28.8 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

ES: 16º maior produtor de energia solar do país

O ranking dos estados brasileiros que mais produzem energia solar é feito pela Absolar

Por Amanda Amaral

O Espírito Santo é o 16º estado brasileiro que mais produz energia renovável com uma potência de 296,1 megawatts (MW) em operação nas residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos. São mais de 24 mil conexões operacionais de tecnologia fotovoltaicas espalhadas pelo território capixaba e quase 29 mil consumidores de geração própria de energia solar.

- Continua após a publicidade -

Os números são de um levantamento realizado Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), que recentemente divulgou que o Brasil alcançou uma marca histórica em dezembro de 2022.

O país saltou de 14,2 GW para 23 gigawatts (GW) de potência instalada, somando as usinas de grande porte e os sistemas de geração própria. A maior parte do consumo é residencial (78,6%) dentre os mais de 1,4 milhão de sistemas instalados no país. A fonte solar equivalente a 11,2% da matriz elétrica do País, dependente em mais de 50% da fonte hídrica.

Compromissos ambientais

Para Rodrigo Sauaia, CEO da Absolar, o crescimento da fonte solar fortalece a sustentabilidade e a competitividade dos setores produtivos, além de beneficiar todos os consumidores brasileiros, fatores cada vez mais importantes para a economia nacional e para o cumprimento dos compromissos ambientais assumidos pelo País.

“Finalmente, o Brasil acordou para a energia solar e seus benefícios. “A fonte ajuda a diversificar o suprimento de energia elétrica do País, reduzindo a pressão sobre os recursos hídricos e o risco de ainda mais aumentos na conta de luz da população”, acrescenta Sauaia.

Desenvolvimento econômico

Rafael Castro, diretor de Expansão da Aruna Energia Solar, explica que a utilização da fonte de energia solar oferece diversos benefícios para a população: “O avanço da energia solar no Estado é fundamental para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do capixaba. O uso dessa fonte de energia ajuda a diversificar o suprimento de energia elétrica do país, reduzindo a pressão sobre os recursos hídricos e o risco da volta da tão temida bandeira vermelha nas contas de energia”.

De acordos com dados da associação, desde 2012, esse meio renovável proporcionou ao Espírito Santo a atração de mais de R$ 1,6 bilhão em investimentos, geração de mais de 8,8 mil empregos e a arrecadação de mais de R$ 489 milhões aos cofres públicos. “Ver a energia sustentável trazer resultados mostra uma boa recuperação do setor no Estado”, comenta Rafael.

Marco legal

Anunciado o recesso, o Senado Federal acabou não abrindo a votação para a Projeto de Lei (PL) 2703/22, cujo intuito era ampliar por mais seis meses o prazo de entrada das novas regras de compensação de energia solar. Sem a abertura dos votos, no dia 7 de janeiro de 2023 a Lei nº 14.300, considerada o Marco Legal da Geração Distribuída, permanece com previsão para entrar em vigor.

Castro explica que a PL2703/22 era de autoria do deputado federal Celso Russomanno (Republicanos). A autoridade pedia o adiamento imediato do início das cobranças para meados de 2023, com intuito de conquistar um tempo maior para que as concessionárias se adéquem as mudanças que estão por vir. O texto já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados.

energia solar
O termo taxação da energia solar não é correto, segundo o diretor de Expansão da Aruna, Rafael Castro.

Excedente de geração

O especialista ressalta que o principal benefício da lei que entrará em vigor no início de 2023 é a segurança jurídica para o setor, mas o marco legal levantou diversos questionamentos a respeito do impacto que isso teria em quem já utiliza energia solar ou em quem planeja utilizá-la.

“Apesar de ter popularizado o termo taxação da energia solar não é correto, visto que a lei não trata de tributos, mas haverá mudanças na forma como o nosso excedente de geração é valorado. Para quem já possui energia solar, a isenção até 2045 já está garantida, mas caso o sistema seja expandido após o prazo, será aplicada a nova regra de cobrança em cima das novas placas adicionadas. Para quem planeja instalar energia solar em 2023, a lei define um período de transição, em que a cada ano o consumidor passa a pagar uma parte maior da tarifa de distribuição em cima do que injeta na rede”, explica Rafael.

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA