Empresários debatem oportunidades do Espírito Santo no comércio global

Grupo Permanente de Acompanhamento Empresarial do Espírito Santo (GPAEES) se reuniu  na última sexta-feira (27), na Findes, para tratar de investimentos, concessões e chances do Estado no mercado internacional.

As chances de crescimento do Espírito Santo no comércio global foi o foco de debate na última sexta-feira (27). O Grupo Permanente de Acompanhamento Empresarial do Espírito Santo (GPAEES) se reuniu no plenário da Findes. E o encontro contou com a presença de empresários, autoridades, executivos e investidores.

Economista-chefe da Rosenberg Associados e analista econômica dos principais veículos de comunicação do país, Thais Zara foi responsável pela abertura. Ela trouxe um pouco do cenário macroeconômico mundial e doméstico. Também apresentou alguns dados sobre a questão fiscal no Brasil, vislumbrando perspectivas positivas para 2020.

“É fato que o comércio global tem sofrido e a tendência é que isso piore nesse contexto das tarifas escalando cada vez mais. Mas mesmo com esse cenário conturbado internacionalmente, o Brasil começa a ter dados positivos em geração de empregos formais e informais, perspectiva de aumento no consumo e a tendência é uma caminhada de crescimento em 2020”, apontou.

A economista ressaltou ainda que algumas medidas podem ajudar a destravar as incertezas econômicas nos próximos anos, como o acordo Mercosul e União Europeia. “São muitos os desafios políticos para fechar esses acordos, que envolvem aprovações no parlamento europeu e outras dificuldades”. E enfatizou que, mesmo os acordos sendo firmados, “os efeitos vão levar muito tempo para serem sentidos por aqui”.

A exposição seguinte foi do cientista político José Luiz Niemeyer, coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC/RJ. Além disso, integra o grupo que escreveu o capítulo da defesa nacional no projeto Cenários de Defesa 2040, do Ministério da Defesa. O especialista falou sobre o papel estratégico do Brasil no mundo. “Virou um grande laboratório do liberalismo econômico e minha aposta é que, a longo prazo, o país possa vir a ser o maior fornecedor de comida e energia no mundo”.

Nesse contexto, Niemeyer apontou um dos maiores desafios do atual governo federal. “Pensar a perspectiva internacional com cuidado, sempre dando um passo a frente e dois para trás”.

Espírito Santo no comércio global

Investimentos e pacotes de concessão previstos ao Espírito Santo nos próximos anos, foi  a terceira exposição do encontro. Presidente do movimento empresarial Espírito Santo em Ação, Fábio Brasileiro, argumentou que o potencial do Espírito Santo ainda é pouco explorado. “Neste momento é necessário buscarmos uma visão integrada que possibilite maximizar a utilização de toda a capacidade instalada dos modais existentes”.

Assim, segundo ele, os níveis de serviço, desempenho e utilização dos ativos existentes, evidenciam ações e iniciativas isoladas. Da mesma forma, o estágio de maturidade dos projetos em desenvolvimento. Ações desvinculadas de um planejamento integrado na área de infraestrutura”, ressaltou

Além disso, o Gerente do Programa de Concessões e Parcerias do Estado, Julio Arana trouxe a carteira de projetos em sondagem. O documento integra o Programa de Concessões e Parcerias do Espírito Santo e inclui uma série de avanços. Entre elas, Parque de Exposição da Carapina, Estádio Kleber Andrade, Radium Hotel. Também as miniusinas solares, além de terminais metropolitanos e serviço de alimentação prisional. Acima de tudo, cabe destacar que a expectativa é que os projetos saiam do papel nos próximos meses.

O coordenador do encontro trimestral do GPAEES é o economista capixaba Clóvis Vieira, responsável pela idealização do evento e manutenção do grupo.

 

Conteúdo Publicitário