Indignação por aumento abusivo na conta de energia

Foto: Renato Cabrini / Next Editorial

Consumidores reclamam do aumento e se mobilizam para uma manifestação nesta quinta-feira (28)

Moradores da Grande Vitória estão insatisfeitos com os valores das contas de energia que recebem e a cada mês é um susto. De acordo com os consumidores, os valores são indevidos, o que os prejudica bastante.

Em algumas residências o aumento foi de 100% ou mais. É o caso do comerciante Ari Martins, que reside no bairro Feu Rosa, na Serra. Ele contou que a conta do estabelecimento começou a aumentar em janeiro e de lá não parou mais.

“Tenho um comércio perto da minha casa e pagava até R$ 300. Tinha meses que nem isso. Em janeiro, o aumento foi tão grande que subiu para R$ 700. Neste mês, a conta veio R$ 1.874 e eu não tenho como pagar esse valor. Tem algo errado”, disse o comerciante indignado.

Por conta dos abusos nas contas de energia, os moradores se uniram e fizeram um grupo por meio das mídias sociais a fim de buscarem soluções. A pedagoga Conceição Alves, líder do movimento, explicou que a intenção é conscientizar os consumidores que se sentem lesados.

As contas de energia estão tendo aumentos cada vez maiores, conforme mostrado na foto. – Foto: Divulgação

“É importante que todos entendam que estamos sendo feitos de bobos. Se reclamamos na EDP, eles nos respondem: “você consumiu muito este mês por causa do calor”; Se reclamamos junto ao Procon, praticamente recebemos a mesma resposta, por isso indico que procurem o Juizado de Pequenas Causas em ação individual e recomendo que seja aberta uma ação coletiva junto ao Ministério Público. Não podemos ficar de braços cruzados, a energia vai ser cortada se não pagarmos”, pontuou Conceição.

A pedagoga considera o aumento ilegal e que está sendo aplicado em vários locais do Estado. “Uma amiga minha que mora em Colatina disse que lá o aumento também está sendo absurdo. Isso é um abuso, é imoral, antiético, além de ser uma covardia com a sociedade e as pessoas que pagam seus impostos. Existem pessoas que nem tem como pagar as contas direito e estão sendo lesionadas. Não pode ficar assim”, avaliou.

Já o empresário de uma agência de publicidade e diretor de conteúdo Juba Paixão acredita que essa cobrança é indevida. Segundo ele, por mais que haja economia não é o suficiente para reduzir o valor das contas que recebe.

“Apesar de todo sacrifício em reduzir o consumo, nos últimos quatro meses, as variações têm sido mínimas. Mas considero essa variação ilusória. Minhas contas passaram de R$ 300 para R$ 748. Já foram lá em casa várias vezes e fizeram vistoria técnica e detectaram que não há fuga de energia, as lâmpadas são de LED e minha casa tem toda a estrutura necessária sobre esses aspectos. Essa cobrança não está correta”, argumentou Juba.

O empresário afirmou que é preciso que órgãos como o Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Espírito Santo (Ipem-ES) fiscalizem os contadores de energia da companhia. “As pessoas esquecem que estamos submetidos a usufruir da energia de uma empresa que ela mesma se fiscaliza. Por isso, indico que os consumidores entrem com processos e pedidos de fiscalização na ouvidoria do Ipem e nos órgãos competentes. As instituições precisam agir e está na cara que o consumo está irregular”, destacou.

Por meio de nota, o Ipem-ES esclareceu que “a regulamentação nacional determina que os medidores passem por verificação inicial, ou seja, antes da venda. Essa verificação é feita nos estados que sediam empresas responsáveis pela fabricação dos medidores, o que não é o caso do Espírito Santo. O cliente que desconfiar de alguma irregularidade envolvendo o próprio medidor deve acionar a concessionária de energia elétrica, que encaminhará o equipamento para laboratório creditado pelo Inmetro, onde serão realizados os ensaios”.

Em contato com a EDP, a empresa informou que “não houve aumento nas tarifas de energia elétrica. Segundo a empresa, as elevadas temperaturas que ocorreram no Espírito Santo em dezembro, janeiro e fevereiro deste ano provocaram aumento no consumo de energia elétrica em relação aos últimos meses”.

Além disso, a empresa ratificou que diante de um cenário, em que os termômetros ultrapassam diariamente os 30 graus, é justamente neste período que o hábito de consumo de energia elétrica deve ser melhor observado pelos consumidores, adotando medidas que garantam maior economia no uso dos equipamentos elétricos.

Sistema BTZero

Muitas residências na Grande Vitória, principalmente em Feu Rosa e Planalto Serrano, na Serra, estão ligadas a rede BTZero, instalada recentemente pela companhia de energia. Segundo a EDP, a tecnologia garante mais qualidade e segurança na rede de energia elétrica, além de maior agilidade na identificação de eventual interrupção no fornecimento e no atendimento às solicitações dos clientes.

Entretanto, muitos consumidores afirmam que o aumento tem sido por conta da alteração da rede. Para os moradores da Serra, por exemplo, o valor aumentou consideravelmente depois da implantação do sistema.

Manifestação

No dia 05 de fevereiro, os moradores da Cariacica e Serra protestaram em frente ao escritório da EDP, em Jardim Limoeiro, na Serra. Segundo Conceição Alves, cerca de 30 pessoas participaram da ação.

Cerca de 30 pessoas participaram da ação realizada no dia 05 de fevereiro, no escritório da EDP, em Jardim Limoeiro, Serra.

E na quarta-feira (28), a partir das 13 horas, o grupo planeja algo maior. Mais de 350 pessoas se reunirá na Praça Costa Pereira e irão à frente do escritório da EDP no mesmo lugar. De lá, o grupo segue ao Palácio Anchieta na tentativa de sensibilizar o governo estadual.

“A manifestação é legítima e não está ligada a nenhum sindicato. Queremos apenas levar conhecimento às pessoas que se sentem lesionadas e passam pelo o mesmo que nós. Queremos apenas soluções”, finalizou Conceição.

Assembleia

Por conta do movimento organizado pelas mídias sociais, será realizada uma audiência pública nesta terça-feira (26), às 10h30, na Assembleia Legislativa, a fim de tratar o aumento da tarifa de energia elétrica.

Os organizadores do movimento esperam que o resultado da audiência pública seja positivo e tragam retorno aos consumidores.

Conteúdo Publicitário