24.9 C
Vitória
quarta-feira, 10 agosto, 2022

Espírito Santo já tem 1.600 crimes contra crianças e adolescentes em 2022

esbrasil-abuso-infantil
Cerca de 18% das notificações de crimes contra crianças e adolescentes no Espírito Santo refere-se a casos de estupro, segundo a Sesa - Foto: Reprodução

Desse total, cerca de 18% dos crimes são casos de estupro e maioria das vítimas é do sexo feminino, segundo a Sesa. A realidade pode ser mais grave 

Por Wesley Ribeiro 

Apesar dos esforços para combater os crimes contra crianças e adolescentes, eles ainda são uma realidade no Espírito Santo. E o mais grave: os números estão aumentando. Em 2022, até a última sexta-feira, 13 de maio, foram registradas cerca de 1.600 fichas de violência na população de zero a 19 anos. Enquanto em 2021, nos quatro primeiros meses do ano foram registradas 519 notificações, e em todo o ano de 2020, um total de 495 ocorrências.

Os dados são da secretaria de Estado de Saúde (Sesa) obtidos com exclusividade pelo Portal ES Brasil. A Sesa ressalta que a realidade pode ser ainda mais grave já que esse número não representa o total de vítimas, uma vez que a subnotificação é um fator presente. Além de um número relevante das vítimas não denunciarem os crimes sofridos, por medo ou constrangimento, é comum que sofram mais de um ato de violência.

Uma realidade que marca o Espírito Santo, justamente o estado que foi palco de um dos casos de violência infantil de maior repercussão nacional, o caso Araceli Cabrera Crespo.

Aos oito anos de idade, em 18 de maio de 1973, a menina Araceli foi estuprada e assassinada. Seu corpo foi encontrado seis dias depois, desfigurado por ácido e com marcas de violência e abuso sexual. A partir do ano 2000, o dia de hoje, 18 de maio, tornou-se símbolo do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Araceli_Cabrera_Sanches
O caso Araceli Cabrera Sanches, ocorrido em 18 de maio de 1973, tornou-se símbolo do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescente – Foto: Reprodução/Wikipédia

Tipos de violência 

Ainda segundo a Sesa, entre as notificações mais comuns estão a violência autoprovocada, representando cerca de 30% do total de fichas; a violência física, representando cerca de 26%; e o estupro, com cerca de 18% das notificações. O sexo feminino representa mais da maioria dos registros, segundo o órgão.

De acordo com Raquel Andrade, pós-graduada em Direito Penal e presidente do Instituto Infância Protegida, que trabalha com prevenção e assistência jurídica às vítimas, os tipos de crimes contra crianças não param por aí.

“São os mais diversos e de uma crueldade sem limites incluindo violência física, verbal, psicológica, institucional ou patrimonial e a violência sexual, que engloba o estupro de vulnerável, a exploração sexual, o turismo sexual, entre outros”, explica Raquel.

Ela informa que, no Brasil, a cada hora três crianças são abusadas. “Os números não são precisos quando falamos de idade ou quantidade, pois os dados que o Ministérios da Saúde, da Justiça e Direitos Humanos disponibilizam são o que chamamos de subnotificações, pois na maioria das vezes os casos não são denunciados”, ressalta.

Maioria são meninas 

Dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos indicam que, em 2022, já foram registradas 4.486 denúncias de violações de direitos humanos contra crianças e adolescentes ligados a situações de violência sexual no Brasil.

Raquel confirma a informação passada pela Sesa de que a maioria das vítimas é do sexo feminino. “A maioria das vítimas de violência é menina, mais ou menos 70% a 80% dos casos. Já entre os meninos, esse percentual é de mais ou menos 20% a 30%, especialmente entre três e nove anos de idade”, esclarece.

E não existe um perfil único de agressor, segundo ela. “Geralmente, é alguém da família, sendo o pai, a mãe, o avô, a avó ou pessoas próximas à família. Não existe um perfil exato”, afirma.

Denúncia

Ela defende que o problema do abuso e da exploração sexual de crianças e adolescentes é um problema da sociedade como um todo.

“É dever de qualquer cidadão de bem denunciar. E a denúncia pode ser feita de forma anônima. Temos o Disk 100, a polícia, o Conselho Tutelar, o Ministério Público aos quais os adultos podem recorrer”, reitera.

Raquel lembra que até mesmo as vítimas podem denunciar por meio do aplicativo Sabe ou pelo whatsapp do Disk 100 – (61) 99656-5008.

Além disso, as vítimas podem falar com alguém de confiança, como professores, vizinhos e familiares. Todos esses recursos são ferramentas para denunciar e combater esses crimes que vem aumentando no Espírito Santo.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade