26 C
Vitória
terça-feira, 23 abril, 2024

Cai o número de famílias endividadas em Vitória

Apesar de alto, o número de famílias endividadas em Vitória passou de 88,5% para 87,5% em novembro

Por Amanda Amaral

Na comparação entre novembro e outubro, houve queda de 0,7% no número de famílias endividadas em Vitória. No mês anterior, o indicador apresentou alta de 0,7 ponto percentual (p.p).

- Continua após a publicidade -

Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES).

Endividamento e inadimplência

Ainda é alto o número de famílias na capital do Estado com algum tipo de comprometimento na renda (dívidas de cartão de crédito, cheque especial, carnê, crédito consignado, empréstimo e/ou prestação de carro e casa). Contudo, em outubro, havia 88,5% de pessoas endividadas, já em novembro esse número passou para 87,5%.

A inadimplência – que ocorre quando as dívidas não são pagas em dia – subiu 0,9% com relação a outubro, atingindo 39,1% das famílias. O percentual dos que não terão condições de pagar dívidas atrasadas no próximo mês subiu para 20,1%.

Na avaliação da Fecomércio-ES, apesar de algumas variáveis econômicas promoverem um cenário mais favorável ao consumo, as altas taxas de juros podem frear novos compromissos financeiros.

Acesso ao crédito

“Por outro lado, quando precisam, as famílias acabam optando por soluções mais imediatas e acessíveis de crédito. Essas modalidades são as que têm os juros mais altos do mercado, como é o caso do cartão de crédito, que quando utilizado sem planejamento aumenta rapidamente o endividamento”, explica a nota divulgada pela entidade.

Seja para manter o nível de consumo ou realizar gastos correntes, esse recurso tem sido usado principalmente por quem tem renda menor, segundo a Fecomercio-ES.

Inadimplência futura

A pesquisa mostra que 90,4% das famílias que recebem até dez salários mínimos tinham esse tipo de dívida em novembro. Desta forma, se acumula o percentual daqueles que não terão condições de pagar dívidas atrasadas no próximo mês, o que se traduz em uma potencial inadimplência futura, de acordo com a Fecomercio-ES, que orienta as famílias a renegociar e quitar as dívidas, começando pelas mais caras.

“O mercado de trabalho formal está em crescimento, a taxa de desemprego em geral registra uma das menores marcas da história, e o pagamento do 13º salário está injetando mais dinheiro na economia, logo há mais oportunidades de o consumidor conseguir boas negociações para quitar os débitos”, ressaltou a divulgação da Fecomercio-ES.

Renda mensal e renda familiar

endividamento das famílias em vitória
Cm relação às dívidas, o cartão de crédito é o vilão para 81,9% das famílias entrevistas na pesquisa. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Um total de 81,9% das famílias de Vitória que estão endividadas aponta o cartão de crédito como o principal compromisso financeiro assumido. A categoria “outros” é a segunda mais representativa (25,3%), com peso maior no financiamento de casa e crédito consignado. Entre os endividados, 29,4% da renda mensal está comprometida com dívidas pelos próximos sete meses. Os inadimplentes afirmaram que o pagamento está atrasado, em média, há 66 dias.

Para o grupo renda familiar até 10 salários mínimos o nível de endividamento marcou 90,4% e a inadimplência 45,0%. Famílias com renda superior a esse valor, o endividamento ficou em 70,6% e a inadimplência em 7,5%. Os que afirmaram que não terão condições de pagar suas dívidas no próximo mês somaram 24,8% no primeiro grupo e 2,0% no segundo. O número de endividados no país ficou em 78,9% em novembro, queda de 0,3 ponto percentual na comparação com o mês anterior. Frente ao mesmo mês do ano passado, houve aumento de 3,3 pontos percentuais. O percentual de inadimplentes se manteve em 30,3%. Outros 10,9% afirmaram que não terão condições de pagar suas dívidas.

Sobre a pesquisa

Os dados da PEIC são coletados em âmbito nacional pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e disponibilizados às federações do comércio estaduais para a elaboração das análises locais.

São entrevistadas 500 famílias residentes em Vitória com renda de até dez salários mínimos e também com rendimentos acima desse valor. O tratamento e a análise dos dados regionais são realizados pela Assessoria Econômica/Gerência de Projetos da Fecomércio-ES.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA