21 C
Vitória
terça-feira, 14 julho, 2020

Aneel tenta reduzir reajustes tarifários para ex-distribuidoras da Eletrobras

Leia Também

ES confirma mais de 63 mil infectados pela Covid-19

Chegou a 63.881 o número de casos confirmados do novo coronavírus no Espírito Santo, de acordo com o “Painel Covid”, da Sesa.

INSS começa teste de prova de vida digital com 550 mil beneficiários

Num primeiro momento, o mecanismo será feito por meio de reconhecimento facial, com o uso da câmera do celular, para quem já tem carteira de motorista ou título de eleitor digital.

Saque emergencial FGTS liberado para os nascidos em março. Como sacar?

O valor do saque é de até R$ 1.045, considerando a soma de todas as contas do FGTS do trabalhador. Nesta etapa, poderão ser pagos até R$ 3,3 bilhões. 

O objetivo é reduzir aumentos tarifários de dois dígitos e, em alguns casos, superiores a 20%

Por Anne Warth (AE)

As distribuidoras que pertenciam à Eletrobras e que foram privatizadas em 2018 poderão ter os impactos tarifários mitigados pelo empréstimo bilionário de socorro ao setor elétrico. A proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê que elas possam antecipar recursos a que teriam direito em Revisões Tarifárias Extraordinárias (RTEs). O objetivo é reduzir aumentos tarifários de dois dígitos e, em alguns casos, superiores a 20%.

Os contratos de concessão dessas distribuidoras, que foram vendidas em leilões realizados há dois anos, previa a possibilidade de que os novos operadores pedissem Revisão Tarifária Extraordinária (RTE) para reconhecer os investimentos realizados na área de atuação das empresas – o que ensejaria reajustes extraordinários.

Segundo a Aneel, a última vez que essas distribuidoras passaram por revisão tarifária foi em 2013. Isso indica que há muitos investimentos que ainda não fazem parte da base de remuneração das empresas, já que as revisões acontecem periodicamente a cada cinco anos.

A proposta da Aneel diz respeito à antecipação de recursos da chamada Parcela B, parte das tarifas que fica com as distribuidoras – ao contrário da Parcela A, que arrecada recursos para pagar despesas com encargos setoriais, geradores e transmissoras. Como é exatamente a Parcela B que via crescer nos processos de revisão tarifária extraordinária, sua antecipação por meio do empréstimo evitaria que todo o impacto fosse percebido em 2020.

A soma para as cinco empresas é de R$ 709,443 milhões. São ativos regulatórios da Parcela B relativos ao crescimento esperado da Quota de Reintegração Regulatória e da Remuneração do Capital Próprio nos processos tarifários de 2020.

Pela proposta da Aneel, segundo apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a Amazonas Energia teria direito a antecipar R$ 238,462 milhões, e a Boa Vista Energia, R$ 54,646 milhões. Ambas pertencem a um consórcio formado pelo grupo Oliveira Energia e pela Atem.

Para a Cepisa, do grupo Equatorial, os recursos são da ordem de R$ 251,365 milhões. A Ceron e a Eletroacre, do grupo Energisa, teriam direito a R$ 131,007 milhões e a R$ 33,961 milhões, respectivamente. A distribuidora de Alagoas, que também pertencia à Eletrobras e hoje faz parte do grupo Equatorial, já teve pedido de reajuste tarifário extraordinário aprovado pela Aneel.

Essa proposta foi apresentada pelo diretor Sandoval de Araújo Feitosa e acatada pela relatora da conta-Covid, Elisa Bastos Silva. O tema será debatido em consulta pública nos próximos cinco dias.

Segundo Feitosa, sem esse ajuste, as RTEs dessas empresas poderiam levar a aumentos tarifários de dois dígitos nesses Estados, estimados em 17% a 23% – os maiores de todo o País em 2020. A inclusão dessa proposta na megaoperação poderia reduzir os aumentos tarifários dessas regiões em 10 pontos porcentuais, disse o diretor.

Em sua contribuição, ele menciona trechos da exposição de motivos da Medida Provisória 950, que isentou, por três meses, a conta de luz das famílias de baixa renda do programa Tarifa Social e permitiu a operação bilionária de socorro ao setor elétrico, além da exposição de motivos do decreto que regulamentou a MP. Nos documentos, o governo ressalta que as medidas de combate à pandemia do novo coronavírus visam proteger os consumidores de elevações tarifárias e minimizar os impactos na conta de luz.

“Assim, temos uma grande oportunidade para evitar vultosos impactos tarifários no ano de 2020, em uma situação sui generis quando o custo de capital da operação será certamente inferior à remuneração de capital reconhecida nos processos de revisão tarifária. Pela primeira vez, estamos observando a taxa básica de juros, em termos reais, próxima de zero”, disse o diretor.

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Chefe ou líder? O que você é?

Entende-se que uma das características mais importantes de um líder é desenvolver uma equipe que seja capaz de funcionar sem ele

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

Vida Capixaba

Desafios do mercado audiovisual será tema de live

No bate-papo virtual também vão estar em pauta os desafios do mercado audiovisual e a experiência de Abel Santana no mundo das artes.

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia Por Letícia Vieira Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia:...

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...
Continua após publicidade