22.9 C
Vitória
quinta-feira, 13 junho, 2024

EDP vai colocar mais três usinas solares em funcionamento no ES

Em entrevista ao ES Brasil, o CEO da EDP Brasil, João Marques da Cruz, revela que fábricas devem operar ainda no 1º semestre e os investimentos neste ano

Por Gustavo Costa

O CEO da EDP Brasil, João Marques da Cruz, fala sobre os planos para o Espírito Santo durante 2024 e como funciona o novo programa de energia solar, disponível tanto a pessoas físicas quanto jurídicas.

- Continua após a publicidade -

ES Brasil – Além das subestações e usinas, quais os próximos planos da EDP no Estado?

João Marques da Cruz – São investimentos robustos, de mais de R$ 910 milhões no Espírito Santo em 2024. Mais de R$ 810 milhões serão direcionados para projetos de infraestrutura de distribuição, reforçando o sistema elétrico para o desenvolvimento das 70 cidades da nossa área de atuação. Esses projetos têm como foco a expansão da rede, melhorias operacionais, redução de perdas, digitalização e atendimento ao cliente. E mais R$ 100 milhões dos aportes foram direcionados para quatro usinas solares de geração distribuída.

Queremos continuar expandindo e melhorando a nossa atuação, aumentando a capacidade e trazendo mais confiabilidade ao fornecimento de energia, contribuindo para o desenvolvimento econômico e a expansão da atividade industrial e turística no Estado.

Também queremos consolidar e expandir nossa atuação em geração solar distribuída em todo o país, com investimentos de R$ 2,3 bilhões previstos até 2026, e o Espírito Santo é uma região prioritária para a EDP também neste segmento. Os investimentos em energia solar no estado fazem parte da estratégia da EDP para liderar a transição energética, contribuindo para o acesso à energia renovável e a descarbonização da economia.

Atualmente, a EDP tem 87 usinas solares de geração distribuída no Brasil, sendo 48 já em operação. Somente no Espírito Santo, a EDP conta com 13 usinas solares. Desse total, dez já estão em operação e três estão em construção, com previsão de serem energizadas ainda no primeiro semestre de 2024.

Es Brasil – A EDP lançou o programa Solar Digital EDP, um serviço de assinatura de energia solar. Existem diferentes pacotes para residências e empresas?

João Marques da Cruz – Estão habilitadas pequenas e médias empresas do grupo B (baixa tensão) e pessoas físicas que tenham uma fatura mensal de energia elétrica a partir de R$ 250, sem fidelidade de contrato (o cliente pode sair a qualquer momento, com aviso prévio de 90 dias), sem taxa de adesão ou custo de manutenção.

Os clientes que contratarem o serviço até o final de março podem garantir uma economia de até 18%. A adesão pode ser feita de forma 100% online (https://empresas.edp.com.br/) e não requer do cliente qualquer investimento com a instalação de placas solares, nem alterações na rede elétrica.

ES Brasil – Durante a cerimônia de inauguração das subestações e usinas, o senhor comentou que a rede de distribuição do Espírito Santo é uma das melhores do país. Por quais fatores a rede capixaba se destaca?

João Marques da Cruz – A EDP Espírito Santo foi a distribuidora que atingiu o nível de excelência da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no indicador de percentual de conjuntos FEC violados, que mede a Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora. Isso demonstra o comprometimento da EDP em fornecer o melhor serviço de energia elétrica aos consumidores do Estado.

ES Brasil – O cliente que quiser fazer a assinatura do Solar Digital consegue substituir 100% a energia elétrica?

João Marques da Cruz – Residências e comércios que queiram economizar na conta de luz podem aderir ao Solar Digital EDP. O programa vem para trazer economia e sustentabilidade ao oferecer a oportunidade de consumir energia solar, ou seja, limpa e renovável, de forma simples e sem burocracia, com desconto de até 18% na conta de luz.

A energia gerada pelas usinas solares de geração distribuída da EDP é injetada na rede elétrica da distribuidora local e se transforma em créditos que são compensados na fatura do cliente. A energia chega até o consumidor da mesma forma, pela rede da distribuidora de energia, mas com o desconto. No caso de o cliente realizar a adesão referenciando a sua necessidade de consumo total, a energia do Solar Digital pode, sim, atender não só para os principais “vilões” do consumo, mas com base em toda a carga do cliente.

Ao aderir ao serviço de Solar Digital, o cliente passa a receber duas faturas: a da EDP, com a energia solar consumida, e a da EDP ES (distribuidora), com os custos obrigatórios (disponibilidade, iluminação pública, impostos não compensáveis de PIS/Cofins e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços – ICMS), além do excedente de energia, caso tenha consumido mais kW do que o volume de solar contratado.

Es Brasil – Quem já possui um equipamento on grid ou off grid funcionando também poderá aderir ao Solar Digital?

João Marques da Cruz – Neste caso, o Solar Digital EDP não é indicado, pois se a empresa ou pessoa já tiver uma geração solar local, que atenda à sua necessidade de carga, os créditos de compensação provavelmente já são gerados pela própria instalação.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA