24.4 C
Vitória
sábado, 18 maio, 2024

ES: Produção de papel e celulose cresce 16,7% em 2022

A produção de papel e celulose foi o segmento com o melhor desempenho no último PIM-PF divulgado em setembro

Por Amanda Amaral 

Apesar da queda da indústria geral capixaba, a produção de papel e celulose no Espírito Santo cresceu 16,7% em 2022. De janeiro a setembro deste ano, o segmento foi o responsável pelo melhor desempenho dentre os setores industriais do Espírito Santo.

- Continua após a publicidade -

Os dados são da Produção Industrial Regional (PIM-PF) divulgados em setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e compilados pelo Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes). De janeiro a setembro de 2022, a indústria geral teve retração de 4,9% no Estado e de 1,1% no Brasil.

Demanda internacional

Já o bom momento vivenciado pelo setor de papel e celulose pode ser atribuído, segundo a economista-chefe da Findes e gerente-executiva do Observatório da Indústria, Marília Silva, “a uma demanda internacional sólida, que vem sustentando o preço da celulose no mercado externo”.

Ela observa ainda que nem mesmo a parada em uma linha de produção na fábrica da Suzano no Estado, programada para o final do terceiro trimestre e o início do quarto, impactou de maneira significativa a produção de papel e celulose.

Indústria da transformação

Com relação aos outros setores da indústria de transformação, todos performaram negativamente. Produtos alimentícios registraram recuo de 0,8% nos nove primeiros meses de 2022, metalurgia retraiu 1,2% e produtos minerais não-metálicos -7,2% no mesmo período. A indústria extrativa, por sua vez, contabilizou queda de 17% no acumulado do ano.

Para a presidente da Findes, Cris Samorini, os resultados demonstram o desafio e também as oportunidades que o Estado e o país têm pela frente. Para ela, o atual cenário reforça a importância de o poder público olhar para a indústria como um caminho para retomar o desenvolvimento.

produção de papel e celulose
Marília Silva, economista chefe da Findes, ressalta a demanda internacional sólida do setor de papel e celulose. Foto: Divulgação/Findes

Diversificação da economia

“O recuo da indústria extrativa, puxado principalmente pelo segmento de petróleo e gás, indica que precisamos cada vez mais diversificar nossa economia e industrializar o Espírito Santo e o Brasil para gerar maior valor agregado aos negócios. Estruturar uma política industrial sólida é fundamental para crescermos e gerarmos mais emprego e renda para a população”.

Cris pondera que a Findes tem atuado fortemente para fortalecer as indústrias e garantir que elas sejam competitivas no mercado nacional e global, seja por meio de ações voltadas para a melhoria do ambiente de negócios, para o estímulo a investimentos em infraestrutura e inovação ou com a qualificação da mão de obra.

“Mas podemos potencializar o crescimento do nosso setor se mais atores enxergarem a indústria como um motor do desenvolvimento e traçarem, de forma conjunta, estratégias para reindustrializarmos o país”.

Espírito Santo

A Suzano, que possui duas fábricas no Espírito Santo, comercializou 3,1 milhões de toneladas de celulose e diferentes tipos de papéis durante o terceiro trimestre de 2022. O volume é 4% superior ao mesmo período do ano passado e representa um novo recorde da companhia para terceiros trimestres. A companhia é uma das maiores fabricantes de celulose de eucalipto do mundo e uma das maiores produtoras de papéis da América Latina. 

Com informações da Findes. 

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA