22.1 C
Vitória
quarta-feira, 22 maio, 2024

Catar vê otimismo em negociações entre Hamas e Israel

Autoridades do Oriente Médio e dos EUA fazem esforço para novo acordo de cessar-fogo na Faixa de Gaza

As negociações diplomáticas entre Israel e Hamas, intermediadas pelo Catar e Egito, avançaram nesta terça-feira (19) em Doha, depois da visita do chefe do Mossad David Barnea. Segundo o governo do Catar, há condições para um otimismo cauteloso, depois de conversas separadas entre as delegações na noite de segunda-feira, 18. Em Washington, o secretário de Estado Anthony Blinken anunciou uma viagem para o Oriente Médio nesta semana, a sexta desde o início da guerra.

De acordo com o porta-voz da chancelaria catari, Majed A-Ansari, as negociações estão em curso e devem continuar. “Ainda não estamos perto de um acordo, ainda é cedo para falar em sucesso, mas estamos cautelosamente otimistas”, disse.

- Continua após a publicidade -

Segundo o diplomata, uma incursão israelense em Rafah, onde se encontram mais de 1 milhão de refugiados palestinos, pode ser uma catástrofe para as negociações.

Pressão americana

Blinken, por sua vez, deve se encontrar com autoridades sauditas e egípcias a partir de quarta-feira, 20. O chefe da diplomacia americana, desta vez, não irá a Israel. Segundo o secretário, que participa de uma conferência nas Filipinas, é imperativo obter um plano para Gaza para quando o conflito terminar.

“Isso deve ser atingido mais rápido possível, consistente com as necessidades de Israel de se defender e garantir que o dia 7 de outubro nunca mais aconteça”, disse.

Qualquer plano pós-guerra para Gaza envolverá a questão de como fornecer governança e segurança em Gaza, um assunto sobre o qual os Estados Unidos e Israel discordam.

Blinken também disse que abordaria com egípcios e sauditas qual é a arquitetura certa para uma paz regional duradoura, uma aparente referência à tentativa americana de negociar um acordo entre Israel e Arábia Saudita.

Concessões

Esse pacto provavelmente exigiria que Israel fizesse concessões aos palestinos em troca de suas primeiras relações diplomáticas formais com a Arábia Saudita. Por sua vez, os sauditas querem que os Estados Unidos e Israel apoiem a criação de um programa nuclear civil em solo saudita, bem como um maior apoio militar de Washington.

Blinken enfatizou a urgência de fornecer ajuda humanitária a Gaza, cujos habitantes, segundo ele, continuam a enfrentar uma situação humanitária horrível. O diplomata disse ainda que o Hamas é o culpado pela crise, mas que também cabe a Israel proteger os civis durante sua campanha militar.

Os combates no enclave deixaram pelo menos 31.819 palestinos mortos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. Controlado pelo Hamas, o órgão não faz distinção entre civis e combatentes em sua contagem, mas afirma que mulheres e crianças representam dois terços dos mortos. Uma agência de alimentos das Nações Unidas alertou que “a fome é iminente” no norte de Gaza.

Os militantes palestinos mataram cerca de 1.200 pessoas no ataque surpresa de 7 de outubro em Gaza, que desencadeou a guerra, e sequestraram outras 250. Acredita-se que o Hamas ainda esteja mantendo cerca de 100 pessoas como reféns, bem como os restos mortais de outras 30. Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 221

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA