessa enfermidade estão a leucemia mieloide aguda (LMA), leucemia mieloide crônica (LMC), leucemia linfocítica aguda (LLA) e leucemia linfocítica crônica (CLL).

“AS LEUCEMIAS PODEM SER SE AGUDAS OU CRÔNICAS, AMBAS PODENDO SER LINFOIDE OU MIELOIDE, DEPENDENDO DO TIPO DE GLÓBULOS BRANCOS. AS AGUDAS SÃO AS MAIS GRAVES E NECESSITAM DE QUIMIOTERAPIA COM URGÊNCIA. AS LEUCEMIAS CRÔNICAS PODEM NÉ PRECISAR DE TRATAMENTO COMO A LEUCEMIA LINFOIDE CRÔNICA. A LEUCEMIA MIELOIDE CRÔNICA É TRATADA COM MEDICAMENTO ORAL”, EXPLICOU A MÉDICA CARLA MARIA BOQUIMPANI, HEMATOLOGISTA DO CENTRO DE EXCELÊNCIA ONCOLÓGICA, NO RIO DE JANEIRO.

Existem diferentes sintomas para quem contrair a doença. Como parte dos indícios da leucemia aguda, o paciente se sente mal, podendo sentir fraqueza, sangramento e vômito. Já o caso crônico pode permanecer assintomático durante muito tempo.

Uma forma de combate eficaz é o diagnóstico precoce, por meio da realização de exames anuais, em especial o hemograma.

TRATAMENTO

A leucemia mielóide crônica (LMC) requer tratamento até o fim da vida. O tratamento da leucemia aguda dura em torno dois anos, dependendo do tipo de melhor prognóstico.

Se o caso for de risco alto, será preciso fazer transplante. O acompanhamento do paciente apos remissão da leucemia aguda deve ser até pelo menos cinco anos. O acompanhamento da leucemia crônica não tem fim.

Uma vez que a doença esteja sob controle, ela passará a ser controlada com medicamentos ou apenas sendo acompanhada sem critérios para tratamento.

A leucemia crônica não tem cura. A aguda sim. Dependendo do tratamento, é possível que haja consequências ou sequelas, mais são muito específicas.

CUIDADOS

No dia a dia, o paciente necessita de cuidados, além do tratamento. A quimioterapia reduz a imunidade do paciente e, por isso, a recomendação é que ele evite lugares públicos, principalmente se tiver leucemia aguda.

A crônica não demanda muitas restrições. Após a cura, a vida pode voltar a ser completamente normal para quem enfrentou uma leucemia crônica.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matéria AnteriorTrump fixa como meta acabar com o HIV
Próxima MatériaEdição 161
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade